top of page

Grupo de borboletas viajou mais de 4 mil km sobre o oceano sem parar, diz estudo

Cientistas usaram DNA e pólen acumulado pelas borboletas para rastrear percurso migratório

As borboletas da espécie Vanessa cardui se aventuram em amplas áreas com seus impressionantes padrões migratórios que se estendem por milhares de quilômetros — mas elas frequentemente viajam por terra, então podem parar para descansar.


Cientistas encontraram evidências de que um grupo dessas viajantes aladas voou mais de 4.200 quilômetros pelo Oceano Atlântico sem parar, segundo um novo estudo publicado em 25 de junho na revista Nature Communications.


A descoberta resolve um mistério de uma década que começou quando o entomologista e autor principal do estudo, Dr. Gerard Talavera, encontrou cerca de 10 borboletas Vanessa cardui em uma praia na Guiana Francesa em outubro de 2013. Os insetos, que normalmente não são encontrados na América do Sul, estavam desgastados com buracos e rasgos nas asas.

“Els pareciam exaustos. Nem conseguiam voar muito, meio que pulavam em vez de voar”, disse Talavera, pesquisador sênior do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha no Instituto Botânico de Barcelona. “A única explicação que me veio à mente foi que eram migrantes de longa distância.”


Mas atravessar um oceano inteiro era algo inédito para borboletas, mesmo para aquelas tão viajadas quanto as Vanessa cardui. Talavera e seus colegas precisaram descartar alguns fatores antes de concluir que essas borboletas realizaram o que antes era considerado impossível.


Até onde uma borboleta pode voar

Um estudo de outubro de 2016 que tem Talavera como coautor descobriu que as borboletas Vanessa cardui da Europa migram grandes distâncias de cerca 4.000 quilômetros para a África subsaariana, enfrentando obstáculos como o Mar Mediterrâneo e o Deserto do Saara. Mas mesmo assim, as borboletas permanecem principalmente sobre terra, onde podem “parar e reabastecer, alimentar-se de flores e então obter energia para continuar”, disse Talavera.

Cruzar o Atlântico levaria de cinco a oito dias para uma borboleta Vanessa cardui, dependendo de diferentes variáveis, conforme aponta o novo estudo.

Com base em análises das restrições de energia, os pesquisadores concluíram que as borboletas poderiam voar no máximo 780 quilômetros sem parar, mas condições de vento favoráveis permitiram que elas completassem a longa jornada, disse Talavera.


“Isso é, na verdade, um recorde para um inseto, especialmente para uma borboleta, realizar um voo tão longo sem possibilidades de parar”, disse Talavera, que também lidera o Projeto Mundial de Migração da Vanessa cardui, um projeto de ciência cidadã global que rastreia as rotas migratórias dos insetos.

Houve outros casos em que especialistas suspeitam que borboletas e outros insetos migratórios viajaram distâncias maiores do que o habitual, aparecendo em barcos, ilhas remotas ou países onde normalmente não são encontrados, disse Talavera.

Os pesquisadores acreditam que essas borboletas participaram de sua migração anual para o sul a partir da Europa, mas se perderam quando o vento as soprou para o oceano, acrescentou. As borboletas então provavelmente aproveitaram os ventos alísios, que sopram de leste a oeste perto da Linha do Equador, até chegarem à terra na América do Sul.


“Ficar suspensas na coluna de ar na altura certa para aproveitar os ventos alísios é nada menos que notável”, disse o Dr. Floyd Shockley, gerente de coleções do departamento de entomologia do Museu Nacional de História Natural Smithsonian em Washington, que não fez parte do novo estudo.

“Isso levanta a questão, elas vêm fazendo isso há muito tempo e nunca documentamos porque não estávamos procurando isso na América do Sul?”

A descoberta de cerca de 10 borboletas fora de lugar, em comparação com o ocasional indivíduo solitário encontrado provavelmente apanhado em tempestades, pode ser uma evidência suficiente de que este foi um evento migratório coordenado para o grupo de insetos, disse Shockley.


Rastreando uma borboleta

Os pesquisadores tomaram algumas medidas cruciais para confirmar que essas borboletas fora de lugar realmente viajaram pelo oceano.


Primeiro, para descartar que os insetos não viajaram por terra da América do Norte, os pesquisadores analisaram seu DNA, descobrindo que ele correspondia ao das populações da Europa-África.

Em seguida, a equipe usou uma técnica conhecida como rastreamento de isótopos que analisa a composição das asas das borboletas em busca de evidências dos tipos de plantas que elas comeram como lagartas, disse a coautora do estudo, Dra. Megan Reich, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Ottawa, no Canadá. Por este método, os cientistas concluíram que o local de nascimento das borboletas foi na Europa Ocidental, no Norte da África ou no Oeste da África, acrescentou.


Mas a verdadeira chave para encontrar a rota que as borboletas seguiram foi um método descrito pela primeira vez em um estudo de setembro de 2018 liderado por Talavera que descobriu que o pólen preso às borboletas pode revelar sua jornada migratória através das plantas das quais se alimentaram.

As borboletas avistadas em outubro de 2013 tinham pólen de duas plantas da África Ocidental, Guiera senegalensis e Ziziphus spina-christi. Os arbustos tropicais florescem de agosto a novembro, segundo o estudo, e esta estação de floração coincide com o cronograma das borboletas que Talavera descobriu na América do Sul.


Além disso, uma análise dos dados meteorológicos de 48 horas antes da descoberta das borboletas na praia mostrou ser “excepcionalmente favorável para as borboletas dispersarem pelo Atlântico a partir da África Ocidental”, observaram os autores no estudo.

Se os insetos viajaram de seu provável local de nascimento na Europa, então para a África e América do Sul, a jornada das borboletas poderia ter sido de, pelo menos, 7.000 quilômetros).

“Muitas pessoas pensam nas borboletas como criaturas realmente frágeis. Acho que isso realmente mostra o quão fortes e resilientes elas são e essas jornadas incríveis que fazem. Elas realmente não devem ser subestimadas”, disse Reich.


Os pesquisadores esperam usar as mesmas técnicas para investigar os padrões migratórios de outras espécies de borboletas, acrescentou.

“Este é apenas o primeiro passo em um longo processo de tentar entender por que isso aconteceu e como isso aconteceu”, disse Shockley.

Se pesquisas futuras descobrirem que a jornada das borboletas é provavelmente um padrão migratório regular, ela está entre as migrações de insetos mais longas do mundo, acrescentou.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page