top of page

Vacina contra chikungunya vai ajudar no controle dos casos, diz infectologista

À CNN Rádio, Kléber Luz afirmou que ano foi de aumento de casos da doença no Brasil

A aprovação da primeira vacina contra chikungunya pela agência regulatória dos Estados Unidos representa “um avanço no controle dos casos, que tem aumentado na América Latina e no Caribe.”

Esta é a avaliação do infectologista Kléber Luz, que é consultor de arboviroses da Organização Mundial da Saúde.


À CNN Rádio, ele afirmou que hoje a única forma de enfrentar o surto é o combate ao mosquito Aedes aegypti, também transmissor da dengue e do zika vírus.


De acordo com o especialista, o ano de 2023 foi de epidemia, por exemplo, no Paraguai, com mais de 300 mil casos.

“No Brasil, tivemos ocorrências no Sul do país, onde não ocorriam arboviroses, e Minas Gerais foi muito afetada”, disse.

Por esse motivo, a projeção é de aumento do número de casos em 2024.


“Chikungunya é uma doença que maltrata muito, causa intensa morbidade e pode levar recém-nascidos e pessoas com comorbidades à morte”, completou.

Entre os sintomas, estão febre alta, dor articular incapacitante e inchaço nas articulações.


Veja mais: Aplicação de nova vacina contra dengue começa dia 1º de julho

“Em média, o ciclo dura 2 semanas, mas há casos que evoluem para formas crônicas, com sequelas por anos”, disse Kléber.


Embora classifique a autorização da vacina como um avanço, o infectologista destaca que ainda há estudos pendentes e que nenhum imunizante é aprovado sem que haja aval da Anvisa no Brasil.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br






0 visualização

Comments


bottom of page