top of page

Piso salarial de enfermagem: STF suspende lei; entenda o caso

Neste domingo (04), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, suspendeu a lei que estabelece o piso salarial da Enfermagem. A decisão ocorreu após o pedido de instituições do setor indicarem o risco de demissão em massa e sobrecarga na saúde devido a implementação do piso.


A suspensão ficará em vigor até que sejam analisados dados detalhados dos estados, municípios, órgãos do governo federal, conselhos e entidades da área da saúde sobre o impacto financeiro para os atendimentos e os riscos de demissões. As instituições devem enviar essas informações ao STF em até 60 dias.

Desta forma, nos próximos dias, a decisão provisória de Barroso será levada para análise no plenário virtual do STF para que os demais ministros avaliem a questão.


A Lei 2.564/2020 havia sido aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente da República em agosto deste ano e definia o piso salarial nacional para enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras. Confira abaixo qual foi o piso definido para cada categoria:


  • Enfermeiros: R$ 4.750,00;

  • Técnicos de enfermagem: R$ 3.325,00;

  • Auxiliares de enfermagem e parteiras: R$ 2.375,00.

Por que o piso da Enfermagem foi suspenso?


O primeiro pagamento dos profissionais com o novo piso estava previsto para hoje, dia 5 de setembro. Entretanto, a partir das alegações de entidades do setor sobre o risco de demissões em massa e consequente sobrecarga do sistema de saúde e diminuição na qualidade do serviço brasileiro, por não poderem arcar com os custos gerados pela nova lei, foi que o ministro Barroso tomou a decisão de suspender o piso.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), para cumprir os pisos estabelecidos será necessário um acréscimo financeiro de R$ 4,4 bilhões ao ano para os Municípios, de R$ 1,3 bilhões ao ano para os Estados e de R$ 53 milhões ao ano para a União.

Já a Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB) indicou aumento de R$ 6,3 bilhões ao ano. Além disso, foi notificada a possibilidade de demissão de 80 mil profissionais de enfermagem e fechamento de 20 mil leitos. Ao STF, as instituições afirmaram que “falou-se, antecedentemente, do fechamento de hospitais, da diminuição da rede conveniada ao Sistema Único de Saúde e do influxo de pacientes – alijados da rede de saúde suplementar – para o já sobrecarregado SUS."

Para o presidente do Conselho Nacional Saúde, Fernando Pigatto, a decisão de Barroso foi um erro e o Conselho continuará trabalhando para que o piso seja efetivado em breve.

“Aprovamos no dia 18 de agosto a recomendação 027, na qual pedimos a rejeição pelos ministros e ministras do Supremo Tribunal Federal à ação impetrada pela Confederação Nacional de Saúde. Continuamos dialogando com as entidades de enfermagem e tudo faremos para que o piso seja efetivado o mais rapidamente possível, porque isso é justiça aos trabalhadores e trabalhadoras desta categoria tão importante para o povo do nosso país”, afirmou.

A coordenadora do Fórum Nacional da Enfermagem, Líbia Bellusci, divulgou um vídeo no Instagram neste domingo desaprovando a decisão e falando sobre a possibilidade de paralisação e greve da categoria após a suspensão do piso pelo ministro Barroso. "Se for necessária paralisação, terá. Se for necessário greve, terá", alegou.

Pretende cursar Enfermagem? Você tem interesse em fazer faculdade de Enfermagem? Então saiba que é possível entrar no curso ainda este ano com bolsa de estudos! A UNIFF é uma plataforma que oferece bolsas de estudo de até 80% em cursos de Enfermagem, em centenas de faculdades por todo o país.

4 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page