top of page

Como um puma levou à criação do maior viaduto para vida selvagem do mundo

Cerca de 300 mil a 400 mil carros por dia passarão sob o Wallis Annenberg Wildlife Overpass quando ele for inaugurado em dois anos.

Parece o enredo de um filme da Disney: um leão da montanha impedido de encontrar um companheiro porque está preso nas rodovias de Los Angeles torna-se famoso e inspira a construção do maior viaduto de vida selvagem do mundo.

Mas realmente aconteceu.

“Ele estava sobrevivendo em um espaço muito, muito menor do que qualquer leão da montanha macho já teve — 13 quilômetros quadrados”, explicou Beth Pratt, diretora da Federação Nacional de Vida Selvagem da Califórnia. “O território médio dos leões da montanha machos é de 240 quilômetros.”


O puma, chamado P-22, tornou-se uma celebridade entre as estrelas de Hollywood que às vezes o viam enquanto ele percorria os bairros próximos ao Griffith Park, em Los Angeles.


“Um leão da montanha vivia em Los Angeles e as pessoas não o temiam”, disse Pratt, que homenageou o P-22 em seu braço com uma tatuagem. “Eles o viam como um vizinho; eles estavam jantando e ele passava pela sala de jantar à noite e eles compartilhavam uma foto e diziam: ‘Ei, P-22 me visitou.'”


Um dos destaques de sua carreira foi receber um e-mail do ator Alan Ruck — de “Succession” da HBO e do filme favorito de Pratt, “Ferris Bueller’s Day Off” — dizendo que avistou o P-22 do deck de sua casa em Hollywood Hills.


Devido à popularidade da P-22, as pessoas queriam ajudar o leão da montanha — e outros como ele — a percorrer as áreas além da movimentada rodovia 101 de seis pistas de Los Angeles. A ideia de um viaduto para a vida selvagem estava despertando interesse, mas financiá-lo era outra questão.


Então Pratt, que se sente mais confortável ao ar livre com roupas casuais e botas de caminhada, se viu em mansões chiques de Bel Air, implorando por doações.


Chegaram doações de celebridades como Leonardo DiCaprio, Rainn Wilson, Barbra Streisand e David Crosby, e o apoio também veio de residentes de Watts no sul de Los Angeles.


Os residentes de Watts veem o P-22 como “um herói da justiça social”, explicou Pratt.


“Ele é alguém que também foi impactado pela injustiça de colocar rodovias nas comunidades”, disse ela. “Quer você esteja [morando em] Beverly Hills, quer você esteja [morando em] Watts, todos nós nos reunimos para cuidar da vida selvagem.”


Encontrando o lugar certo

Cerca de 300 mil a 400 mil carros por dia passarão sob o Wallis Annenberg Wildlife Overpass quando ele for inaugurado em dois anos.


A travessia inclui paredes acústicas especialmente projetadas, juntamente com barreiras sonoras naturais de árvores altas e plantações exuberantes. Tudo foi pensado para filtrar o barulho da rodovia, já que a maioria dos animais se assusta e se vira se estiver muito barulhento.

Os engenheiros também estão levando em consideração o medo que os animais têm de luzes fortes.


“Todas as luzes desses faróis são um impedimento para a vida selvagem”, explicou Pratt. “Na verdade, estamos projetando barreiras de luz — não apenas na travessia, mas também na abordagem — para que eles não se assustem e se virem, e é isso que acontece.”


O corredor da vida selvagem é um projeto público-privado, liderado pela National Wildlife Federation juntamente com o departamento de transportes da Califórnia.


Cerca de metade do custo de 100 milhões de dólares (cerca de 513 milhões de reais) foi financiado por doações privadas, incluindo 26 milhões de dólares (cerca de R$ 133 milhões) do filantropo Wallis Annenberg, cuja contribuição foi fundamental para impulsionar o projeto.


Durante 20 anos, o Serviço Nacional de Parques pesquisou o local exato onde deveria passar o viaduto da rodovia.


“Você não poderia me pagar um milhão de dólares para atravessar aquela estrada”, disse Pratt. “Esta rodovia é tão grande e barulhenta e tem muitas luzes… os animais nem tentam.”


Não é a primeira travessia de vida selvagem

As travessias de vida selvagem foram construídas pela primeira vez na França na década de 1950. Eles são usados ​​em toda a Europa e são especialmente populares na Holanda.

