top of page

Sem data de retorno, Nasa e Boeing negam que astronautas estejam presos no espaço

Missão da espaçonave Starliner deveria durar apenas alguns dias, mas está próxima de completar um mês

Após mais de três semanas de uma missão que foi inicialmente projetada para durar apenas alguns dias, os dois astronautas que pilotam o vôo de teste tripulado inaugural da espaçonave Starliner, da Boeing, ainda não sabem quando voltarão para casa.


As autoridades destacam repetidamente que a Starliner – que apresentou problemas com vazamentos de hélio e interrupções de propulsores durante a ida à Estação Espacial Internacional, no início de junho – é segura para trazer os astronautas Suni Williams e Butch Wilmore de volta.

Ainda assim, Steve Stich, gerente do Programa de Tripulação Comercial da Nasa, disse na sexta-feira (28) que a agência espacial está considerando estender a duração máxima da missão da Starliner de 45 dias para 90 dias. E ainda não há uma data de retorno definida no horizonte.

Parte dos motivos para estender a missão são os testes de solo que a Boeing e a Nasa planejam realizar no Novo México, para entender melhor por que alguns dos propulsores da Starliner falharam inesperadamente durante a primeira etapa da viagem.


Quatro dos cinco propulsores que falharam foram restaurados desde então, e não se espera que um dos propulsores da Starliner funcione durante o resto da missão.

“Estamos apenas analisando o cronograma de execução [dos testes no Novo México] e depois revisando os dados”, disse Stich em conversa com a imprensa na sexta-feira (29). “E é isso que é realmente difícil, eu diria, determinar uma data para o pouso”. “Não temos pressa de voltar para casa”, acrescentou.

Stich e Mark Nappi, vice-presidente e gerente do Programa de Tripulação Comercial da Boeing, também disseram que os engenheiros ainda não têm certeza sobre a causa raiz dos problemas da Starliner.

Parte do objetivo de realizar os testes de solo enquanto o veículo ainda está no espaço, conforme explicou Nappi, é tentar reduzir as possíveis razões para o mau funcionamento dos propulsores.

“Então, se [os testes no Novo México] acabarem e nos derem todas as respostas, podemos simplesmente desacoplar e voltar para casa”, disse Nappi. “Se eles acabarem e disserem: ‘Aqui está 80% da resposta. E se você apenas executar mais um teste de fogo quente atracado [na Starliner em órbita], então você pode obter 100% das respostas’. Então queremos que [a Starliner] esteja lá para que possamos obter essas informações.”

Enquanto isso, Williams e Wilmore se integraram ao restante da tripulação atualmente a bordo da Estação Espacial Internacional e realizam tarefas de rotina.

O veículo espacial Starliner levou dois astronautas da Nasa para a Estação Espacial Internacional; na foto, Butch Wilmore (esq.) e Suni Williams (dir.) / Nasa/Joel Kowsky

O início de um voo histórico

Os problemas da Starliner da Boeing começaram com o seu lançamento no topo de um foguete Atlas V em 5 de junho. A equipe da missão detectou um vazamento de hélio antes do lançamento, mas não o considerou ameaçador o suficiente para abandonar a decolagem.

Quando questionado sobre essa decisão, Nappi disse que não se arrependia da decisão de lançar e entrar no voo de teste.

Ele acrescentou que a Nasa e a Boeing sempre enfatizaram que esta missão era um voo de teste, com o objetivo de coletar dados para melhorar o desempenho da Starliner em missões futuras.

Retrocessos em órbita

Vários outros vazamentos de hélio foram identificados enquanto a nave estava a caminho da Estação Espacial Internacional, juntamente com problemas com os propulsores. As falhas ocorreram no módulo de serviço do Starliner, um acessório cilíndrico na parte inferior da espaçonave que fornece grande parte da potência do veículo durante o vôo.

Por definição, o módulo de serviço não sobreviverá à viagem de volta à Terra. O módulo é destruído quando a espaçonave Starliner reentra na atmosfera.

