top of page

Vulcão Kilauea, no Havaí, entra em erupção novamente após três meses sem erupções

Grandes fluxos de lavas nas crateras do vulcão foram observados no domingo (10), mas não representam um risco às comunidades


O vulcão Kilauea, no Havaí, entrou em erupção novamente, gerando fluxos de lava em suas crateras, após quase três meses sem erupções, no domingo (10), de acordo com o Serviço Geológico dos EUA (USGS).


A erupção de domingo começou por volta das 10h15, horário de Brasília, na cratera Halemaʻumaʻu, na caldeira do cume do Kilauea, no Parque Nacional dos Vulcões do Havaí, de acordo com o USGS. Kilauea é o vulcão mais jovem e ativo da ilha, com várias erupções no cume desde 2020.


“A erupção foi precedida por um período de forte sismicidade e rápida elevação do cume”, disse o USGS.


“Neste momento, a lava do Kilauea está confinada ao cume e não representa uma ameaça de lava para as comunidades”, disse a Agência de Gestão de Emergências do Havaí. O vídeo mostrou a lava sendo expelida de fissuras na base da cratera, mas a atividade estava confinada à cratera no domingo.


O nível de alerta do vulcão Kilauea foi elevado enquanto as autoridades trabalham para avaliar os perigos da erupção, de acordo com o USGS, que alertou que as “fases iniciais das erupções são dinâmicas”. Com a erupção do vulcão, as principais preocupações são o gás vulcânico e os delicados fios de pedra vulcânica – chamados de cabelo de Pele – que podem flutuar na direção do vento, segundo a agência.


“Ventos fortes podem transportar partículas mais leves para distâncias maiores”, alertou o USGS em alerta. “Moradores e visitantes devem minimizar a exposição a estas partículas vulcânicas, que podem causar irritação na pele e nos olhos.”


O Kilauea entrou em erupção pela última vez em junho, exibindo uma deslumbrante rajada de fontes de lava com cerca de 60 metros de altura . A erupção terminou em 19 de junho, segundo o USGS.


O Kilauea também entrou em erupção em janeiro, depois de ter parado em dezembro pela primeira vez desde setembro de 2021, quando houve uma erupção na qual a lava foi contida na cratera do cume.

Mas uma erupção anterior, em 2018, foi uma das mais destrutivas da história recente do Havaí, destruindo centenas de casas e forçando a evacuação dos bairros vizinhos.



“Desde a atividade de 2018, Kilauea tem experimentado mudanças quase constantes, com episódios distintos de calma, agitação, erupções e tudo mais”, relembrou o serviço de geológico dos EUA.


A erupção de domingo no Kilauea serviu como “um lembrete solene da sacralidade enraizada nesta paisagem”, disse o Parque Nacional dos Vulcões do Havaí nas redes sociais.


“O privilégio de testemunhar as forças criativas de uma nova erupção acarreta a responsabilidade de abordar este lugar com reverência”, acrescentou o parque nacional.


Na tradição nativa havaiana, as erupções têm significado espiritual e o cume do Kilauea é sagrado, considerado o lar de Pele, uma divindade havaiana, de acordo com o Serviço de Parques Nacionais.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização

Kommentare


bottom of page