top of page

Rastro de avião é tóxico? Entenda a teoria da conspiração dos chemtrails

Adeptos da teoria afirmam que esses rastros são produtos químicos pulverizados pelo governo

Todos nós já vimos aquelas listras brancas que ficam atrás dos aviões, criando listras no céu azul.


Essas linhas são chamadas de rastros e aparecem quando o vapor de água se condensa e congela em torno do tubo de escape de um avião, de acordo com a Corporação Universitária para Pesquisa Atmosférica.

Pelo menos é o que diz a ciência.

Nos últimos anos, um número crescente de pessoas acredita que estes rastros são, na verdade, rastros químicos, uma teoria da conspiração bem estabelecida que afirma que esses rastros não são feitos de condensação, mas são produtos químicos pulverizados pelo governo.

Embora a teoria possa parecer absurda para alguns, os chemtrails se tornaram uma conspiração comum tanto nos EUA como em todo o mundo, apesar das evidências em contrário.


Qual é a teoria dos chemtrails?

A ideia dos chemtrails existe desde 1996 e tem suas raízes em um artigo de pesquisa da Força Aérea do mesmo ano, “Weather as a Force Multiplier: Owning the weather in 2025”.

Ele descreve um “futuro sistema de modificação climática para atingir objetivos militares” usando “forças aeroespaciais” e “não reflete a política, prática ou capacidade militar atual”, afirmou a Agência de Proteção Ambiental.

Na sua versão mais básica, a teoria da conspiração do chemtrail afirma que os rastros não são criados pelo vapor de água, mas sim um sinal de que o governo, os ricos, ou alguma mistura dos dois, está pulverizando produtos químicos tóxicos no ar, que criam essas linhas brancas.


As ideias sobre a finalidade destes produtos químicos supostamente tóxicos variam.

Alguns acreditam que os produtos químicos são usados ​​para envenenar a humanidade, outros dizem que é para controlar a mente e alguns pensam que é uma forma de o governo controlar o clima.

Não existe uma versão oficial única da teoria, diz Sijia Xiao, estudante de doutorado na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que conduziu um estudo de 2021 sobre a teoria da conspiração do chemtrail e entrevistou 20 crentes e ex-crentes. Em vez disso, os indivíduos “escolhem aspectos que ressoam com eles, misturando interpretações pessoais ou adotando seletivamente partes da teoria”.


Como surgiu a teoria dos chemtrails?

A ideia de que o governo está pulverizando a humanidade com produtos químicos não é infundada.

Durante a Guerra Fria, o governo britânico realizou mais de 750 ataques químicos simulados contra a população, segundo pesquisadores. Centenas de milhares de pessoas foram expostas ao sulfeto de zinco e cádmio, um produto químico escolhido por seu pequeno tamanho – semelhante ao dos germes – e porque brilha sob luz ultravioleta, o que o torna mais fácil de rastrear. Na época, pensava-se que o produto químico não era tóxico, embora a exposição repetida pudesse ser cancerígena. Os Estados Unidos fizeram o mesmo nas décadas de 1950 e 1960, utilizando o produto químico como marcador para testar a dispersão de armas biológicas.


Embora estes testes tenham sido realizados há décadas, a teoria floresceu – tanto que, em 2016, a EPA publicou um documento de 14 páginas explicando os rastros, descrevendo os produtos químicos utilizados pela Força Aérea e tentando refutar a conspiração.

Em 2021, uma postagem no Facebook se tornou viral alegando que o presidente Joe Biden “manipulou” o clima por meio de rastros químicos e causou o congelamento do Texas por uma semana em fevereiro – com centenas de pessoas concordando com a mensagem.

No X (antigo Twitter), milhares de pessoas seguem contas dedicadas a rastrear e publicar evidências desses chemtrails.

Um estudo de 2017, que incluiu uma amostra representativa nacionalmente de 1.000 pessoas, descobriu que cerca de 10% dos estadunidenses acreditavam “completamente” na conspiração, enquanto mais de 30% pelo menos a consideravam “um pouco” verdadeira.

De acordo com Xiao, a crença em conspirações se deve muitas vezes ao ceticismo em relação a figuras de autoridade, e as redes sociais também contribuíram para o problema.


A estrutura algorítmica das mídias sociais faz com que as pessoas vejam informações que reforçam suas crenças. Os ex-crentes entrevistados atribuíram parcialmente a sua crença à “enorme quantidade de informação pró-conspiração” nas suas redes sociais, disse Coye Cheshire, professor de psicologia social na UC Berkeley, que também participou no estudo com Xiao. As evidências científicas que desmentem estas teorias não chegam às suas redes sociais. Mesmo que o fizessem, outros crentes apenas reforçariam a teoria.

A natureza maleável da teoria da conspiração ajuda a lhe dar força, diz Cheshire.

“Como alguns adeptos nos disseram, o poder da conspiração é que ela pode se ajustar a qualquer nova informação, já que evidências irrefutáveis ​​parecem nunca surgir”, disse Cheshire. “Por exemplo, mesmo que os crentes não tenham a certeza de que os chamados chemtrails estão realmente sendo usados ​​para o controle populacional, a narrativa pode facilmente mudar para a manipulação meteorológica e as alterações climáticas sem a necessidade de qualquer nova informação ou evidência”.

Há também o simples fato de que podemos ver rastros com nossos próprios olhos. Sua visibilidade e presença no cotidiano contribuem para despertar ainda mais interesse pela teoria, acrescenta Xiao.

“Os Chemtrails têm sido a conspiração mais interessante, porque os temos bem debaixo dos nossos narizes e ainda preferimos ignorá-los”, disse um crente a Xiao e Cheshire.


Embora a teoria possa parecer tola para alguns, as preocupações subjacentes dos crentes derivam de “questões sociais e ambientais legítimas que merecem atenção”, disse Xiao. A desconfiança no governo, a preocupação com os problemas ambientais ou mesmo a luta contra as doenças crónicas podem dar credibilidade à teoria dos chemtrails, sugerindo que algo mais está a causar estes problemas sociais.


Os chemtrails são reais?

Os cientistas dizem que não há evidências da existência de rastros químicos. Mesmo que houvesse uma conspiração governamental em torno dos rastros, seria difícil encobrir um programa de tão grande escala, dado o número de pessoas necessárias para operá-lo, disseram os investigadores de Harvard.

Cientistas de todo o mundo realizaram pesquisas que refutam a teoria da conspiração dos rastros químicos, descrevendo amplamente a existência de rastos e as suas variações. Até Edward Snowden, o denunciante que vazou informações confidenciais da Agência de Segurança Nacional, declarou que os rastros químicos “não existem”.


Ainda assim, os crentes não estão convencidos. A crença na teoria se tornou tão forte que meteorologistas de todo o mundo relataram um aumento no assédio e nas ameaças, geralmente após condições meteorológicas extremas, especialmente por parte de teóricos da conspiração que os acusam de ocultar informações.

“O acordo coletivo dentro destas comunidades muitas vezes supera a dissidência racional dos cientistas”, diz Xiao. Isto torna “extremamente difícil que correções factuais alterem essas crenças profundamente arraigadas”.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page