top of page

Rússia e Coreia do Norte avançam em negociação por armas, aponta inteligência dos EUA

Ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, visitou o país asiático no mês passado e se encontrou com o líder Kim Jong Un


A Rússia e a Coreia do Norte estão “avançando ativamente” nas suas negociações sobre um potencial acordo de armas que forneceria munição significativa para diferentes tipos de sistemas de armas, incluindo artilharia, na mais recente indicação de que o Kremlin está desesperado para obter mais material para a sua fracassada invasão da Ucrânia, de acordo com a inteligência dos EUA.

A notícia do potencial acordo surge apesar das afirmações públicas da Coreia do Norte em contrário.

A administração do presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou nesta quarta-feira (30) que continua preocupada com o fato de os dois estados párias estarem no meio de negociações sobre armas e que, após a viagem do ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, à Coreia do Norte no mês passado, uma segunda delegação de autoridades russas visitou Pyongyang para discussões de acompanhamento sobre um acordo potencial.

Além da segunda delegação, o presidente russo, Vladimir Putin, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, trocaram cartas “comprometendo-se a aumentar a sua cooperação bilateral”, segundo John Kirby, coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional norte-americano.

“Continuamos preocupados com o facto de a Coreia do Norte continuar a considerar fornecer apoio às forças militares da Rússia na Ucrânia e temos novas informações que podemos partilhar hoje de que as negociações sobre armas entre a Rússia e a Coreia do Norte estão avançando ativamente”, disse Kirby.

“Após estas negociações, a discussão de alto nível poderá continuar nos próximos meses.”

Enquanto isso, Linda Thomas-Greenfield, representante dos EUA nas Nações Unidas, acusou a Rússia e a Coreia do Norte de negociarem acordos de armas. Greenfield chamou isso de “vergonhoso” e uma violação das resoluções do Conselho de Segurança aprovadas pela Rússia.

A divulgação pública da nova informação é o exemplo mais recente de como a administração Biden planeja continuar a divulgar os esforços da Rússia para evitar sanções ocidentais e obter armas para a sua guerra, bem como alertar a Coreia do Norte de que os EUA estão a monitorizar de perto estes esforços.

É também a prova mais detalhada fornecida nos últimos meses da aproximação da Rússia à Coreia do Norte para ajudar a alimentar a invasão da Ucrânia.

“No âmbito destes acordos potenciais, a Rússia receberia quantidades significativas e vários tipos de munições da Coreia do Norte, que os militares russos planejam usar na Ucrânia. Estes potenciais acordos também poderiam incluir o fornecimento de matérias-primas que ajudariam a base industrial de defesa da Rússia”, disse Kirby, prometendo que os EUA tomariam medidas diretas para sancionar quaisquer entidades envolvidas num potencial acordo e instou Pyongyang a cessar as negociações.

No início deste mês, o Tesouro dos EUA sancionou uma rede de evasão de sanções destinada a apoiar acordos de armas entre a Rússia e a Coreia do Norte.

Kirby também disse que as tentativas da Rússia de adquirir armas em lugares como o Irã e a Coreia do Norte eram um sinal claro da angústia de Moscou.

“Não há outra maneira de encarar isso senão através do desespero e da fraqueza, francamente”, afirmou.

No final do ano passado, Pyongyang entregou foguetes de infantaria e mísseis à empresa militar privada Wagner para as suas tropas na Ucrânia e autoridades ocidentais disseram que o Irã forneceu à Rússia armas para uso na Ucrânia.

Irã e Coreia do Norte negaram estas alegações.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização

Comentários


bottom of page