top of page

Transtorno do Espectro Autista: Conheça as características e como é o tratamento

O neurologista Erasmo Casella fez o alerta de que o atendimento a pessoas com autismo ainda é pobre no Brasil


O Dia Mundial da Conscientização sobre Autismo, criado pela Organização das Nações Unidas, acontece em 2 de abril.

O neurologista Erasmo Casella considera a data muito importante para “as pessoas aprenderem a respeitar, já que os autistas sofrem bullying” e conscientizar sobre as diferenças.


De acordo com o especialista, o Transtorno do Espectro Autista engloba várias situações.

“Ele se caracteriza pela dificuldade de interação da pessoa com os outros, tanto do ponto de vista verbal, como não-verbal”, disse, já que há pessoas que falam e outras que não.

“Há também dificuldade de interação não-verbal, a comunicação não é boa, e outras características, como seletividade alimentar e algumas manias, como de enfileirar carrinhos, e falta de interagir com o outro”, completou.

O TEA é dividido por níveis, o nível 1 tem um grau maior de independência, enquanto o 3 é mais dependente.

“Para fazer essa classificação nos primeiros anos de vida é difícil, depois de 5 anos dá para se ter uma ideia melhor”, lembrou.

De acordo com o médico, os profissionais de saúde foram aprendendo com o tempo a diagnosticar, o que fez com que o “transtorno raro se tornasse relativamente frequente.”

Erasmo Casella destacou que, devido à divulgação e conhecimento, muitos adultos reconheceram em si próprios características do autismo.

O neurologista lamentou o fato de que “estamos engatinhando no crescimento do acesso ao atendimento do serviço público.”

Uma equipe envolve fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, e musicoterapeutas, o que “não é fácil e a oferta acaba sendo bem pobre.”

O tratamento em si envolve, por exemplo, “treinar olhar nos olhos, sociabilizar, tentar impedir movimentos repetidos”.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


1 visualização
bottom of page