top of page

Medicina: conheça os detalhes dessa formação

É muito comum, ao pensarmos no profissional de Medicina, associá-lo com a ideia de salvar vidas. Ou, ainda, o quanto o curso de formação pode ser difícil. No entanto, a realidade pode ir muito além de simples afirmações.

Para desmistificar a profissão e trazer informações detalhadas sobre o curso, a UNIFF conversou com o diretor do curso de graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Prof. Dr. Adriano Namo Cury, e reuniu informações sobre as diretrizes do Ministério da Educação (MEC) a respeito da formação e da atuação profissional dos médicos. Confira!

De acordo com o Censo da Educação 2018, o mais recente divulgado pelo MEC, o curso de Medicina está entre as dez graduações mais procuradas do País.

Com duração média de seis anos, a formação busca capacitar profissionais para atuar no processo de saúde-doença dos pacientes, em aspectos como prevenção, recuperação e reabilitação, por meio de assistência integral para promover a saúde.


O curso

A organização estrutural do curso de Medicina fica a critério de cada instituição de ensino, a qual deve definir dentre outras coisas, se o período letivo será anual, semestral, sistema de créditos - o aluno escolhe qual disciplinas cursar em cada período - ou modular.

De forma geral, a graduação possui um forte aspecto prático, pois as diretrizes do curso determinam que os alunos vivenciem situações variadas da rotina de trabalho de um médico.

Na Santa Casa, onde o calendário letivo acontece de forma anual, os alunos possuem aulas práticas desde o primeiro ano, mas com uma frequência menor.

Segundo Adriano Cury, do primeiro ao quarto ano os alunos entram em contato com uma forte linha teórica, práticas laboratoriais e pesquisa, também conhecido como período pré-clínico. Esse período inclui disciplinas como:

  • Bioquímica;

  • Biofísica;

  • Genética;

  • História da Medicina;

  • Noções de Enfermagem;

  • Farmacologia;

  • Imunologia;

  • Processos Patológicos;

  • Epidemiologia;

  • Anestesiologia;

  • Psicologia do Desenvolvimento;

  • Sistemas do corpo humano (respiratório, digestivo, nervoso);

  • Hematologia.

No quinto e sexto ano do curso, as atividades práticas se intensificam e os alunos passam a frequentar o internato.

“A profissão médica é essencialmente humana com aplicação do conhecimento científico, de maneira contínua, para um único objetivo: cuidar das pessoas e promover saúde a todos. Obviamente a carga horária é extensa. Um curso integral que pede muito estudo e dedicação, mas o aluno se integra rapidamente ao hospital escola, tem bons vínculos com docentes, e mesmo com muito tempo de dedicação aos estudos ele se sente em casa e pronto para todos desafios que possam vir”, explica o diretor do curso de Medicina da Santa Casa, Adriano Cury.

As avaliações dos universitários também fica a critério das instituições de ensino, as quais devem decidir como e quando avaliá-los. Por esse motivo, podem acontecer pequenas variações entre as faculdades.


Como funciona o internato?

O MEC define o internato como um regime de estágio, que deve ser realizado em um local conveniado com a instituição e supervisionado por professores do curso de Medicina.

O internato é obrigatório e o aluno deve passar pelas áreas de Clínica Médica, Cirurgia, Ginecologia-Obstetrícia, Pediatria e Saúde Coletiva, com atividades distribuídas em três níveis para cada área. A duração mínima do internato é de 2.700 horas.

Além do internato, as atividades complementares também precisam ser feitas desde o início do curso, e incluem programas de iniciação científica, monitoria, programas de extensão e cursos em outras áreas.

E o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)?

Não há a obrigatoriedade de defesa do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para uma banca no curso de Medicina.

O que pode ocorrer eventualmente, conforme explica Adriano Cury, é algumas disciplinas ou estágios solicitarem o trabalho.


O perfil do aluno de Medicina

Para o diretor do curso de Medicina da Santa Casa, "cursar medicina com alma e coração é tudo que um aluno precisa para se tornar um bom médico".

Entretanto, o MEC acrescenta algumas características consideradas fundamentais para o futuro profissional da Medicina como ser crítico, reflexivo, ter princípios éticos, senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania.

O órgão também indica algumas competências e habilidades necessárias para o formando, tais como:

  • Atenção à saúde;

  • Capacidade de tomar decisões;

  • Ser acessível e manter sigilo de informações;

  • Ter domínio de pelo menos uma língua estrangeira e de tecnologias de informação;

  • Ser apto para gerenciar força de trabalho, assim como recursos materiais;

  • Aprender continuamente.

Após a formação, para trabalhar como médico é necessário fazer o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). Feito isso, o profissional pode trabalhar nos setores público ou privado nas áreas de atendimento, assistência, gestão e pesquisa.

3 visualizações
bottom of page