top of page

Quem cuidará dos idosos? Temos muito know-how, mas poucos especialistas

Cada geriatra deveria tratar até 700 pacientes, mas proporção atual de prestadores de serviços para pacientes idosos é de 1 para 10 mil; população com 65 anos ou mais aumentou mais de 60% em duas décadas

Há 35 anos, Jerry Gurwitz foi um dos primeiros médicos nos Estados Unidos a ser credenciado como geriatra – um médico especializado no tratamento de idosos.



“Eu entendi o imperativo demográfico e os problemas enfrentados pelos pacientes mais velhos”, disse Gurwitz, 67 anos e chefe de medicina geriátrica da Chan Medical School da Universidade de Massachusetts. “Senti que este campo apresentava oportunidades tremendas”.


Mas hoje, Gurwitz teme que a medicina geriátrica esteja em declínio. Apesar do aumento da população idosa, há menos geriatras agora (pouco mais de 7.400) do que em 2000 (10.270), observou ele em um artigo recente no JAMA.


Nessas duas décadas, a população com 65 anos ou mais aumentou em mais de 60%. A pesquisa sugere que cada geriatra não deve cuidar de mais do que 700 pacientes; a proporção atual de prestadores de serviços para pacientes idosos é de 1 para 10 mil.


Além do mais, as escolas de medicina não são obrigadas a ensinar geriatria aos alunos e menos da metade exige qualquer formação em competências específicas de geriatria ou experiência clínica. E o número de médicos que completam a bolsa de um ano necessária para a especialização em geriatria é estreito. Das 411 vagas de bolsas geriátricas disponíveis em 2022-23, 30% não foram preenchidas.


As implicações são gritantes: os geriatras não conseguirão satisfazer a crescente procura dos seus serviços à medida que a população idosa dos EUA aumentar nas próximas décadas. Existem muito poucos deles. “Infelizmente, o nosso sistema de saúde e a sua força de trabalho estão totalmente despreparados para lidar com um aumento iminente de multimorbilidade, incapacidade funcional, demência e fragilidade”, alertou Gurwitz no seu artigo no JAMA.


Isto está longe de ser uma preocupação nova. Há 15 anos, um relatório das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina concluiu: “A menos que sejam tomadas medidas imediatas, a força de trabalho dos cuidados de saúde não terá capacidade (tanto em tamanho como em habilidade) para atender às necessidades dos pacientes idosos no futuro”.


De acordo com a Sociedade Americana de Geriatria, serão necessários 30 mil geriatras até 2030 para cuidar de idosos frágeis e clinicamente complexos. E não há possibilidade de que esse objetivo seja alcançado.


O que é o progresso prejudicado? Gurwitz e outros médicos citam uma série de fatores: baixo reembolso de serviços do Medicare, baixos rendimentos em comparação com outras especialidades médicas, falta de prestígio e a crença de que os pacientes mais velhos não são atraentes, são muito difíceis ou não valem o esforço.

“Ainda existe um tremendo preconceito de idade no sistema de saúde e na sociedade”, disse o geriatra Gregg Warshaw, professor da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte.


Mas esta perspectiva negativa não é a história completa. Em alguns aspectos, a geriatria tem sido notavelmente bem sucedida na disseminação de princípios e práticas destinadas a melhorar o cuidado dos idosos.


“O que estamos realmente tentando fazer é ampliar a tenda e treinar uma força de trabalho de saúde onde todos tenham algum grau de experiência em geriatria”, disse Michael Harper, presidente do conselho da Sociedade Americana de Geriatria e professor de medicina na Universidade da Califórnia – São Francisco.


Entre os princípios que os geriatras têm defendido: As prioridades dos idosos devem orientar os planos para os seus cuidados. Os médicos devem considerar como os tratamentos afetarão o funcionamento e a independência dos idosos.


Independentemente da idade, a fragilidade afeta a forma como os pacientes mais velhos respondem às doenças e às terapias. As equipes interdisciplinares são melhores para atender às necessidades médicas, sociais e emocionais, muitas vezes complexas, dos idosos.


