top of page

Marte pode estar afetando os oceanos da Terra, mostra estudo

Pesquisadores indicam que o planeta vermelho pode causar "redemoinhos gigantes" nos oceanos profundos terrestres

Marte pode estar a cerca de 220 milhões de quilômetros de distância da Terra, mas o planeta vermelho está influenciando os nossos oceanos profundos, ajudando a impulsionar “redemoinhos gigantes”, de acordo com uma nova pesquisa.


Os cientistas analisaram sedimentos, perfurados em centenas de locais de águas profundas ao longo do último meio século, para retroceder dezenas de milhões de anos no passado da Terra, em uma tentativa de compreender melhor a força das correntes oceânicas profundas. O que eles encontraram foi surpreendente.


Os sedimentos revelaram que as correntes profundas enfraqueceram e fortaleceram ao longo dos ciclos climáticos de 2,4 milhões de anos, de acordo com o estudo publicado terça-feira (12) na revista Nature Communications.

Adriana Dutkiewicz, coautora do estudo e sedimentologista da Universidade de Sydney, na Austrália, disse que os cientistas não esperavam descobrir esses ciclos e que só há uma maneira de explicá-los: “Eles estão ligados a ciclos nas interações entre Marte e a Terra orbitando o Sol”, diz, em um comunicado. Os autores afirmam que este é o primeiro estudo a fazer essas conexões.

Os dois planetas se afetam mutuamente através de um fenômeno chamado “ressonância”, que ocorre quando dois corpos em órbita aplicam um “empurrão” e uma atração gravitacional um ao outro – por vezes descrito como uma espécie de harmonização entre planetas distantes. Essa interação altera a forma de suas órbitas, afetando o quão próximas elas estão e a sua distância do Sol.


Para a Terra, esta interação com Marte é traduzida em períodos de aumento da energia solar – o que significa um clima mais quente – e estes ciclos mais quentes se relacionam com correntes oceânicas mais vigorosas, concluiu o relatório.

Embora estes ciclos de 2,4 milhões de anos afetem o aquecimento e as correntes oceânicas na Terra, são ciclos climáticos naturais e não estão ligados ao rápido aquecimento que o mundo experimenta hoje, à medida que os humanos continuam queimando combustíveis fósseis que aquecem o planeta, conforme explica Dietmar Müller, professor de geofísica na Universidade de Sydney e coautor do estudo.


Os autores descrevem essas correntes como “redemoinhos gigantes”, que podem atingir o fundo do oceano profundo, erodindo o fundo do mar e causando grandes acumulações de sedimentos, como montes de neve.

Os cientistas conseguiram mapear esses fortes redemoinhos através de “rupturas” nos núcleos de sedimentos que analisaram. Os sedimentos do fundo do mar formam camadas contínuas durante condições calmas, mas as fortes correntes oceânicas causam perturbações, deixando uma marca visível da sua existência.

Como os dados de satélite que podem mapear visivelmente as mudanças na circulação oceânica só estão disponíveis há algumas décadas, os núcleos de sedimentos – que ajudam a construir uma imagem do passado que remonta a milhões de anos – são muito úteis para compreender as mudanças na circulação em clima mais quente, diz Müller à CNN.

Se o aquecimento causado pelo homem continuar na sua trajetória atual, diz Müller, “esse efeito diminuirá todos os outros processos durante muito tempo. Mas o registo geológico ainda nos fornece informações valiosas sobre como os oceanos funcionam num mundo mais quente.”


Os autores sugerem que é possível que esses redemoinhos possam até ajudar a mitigar alguns dos impactos de um potencial colapso da Circulação Meridional do Atlântico (AMOC), uma circulação oceânica crucial que funciona como uma enorme correia transportadora que leva água quente dos trópicos para o extremo Atlântico Norte.

Os cientistas têm soado cada vez mais o alarme sobre a saúde desse crítico sistema de correntes. Há receios de que possa até estar dando sinais precoces de que está prestes a entrar em colapso, à medida que o aquecimento global aquece os oceanos e derrete o gelo, perturbando o delicado equilíbrio de calor e sal que determina a força da AMOC.

Um colapso teria consequências climáticas catastróficas, incluindo uma queda rápida das temperaturas em alguns locais e aumento em outros.


“Nosso trabalho não diz nada sobre o que pode ou não acontecer com a AMOC”, afirma Müller. “O que queremos dizer é que, mesmo que a AMOC fosse encerrada, ainda existem outros processos para misturar o oceano, embora os seus efeitos sejam bastante diferentes.”

Há receios de que o encerramento da AMOC significaria que as águas superficiais ricas em oxigênio deixariam de se misturar com as águas mais profundas, levando a um oceano estagnado e, em grande parte, desprovido de vida. “Nossos resultados sugerem que redemoinhos oceânicos profundos mais intensos em um mundo mais quente podem evitar essa estagnação oceânica”, diz.


Joel Hirschi, chefe associado de modelagem de sistemas marinhos do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido, que não esteve envolvido na pesquisa, explica que a descoberta do estudo sobre a existência de um ciclo de 2,4 milhões de anos nos sedimentos marinhos é digna de nota. A metodologia é sólida e uma ligação com Marte é possível, segundo ele.

No entanto, a “ligação proposta com a circulação oceânica é especulativa e a evidência de que a circulação oceânica profunda ligada a redemoinhos é mais forte em climas quentes é escassa”, diz ele à CNN.


Observações de satélite mostraram que esses redemoinhos se tornaram mais ativos nas últimas décadas, mas as correntes nem sempre atingem o fundo do oceano, disse o especialista, o que significa que não seriam capazes de impedir a acumulação de sedimentos.

Ainda não está claro como exatamente os diferentes processos que afetam as correntes oceânicas profundas e a vida marinha se desenvolverão no futuro, afirmam os autores do estudo em comunicado. Mas eles esperam que o novo estudo ajude a construir um modelo melhor de resultados climáticos futuros.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page