É por isso que as equipes da Boeing e da Nasa optaram por deixar a Starliner acoplada com segurança à estação espacial enquanto trabalhavam para aprender o máximo possível sobre essas questões.

Ainda não está claro se a Nasa estenderá a duração máxima da missão para 90 dias. Stich disse que as autoridades devem liberar a vida útil da bateria do Starliner para esse propósito, embora tenha observado que as baterias estão sendo recarregadas na estação espacial e devem funcionar da mesma forma após 90 dias, como funcionariam nos primeiros 45.

Atrasos, custos excessivos e prazos não cumpridos são características frequentes da indústria dos voos espaciais. Mas a Boeing enfrentou desafios que se destacaram, especialmente quando o programa Starliner é diretamente comparado com seu concorrente – o Crew Dragon da SpaceX.

Essa espaçonave, que se enquadra no mesmo Programa de Tripulação Comercial da Nasa para transporte de astronautas, completou seu primeiro vôo de teste em 2020 e tem voado em missões de rotina desde então.

A SpaceX teve o benefício de projetar a espaçonave Crew Dragon a partir da traseira de seu veículo Cargo Dragon, que durante anos foi usado para entregar suprimentos à Estação Espacial Internacional antes que seu sucessor decolasse. A Boeing, por outro lado, projetou a Starliner do zero.

A espaçonave Starliner, da Boeing, durante lançamento para voo tripulado no dia 5 de junho de 2024 / Joe Raedle/Getty Images

Superar a percepção de que a Boeing teve um desempenho inferior neste programa, no entanto, tem sido um desafio para a gigante aeroespacial que já sofre grandes reveses de reputação na sua divisão aérea. “Temos um voo de teste muito bem realizado até agora e que está sendo visto de forma bastante negativa”, disse Nappi na sexta-feira.

A história da Boeing

A jornada da Starliner para esta histórica missão de teste tripulada começou em 2014, quando a Nasa contratou a Boeing e a SpaceX para desenvolver uma espaçonave capaz de transportar astronautas para a Estação Espacial Internacional sob o que a agência federal apelidou de Programa de Tripulação Comercial.

O veículo enfrentou anos de atrasos, bloqueios e despesas adicionais que custaram à empresa bilhões de dólares, de acordo com registos financeiros públicos.

A primeira missão de teste da Starliner ocorreu sem tripulação em dezembro de 2019. Cheio de tropeços, o voo de teste terminou abruptamente quando o veículo falhou em órbita. O resultado foi um sintoma de problemas de software, incluindo um erro de codificação que adiantou um relógio interno em 11 horas.

Um segundo teste de voo em maio de 2022 revelou problemas adicionais de software e problemas com alguns dos propulsores do veículo.

Stich indicou, durante uma conversa com a imprensa, em 6 de junho, que é possível que os engenheiros não tenham resolvido completamente esses problemas. “Nós pensamos que tínhamos consertado esse problema”, ele disse.

“Acho que não estamos entendendo algo fundamental que está acontecendo dentro do propulsor”, acrescentou. Esse é o cerne dos mistérios que a Boeing e a NASA estão tentando desvendar durante a missão estendida da espaçonave Starliner.

Estadias prolongadas no espaço

Não é incomum que os astronautas prolonguem inesperadamente a sua estadia a bordo da estação espacial – por dias, semanas ou até meses.

O astronauta da Nasa Frank Rubio, por exemplo, deveria passar cerca de seis meses a bordo da Estação Espacial Internacional para sua primeira viagem à órbita baixa da Terra, que começou em setembro de 2022.

Em vez disso, ele ficou um total de 371 dias no espaço após a descoberta de um vazamento de líquido resfriador vindo de seu veículo original — uma cápsula russa Soyuz — enquanto estava ancorado no posto avançado em órbita.

Os astronautas também prolongam rotineiramente a sua estadia na estação por vários dias devido a uma variedade de fatores, incluindo mau tempo na Terra ou outros ajustes de horário.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page