Os medicamentos precisam ser reavaliados regularmente e muitas vezes é necessária a suspensão da prescrição. Levantar-se e movimentar-se após uma doença é importante para preservar a mobilidade. As intervenções não médicas, como a ajuda remunerada em casa ou a formação de cuidadores familiares, são frequentemente tão ou mais importantes que as intervenções médicas. É essencial uma compreensão holística das circunstâncias físicas e sociais dos idosos.

A lista de inovações lideradas pelos geriatras é longa. Alguns exemplos notáveis:


Hospital em casa. Os idosos muitas vezes sofrem contratempos durante a internação hospitalar, pois permanecem na cama, perdem o sono e comem mal. Neste modelo, os idosos com doenças agudas, mas sem risco de vida, recebem cuidados em casa, geridos de perto por enfermeiros e médicos. No final de agosto, 296 hospitais e 125 sistemas de saúde – uma fração do total – em 37 estados foram autorizados a oferecer programas de hospitalização ao domicílio.

Sistemas de saúde amigos dos idosos. O foco em quatro prioridades principais (conhecidas como os “4Ms”) é fundamental para este amplo esforço: salvaguardar a saúde do cérebro (mentalidade), gerir cuidadosamente os medicamentos, preservar ou promover a mobilidade e atender ao que é mais importante para os idosos. Mais de 3.400 hospitais, lares de idosos e clínicas de cuidados urgentes fazem parte do movimento de sistemas de saúde amigos dos idosos.

Padrões de cirurgia com foco em geriatria. Em julho de 2019, o Colégio Americano de Cirurgiões criou um programa com 32 padrões destinados a melhorar o atendimento aos idosos. Prejudicado pela pandemia de Covid-19, teve um início lento e apenas cinco hospitais receberam acreditação. Mas espera-se que até 20 se inscrevam no próximo ano, disse Thomas Robinson, copresidente da Iniciativa de Geriatria para Especialistas da Sociedade Americana de Geriatria.

Pronto-socorros geriátricos. As luzes fortes, o barulho e a atmosfera agitada nas salas de emergência dos hospitais podem desorientar os idosos. Os departamentos de emergência geriátrica tratam disso com funcionários treinados no cuidado de idosos e um ambiente mais calmo. Mais de 400 departamentos de emergência geriátrica receberam credenciamento do American College of Emergency Physicians.

Novos modelos de tratamento da demência. Neste verão, os Centros de Serviços Medicare e Medicaid anunciaram planos para testar um novo modelo de atendimento para pessoas com demência. Baseia-se em programas desenvolvidos nas últimas décadas por geriatras da UCLA, da Universidade de Indiana, da Universidade Johns Hopkins e da UCSF.


Uma nova fronteira é a inteligência artificial, com geriatras sendo consultados por empresários e engenheiros que desenvolvem uma gama de produtos para ajudar os idosos a viver de forma independente em casa. “Para mim, esta é uma grande oportunidade”, disse Lisa Walke, chefe de medicina geriátrica da Penn Medicine, afiliada à Universidade da Pensilvânia.


Conclusão: depois de décadas de pesquisa e inovação centradas na geriatria, “agora temos uma ideia muito boa do que funciona para melhorar os cuidados com os idosos”, disse Harper, da Sociedade Americana de Geriatria.


O desafio é aproveitar isso e investir recursos significativos na expansão do alcance dos programas. Dadas as prioridades concorrentes na educação e prática médica, não há garantia de que isso acontecerá. Mas é para onde a geriatria e o resto do sistema de saúde precisam de ir.


*KFF Health News, anteriormente conhecida como Kaiser Health News (KHN), é uma redação nacional que produz jornalismo aprofundado sobre questões de saúde e é um dos principais programas operacionais da KFF – a fonte independente para pesquisas e jornalismo sobre políticas de saúde.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br







1 visualização

Comentarios


bottom of page