top of page

Remédio para diabetes e obesidade pode elevar risco de cegueira rara, diz estudo

Pesquisa mostrou uma relação entre o uso de semaglutida, molécula presente no Ozempic e no Wegovy, e condição que causa perda súbita da visão

Pessoas que tomam Ozempic ou Wegovy podem ter um risco maior de desenvolver uma forma rara de cegueira, sugere um novo estudo. Ainda assim, os médicos dizem que isso não deve impedir os pacientes de usar esses medicamentos para tratar diabetes ou obesidade.


No verão passado, médicos do Mass Eye and Ear notaram um número incomumente alto de pacientes com neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica, ou NOIA-NA, um tipo de AVC ocular que causa perda súbita e indolor da visão em um olho.

 

A condição é relativamente rara — até 10 em 100.000 pessoas na população geral podem experimentá-la —, mas os médicos observaram três casos em uma semana, e cada um desses pacientes estava tomando medicamentos à base de semaglutida.

Uma análise de seis anos de registros médicos mostrou que pessoas com diabetes tinham mais de quatro vezes mais probabilidade de serem diagnosticadas com NOIA-NA se estivessem tomando uma prescrição de semaglutida, e aquelas com sobrepeso ou obesidade tinham mais de sete vezes mais probabilidade de experimentar a condição se estivessem tomando o medicamento. O risco foi considerado maior dentro do primeiro ano de recebimento de uma prescrição de semaglutida.


O estudo, publicado na quarta-feira na revista médica JAMA Ophthalmology, não pode provar que os medicamentos à base de semaglutida causam NOIA-NA. E o pequeno número de pacientes — uma média de cerca de 100 casos foram identificados a cada ano — de um centro médico especializado pode não se aplicar a uma população mais ampla.

A Novo Nordisk, fabricante dos únicos medicamentos à base de semaglutida nos EUA, enfatizou que os dados do novo estudo não são suficientes para estabelecer uma associação causal entre o uso de medicamentos à base de semaglutida e NOIA-NA.


“A segurança do paciente é uma prioridade para a Novo Nordisk, e levamos todos os relatos sobre eventos adversos decorrentes do uso de nossos medicamentos muito a sério”, escreveu um porta-voz da empresa em um e-mail para a CNN.

As prescrições de semaglutida aumentaram nos EUA, o que poderia elevar o número de pessoas em risco de um possível efeito colateral. E a NOIA-NA é a segunda principal causa de cegueira do nervo óptico, depois do glaucoma.


Mas mesmo com um risco aumentado, a condição permanece relativamente incomum.

“O uso desses medicamentos explodiu em países industrializados e eles têm proporcionado benefícios muito significativos de várias maneiras, mas futuras discussões entre um paciente e seu médico devem incluir a NOIA-NA como um risco potencial”, afirma pesquisador principal Joseph Rizzo, diretor de neuro-oftalmologia no Mass Eye and Ear e professor na Harvard Medical School, em um comunicado à imprensa. “Nossos achados devem ser vistos como significativos, mas provisórios, pois estudos futuros são necessários para examinar essas questões em uma população muito maior e mais diversa.”

Especialistas concordam que o risco potencial de NOIA-NA não deve impedir o uso de medicamentos à base de semaglutida para tratar diabetes ou obesidade.


“No cenário em constante mudança das terapias sistêmicas, ser vigilante para potenciais novas associações de doenças é um dever que todos compartilhamos em nome dos pacientes”, escreveu Susan Mollan, uma oftalmologista dos University Hospitals Birmingham, no Reino Unido, em um comentário relacionado. Mas o grande número de pessoas que estão tomando semaglutida deve aumentar a confiança de que o risco absoluto de desenvolver NOIA-NA como resultado é raro.

As formas como as semaglutidas interagem com os olhos não são totalmente compreendidas. E a causa exata da NOIA-NA também não é conhecida. A condição causa danos ao nervo óptico, mas geralmente não há aviso antes da perda de visão.

Alterações nos níveis de açúcar no sangue podem afetar a forma da lente do olho e podem afetar a visão, afirma Disha Narang, endocrinologista e diretora de medicina da obesidade na Endeavor Health em Chicago. Ela não esteve envolvida no novo estudo.


O uso de semaglutidas, que estimulam o corpo a criar mais insulina para reduzir o açúcar no sangue, já foi anteriormente associado a mudanças temporárias na visão — novos casos ou piora de retinopatia diabética, ou danos aos vasos sanguíneos na parte de trás do olho — provavelmente relacionados à rápida melhoria dos níveis de açúcar no sangue.

Os rótulos aprovados pela Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, para Ozempic e Wegovy incluem alterações na visão entre os possíveis efeitos colaterais, e a Novo Nordisk está explorando a ligação entre o uso de semaglutida e a retinopatia diabética em um ensaio que esperam concluir em 2027.


“A segurança do paciente é fundamental para a FDA e revisamos continuamente as fontes de dados disponíveis e novas informações sobre os riscos potenciais dos medicamentos, incluindo agonistas do receptor GLP-1, e atualizamos os rótulos conforme necessário para comunicar novas informações sobre riscos potenciais aos profissionais de saúde e aos pacientes o mais rápido possível”, afirma Chanapa Tantibanchachai, oficial de imprensa da FDA, à CNN por e-mail.

Embora haja um “mecanismo biologicamente plausível” para uma interação potencial, “‘associação não é causação’ e diabetes mellitus é um fator de risco conhecido para NOIA-NA”, diz Andrew Lee, porta-voz clínico da Academia Americana de Oftalmologia e neuro-oftalmologista do Houston Methodist Hospital, à CNN por e-mail. Ele não esteve envolvido no novo estudo.


Por enquanto, os pacientes que estão tomando semaglutida ou considerando o tratamento devem discutir os riscos e benefícios com seus médicos, especialmente aqueles que têm outros problemas conhecidos no nervo óptico, como glaucoma ou perda visual preexistente, dizem os especialistas.

“É importante consultar a oftalmologia se os pacientes experimentarem mudanças na visão”, diz Narang. “É importante garantir que os pacientes estejam consultando médicos que também estejam confortáveis em prescrever semaglutida e discutir o que pode ser clinicamente relevante versus irrelevante, e discutir os benefícios versus riscos da terapia a longo prazo.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


2 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page