Os corredores de vida selvagem trabalharam até com animais não considerados particularmente inteligentes.


Quando os atropelamentos de veículos foram responsabilizados por grande parte do declínio da população de coalas em Queensland, na Austrália, os engenheiros criaram uma série de túneis e pontes para ajudá-los a evitar estradas movimentadas.


Mas as autoridades australianas da vida selvagem previram que os coalas — famosos por relaxarem nas árvores, agarrados em eucaliptos — não os descobririam.


Portanto, esses mesmos responsáveis ​​pela vida selvagem ficaram agradavelmente surpresos quando os coalas demoraram menos de três semanas para começar a usá-los regularmente.


No Canadá, uma série de pontes e passagens subterrâneas para a vida selvagem no Parque Nacional de Banff provou ser um grande sucesso. Os corredores de vida selvagem passam por cima e por baixo da gigante Rodovia Trans-Canadá, que corta o parque ao meio.


Dezenas de animais grandes utilizam o sistema, incluindo ursos pardos, ursos negros, alces, cervos e pumas. O sistema é creditado por ajudar os ursos pardos a sustentar sua população, fornecendo acesso a parceiros em ambos os lados do parque.


E é exatamente isso que precisa acontecer no Wallis Annenberg Wildlife Overpass, onde a rodovia corta o habitat local do puma.


Um a dois milhões de animais de grande porte morrem nas estradas dos EUA todos os anos devido a acidentes com veículos, de acordo com a Administração Rodoviária Federal. Pratt diz que esse número é “muito subestimado”, já que essas são apenas as falhas que são realmente relatadas.


“E se você adicionar os pequeninos — sapos e borboletas — estamos falando de bilhões”, disse Pratt.


Ela acredita que as travessias têm um apoio generalizado: “Não importa qual a sua filiação política, onde vive, não importa. A maioria das pessoas ama a vida selvagem e não gosta de vê-la ser atingida.”


Há também benefícios econômicos, segundo Pratt, uma vez que são projetos de infraestruturas que geram empregos e trazem benefícios para a segurança humana.


É um problema ambiental com uma solução simples e comprovada, diz Pratt, e a única coisa que impede sua construção é o dinheiro.


“Não existe vilão. Não precisamos descobrir a tecnologia. Só precisamos do financiamento.”


Reconstruindo uma rodovia de Los Angeles

Além de seu enorme escopo, o Wallis Annenberg Wildlife Crossing é diferente de outros sistemas de viadutos para vida selvagem em todo o mundo, pois abrigará todo um ecossistema em cima dele.


Um viveiro de plantas próximo está cultivando plantas nativas resistentes ao fogo que eventualmente cobrirão a travessia.


“Há anos que recolhemos sementes para corresponder ao ecossistema circundante, e isso é importante para o clima — tanto a vida selvagem como as plantas precisam de opções”, de acordo com Pratt.


Plantas invasoras que alimentam o fogo — incluindo a onipresente planta de mostarda-preta — serão removidas da área. Os postes próximos tiveram que ser deslocados para acomodar a travessia, por isso agora serão colocados no subsolo, o que também ajudará na resistência ao fogo.


“Você não apenas terá vida selvagem como leões da montanha e linces cruzando-o, mas também terá borboletas monarcas botando seus ovos em serralha em cima dele, você terá lagartos ocidentais vivendo em cima dele”, disse Pratt.


“Parte deste projeto é restaurar a paisagem, não apenas na travessia, mas ao redor dela, de volta ao que deveria ser. Então isso vai ajudar em muitas coisas, bem como no risco de incêndio.”


P-22 não estará por perto para usar a travessia de vida selvagem que ajudou a inspirar. Em dezembro de 2022, poucos meses depois que a Federação Nacional da Vida Selvagem e o departamento de transporte da Califórnia iniciaram as obras da ponte, o puma morreu.


Embora sua morte tenha sido dolorosa, Pratt disse que na verdade o animal viveu uma vida longa para um leão da montanha.


“Mas mais do que isso, ele usou sua fama para sempre. Eu o chamo de ‘o maior influenciador de celebridades puma’”.


A história dele, disse ela, garantiu um futuro para outros leões da montanha na região.


“E temos uma dívida de gratidão com ele. Ele inspirou a construção do Wallis Annenberg Wildlife Crossing. Não teríamos isso sem ele.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page