top of page

Steve: Conheça o fenômeno de luzes que pode ser confundido com auroras

Por meio de uma faixa de luz lilás acompanhada por faixas verdes o fenômeno se manifesta em latitudes mais baixas

Nem toda ciência é realizada por pessoas com jalecos brancos sob as luzes fluorescentes dos edifícios acadêmicos. Ocasionalmente, a trajetória do registro científico é alterada para sempre dentro de um pub, tomando um litro de cerveja. Esse é o caso das amplas luzes roxas e verdes que podem pairar no horizonte no Hemisfério Norte. O fenômeno parece uma aurora, mas na verdade é algo totalmente diferente e se chama Steve.

O raro espetáculo de luz causou um pouco de agitação este ano, à medida que o Sol está entrando em seu período mais ativo, aumentando o número de fenômenos naturais deslumbrantes que aparecem no céu noturno – e levando a novos relatos de pessoas que avistaram Steve em áreas que normalmente não aparecem, como partes do Reino Unido.


Mas há cerca de oito anos, Elizabeth MacDonald, física espacial do Goddard Space Flight Center da NASA, esteve em Calgary, Alberta, para um seminário, ela nunca tinha visto o fenômeno pessoalmente. E ainda não tinha nome. Na verdade, poucos cientistas que estudam ativamente as auroras e outros fenômenos do céu noturno testemunharam um Steve, que parece mais próximo do equador do que as auroras e é caracterizado por um arco rosa púrpura acompanhado por listras verticais verdes.


Depois que MacDonald deu uma palestra em uma universidade próxima, ela se encontrou com alguns cientistas cidadãos – a maioria fotógrafos que passam noites esperando capturar a próxima imagem impressionante de cores dançando no céu canadense – no Kilkenny Irish Pub.


“Eu já estava entrando em contato com os caçadores de auroras locais de Alberta (em) um grupo do Facebook, que era bem pequeno na época”, disse MacDonald, “mas muito interessado em compartilhar suas observações e interagir com a NASA”. Os fotógrafos vieram com suas fotos em mãos, ansiosos para mostrar o misterioso show de luzes que haviam captado.

Por que “Steve”?

Na época, “não sabíamos exatamente o que era”, disse MacDonald sobre o fenômeno apresentado nas imagens. Neil Zeller, um cientista cidadão ou especialista no assunto da fotografia – como às vezes são chamados os fotógrafos caçadores de auroras – estava naquela reunião.

“Comecei a detectar o que costumávamos chamar de arco de prótons em 2015”, disse Zeller. “Ele havia sido fotografado no passado, mas identificado incorretamente, e então, quando participei daquela reunião no Kilkenny Pub… começamos uma pequena discussão sobre (se) eu tinha visto um arco de prótons.”

“E a conclusão daquela noite foi, bem, não sabemos o que é isso”, disse Zeller. “Mas podemos parar de chamá-lo de arco de prótons?”

Foi logo depois daquela reunião no pub que outro caçador de auroras, Chris Ratzlaff, sugeriu um nome para as luzes misteriosas na página do grupo no Facebook. Os membros do grupo estavam trabalhando para entender melhor o fenômeno, mas “proponho que até então o chamemos de Steve”, escreveu Ratzlaff em uma postagem no Facebook em fevereiro de 2016.

O nome foi emprestado de “Over the Hedge”, o filme de animação da DreamWorks de 2006, no qual um grupo de animais se assusta com um enorme arbusto frondoso e decide se referir a ele como Steve. (“Tenho muito menos medo de Steve”, declara um porco-espinho.) O nome pegou. Mesmo depois o fenômeno poderia ser melhor explicado. Mesmo depois que as explicações para Steve começaram a tomar forma em artigos científicos.

Mais tarde, os cientistas desenvolveram um acrônimo para combinar com o nome: Strong Thermal Emission Velocity Enhancement. E aquele encontro num pequeno pub canadense foi um ponto de viragem.

“Essa foi a reunião presencial que foi uma das peças que deu mais impulso para eventualmente coletar mais e mais observações de uma forma cada vez mais rigorosa até onde poderíamos correlacionar isso com o nosso satélite”, disse MacDonald.


O que é “Steve”?

Eventualmente, MacDonald disse que um satélite observou diretamente Steve, coletando dados cruciais e levando a um estudo de 2018 que sugeriu que as luzes são uma manifestação visual de algo chamado deriva iônica subauroral, ou SAID – que se referem a um fluxo estreito de partículas carregadas na atmosfera superior da Terra.

Os pesquisadores já sabiam que o SAID existia, disse MacDonald, mas não sabiam que ocasionalmente poderia ser visível.

Steve é ​​​​visualmente diferente das auroras, que são causadas por partículas eletricamente carregadas que brilham quando interagem com a atmosfera e aparecem como fitas dançantes em verde, azul ou vermelho. Steve – se for causado por SAID – é composto basicamente da mesma coisa. Mas aparece em latitudes mais baixas e aparece como uma faixa de luz lilás acompanhada por faixas verdes distintas, muitas vezes referida como cerca de estacas.

Steve pode ser frustrantemente difícil de detectar, aparecendo ao lado de auroras com pouca regularidade. Às vezes, localizar Steve é ​​uma questão de sorte, observou Donna Lach, fotógrafa que mora na província canadense de Manitoba.

Um Steve sempre aparecerá ao lado de uma aurora, disseram Lach e Zeller, mas nem todas as auroras incluem um Steve.


Como e onde ver um Steve?

A Terra está entrando em um período de maior atividade solar, que ocorre a cada 11 anos ou mais, disse MacDonald. Durante este período, os espectadores podem esperar mais espetáculos de luzes visíveis no céu e – potencialmente – a oportunidade de testemunhar um Steve em baixas latitudes. Fenômenos luminosos foram detectados no extremo sul de Wyoming e Utah, disse ela.

Steve é ​​melhor visto através das lentes de uma câmera fotográfica ou de um celular, entretanto. A olho nu, pode parecer nada mais do que um leve rastro de um avião voando pelo céu, observaram Zeller e Lach, e pode ser fácil de ignorar.

Zeller e Lach disseram que normalmente veem Steve entre a noite e meia-noite. “Não é uma coisa que dura a noite toda”, disse Zeller. “A duração mais longa que Steve já vi foi de uma hora do início ao fim.”

MacDonald incentiva qualquer pessoa interessada em fotografar auroras – ou Steve – a se envolver com comunidades online. Aurorasaurus, um site que conecta fotógrafos com cientistas, é um projeto com o qual ela disse se preocupar profundamente, observando seu papel crucial em ajudar os cientistas a identificar formalmente Steve.

As fotos fornecidas pelo público ajudam constantemente os cientistas a melhorar a sua compreensão destes espectáculos de luzes, disse ela.

“Os cientistas não são tão bons caçadores de auroras quanto o público apaixonado”, disse ela. “Não ficamos acordados a noite toda, nem somos fotógrafos.”

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br






1 visualização
bottom of page