top of page

Por que tirar férias é bom para você – mesmo antes de elas começarem

Maioria dos estudos concorda que, do ponto de vista biológico, o tempo fora do trabalho faz aumentar a flexibilidade cognitiva, reduzindo assim o estresse


Talvez você tenha passado os últimos dias nas nuvens por causa de suas merecidas férias e volte a sonhar acordado com elas assim que terminar este artigo. E a verdade é que os benefícios de umas boas férias podem ser sentidos antes mesmo da viagem começar.

Estudos científicos mostram que apenas esperar uma recompensa futura pode ser ainda mais gratificante do que a recompensa em si. Isso acontece graças a uma pequena molécula chamada dopamina, da qual falaremos mais adiante.

Mas, antes de continuarmos, vamos pensar em algumas questões. As férias são realmente necessárias? Por que nós precisamos delas? E, acima de tudo, quais são os benefícios de alguns dias de inatividade?


Descanso aumenta a flexibilidade cognitiva

Embora isto possa parecer inacreditável, há muito pouca literatura científica que explore os benefícios diretos das férias para o nosso cérebro. O que parece indiscutível é que elas são essenciais. Isto foi concluído por um estudo de 2016 no qual participaram 46 trabalhadores de uma empresa holandesa.

Os trabalhadores foram submetidos a um teste em que receberam objetos (por exemplo, um martelo) e foram solicitados o maior número de utilizações para seus objetos no menor tempo possível (ferramenta de construção, arma, peso de papel, etc.).

O que os pesquisadores observaram é que, após duas ou três semanas de férias, os trabalhadores apresentavam maior flexibilidade cognitiva. Ou, dito de outra forma, conseguiram pensar em um maior número de utilizações para os objetos em comparação com os resultados obtidos algumas semanas antes das férias.

A maioria dos estudos concorda que, do ponto de vista biológico, uma das principais razões para este aumento da flexibilidade cognitiva – e para os benefícios das férias em geral – é a redução do estresse.

Todos concordaremos que o trabalho gera estresse. Mas temos de fazer uma pequena distinção aqui: o estresse em si não tem de ser mau. Quando é esporádico, costuma ser até benéfico porque ativa mecanismos que nos ajudam a realizar as ações diárias do nosso trabalho, como o cumprimento de um prazo.

O “outro estresse” – aquele que tem conotações negativas para todos – é o estresse crônico. Ocorre quando se prolonga no tempo, seja porque estamos sob pressão constante ou por situações com as quais não conseguimos lidar. Gera fadiga, maiores níveis de ansiedade, irritabilidade e raiva. E, sim, é definitivamente ruim.


Receita para férias que recarregam as baterias

A principal coisa que boas férias podem fazer pela nossa saúde mental é justamente reduzir os níveis de estresse crônico. Quando estamos ociosos, nosso cérebro é capaz de reverter – pelo menos temporariamente – os efeitos negativos do estresse.

E aí vem a chave: para que as férias sejam verdadeiramente eficazes, temos de garantir que elas realmente nos libertem do estresse do nosso trabalho. Ou seja, devemos evitar continuar com tarefas pendentes, responder e-mails e assim por diante.

Por outro lado, é fundamental evitar que as nossas férias nos criem novas situações estressantes.

Outra chave é aproveitar a espera.

Por que é que o simples ato de esperar pelas férias nos deixa felizes? Mencionamos a dopamina há alguns parágrafos, produzida nos neurônios de duas regiões cerebrais conhecidas como substância negra (devido à sua cor escura ao microscópio) e a área tegmental ventral (localizada no centro do nosso cérebro, mais ou menos atrás das orelhas).

Ambas as regiões, que abrigam entre 400 e 600 mil neurônios em humanos, enviam axônios para inúmeras áreas do cérebro.

Através da libertação de dopamina, desempenham um papel fundamental nas sensações agradáveis provocadas por novas experiências e recompensas. Portanto, saber que nossas férias estão chegando aumenta os níveis de dopamina em nosso cérebro e nos dá aquela sensação de prazer.

Da mesma forma, as melhores férias são aquelas em que desfrutamos de novas experiências (como explorar lugares diferentes) e recompensas (como aquele prato de frutos-do-mar que esperamos o ano todo). É claro que o que consideramos gratificante é inteiramente subjetivo, e o que é agradável para uma pessoa pode causar estresse para outras.


Curtir ou não curtir

Esse sistema gerador de prazer também é afetado durante o estresse crônico. A ciência mostra que níveis elevados ou crônicos de estresse, como aqueles a que estamos submetidos ao longo do ano durante a jornada de trabalho, são capazes de causar redução na quantidade de dopamina liberada e/ou alterações na forma como ela é metabolizada.

O pior é que as alterações não ocorrem apenas na substância negra ou na área tegmental ventral. Verificou-se que o estresse crônico é capaz até de alterar o número de receptores de dopamina nas áreas que recebem essas projeções.

Quando isso ocorre, muitas vezes se desenvolvem comportamentos depressivos. Portanto, férias que nos libertem do estresse ajudarão a reequilibrar o sistema dopaminérgico.

O que ainda não está totalmente claro é se tirar férias por longos períodos proporciona melhores efeitos do que tirá-las de forma escalonada e em períodos mais curtos.

Seja como for, boas férias nos fazem bem. Por isso, incentivamos nossos leitores a encontrar atividades que os façam sentir-se bem, recarreguem suas energias e reduzam o estresse para reiniciar seu sistema dopaminérgico. Boas férias!

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização

Comments


bottom of page