top of page

Por que nossos ancestrais não tinham cáries? Novo estudo ajuda a explicar

Análise das bactérias encontradas em dois dentes de um homem que viveu na Idade do Bronze ampliou conhecimento sobre cáries e outras doenças dentárias

Dois dentes de um homem que viveu há aproximadamente 4 mil anos foram descobertos com uma abundância de bactérias que causam principalmente cáries e doenças gengivais. A descoberta rara poderia ajudar os cientistas a entender melhor como as mudanças na dieta humana levaram à prevalência de cáries hoje.

Descobertos durante duas escavações de 1993 e 1996, os dentes estavam entre vários outros dentes humanos e outros restos encontrados dentro de uma caverna de calcário no Condado de Limerick, na Irlanda. Os dois molares, datados entre 2.280 e 2.140 a.C., eram de uma única pessoa que viveu durante a Idade do Bronze, de acordo com o artigo publicado em 27 de março no periódico Molecular Biology and Evolution.

Um dos dentes tinha uma surpreendente abundância de Streptococcus mutans (S. mutans), uma bactéria oral que causa cáries. A bactéria é rara no registro genômico antigo, provavelmente porque não se preserva bem devido à sua natureza produtora de ácido que causa degradação e degradação do DNA nos dentes, disse Lara Cassidy, autora sênior do artigo e professora assistente no departamento de genética do Trinity College Dublin.

Os pesquisadores também acreditam que a bactéria não é encontrada comumente nos dentes antigos porque a dieta humana incluía menos açúcar refinado e menos alimentos processados do que os consumidos hoje, disse Cassidy. Uma mudança dietética significativa foi observada com o início da agricultura cerca de 10 mil anos atrás, mas os últimos poucos séculos viram mudanças significativas com a popularização do açúcar, acrescentou.


Conexão entre mudanças na dieta e cáries

Não está claro por que as bactérias no dente recém-descoberto estavam extremamente bem preservadas, mas Cassidy disse que as condições frescas e secas da caverna são fatores prováveis.

Embora cáries tenham sido observadas em outros achados de dentes antigos, S. mutans só foi descoberto em quantidades muito baixas em alguns restos, como um dente mais antigo, do Neolítico, do sudoeste da França (datado entre 3.400 e 2.900 a.C.) ou uma resina mastigada do Mesolítico escandinavo (datado entre 9.890 e 9.540 a.C.). Observações de cáries em outros dentes antigos se tornam mais frequentes após a adoção da agricultura cerealífera, o cultivo de grãos como trigo e cevada, de acordo com o artigo.


Ao analisar as bactérias encontradas nos dentes da Idade do Bronze e compará-las com amostras modernas, os pesquisadores descobriram que a árvore evolutiva antiga de S. mutans era mais complexa do que se pensava originalmente — e tinham encontrado os traços das bactérias antigas, como a virulência (capacidade de causar danos), evoluindo junto com as mudanças na dieta humana, incluindo a popularização do açúcar e dos grãos, disse Cassidy.

“Os últimos poucos séculos viram uma quantidade grande de mudanças (na dieta humana), então entender particularmente como isso impactou o microbioma (os microorganismos, como bactérias, que vivem naturalmente dentro e fora do corpo humano), não apenas o microbioma oral, mas também o microbioma intestinal, pode nos ajudar a entender um pouco por que certas doenças se tornaram tão prevalentes nas populações ocidentais ou ocidentalizadas nos últimos séculos”, acrescentou.


Saúde bucal da Idade do Bronze

Não foram encontrados sinais de cáries nos dentes da Idade do Bronze, mas se o homem adulto a quem pertenciam tivesse vivido um pouco mais, a abundância de bactérias presentes sugere que ele logo teria desenvolvido cáries, disse Cassidy.


Os dois dentes também continham evidências de DNA de Tannerella forsythia (T. forsythia), uma bactéria envolvida em doenças gengivais que é mais comumente encontrada no registro genômico antigo. Mas os pesquisadores encontraram duas cepas distintas da bactéria nos dentes — hoje, apenas uma cepa da bactéria é comumente vista, o que implica que os microbiomas antigos eram muito ais diversos do que os microbiomas modernos. A perda de biodiversidade é preocupante, pois pode ter impactos negativos na saúde humana, de acordo com um comunicado à imprensa do Trinity College Dublin.

Vários outros dentes encontrados dentro da caverna mostraram sinais de cárie dentária, mas não se sabe se esses restos são da mesma pessoa ou de outros membros da comunidade, pois foram encontrados desarticulados, separados de outros restos esqueléticos, disse Cassidy. “É possível que outros dentes de sua boca tivessem cáries, ou outros membros de sua comunidade estivessem sofrendo de doenças dentárias.”


A análise do antigo S. mutans sugere que a bactéria se tornou mais prevalente nos últimos séculos devido ao consumo de açúcar, o que criou um habitat favorável para a espécie dentro das bocas humanas, acrescentou Cassidy. Ao entender as linhagens das bactérias modernas que causam cáries, isso ajuda ainda mais os cientistas a entender como a mudança na dieta pode impactar a saúde bucal hoje, disse ela.


A análise do antigo S. mutans em comparação com o moderno S. mutans “revelou uma mudança significativa nos últimos poucos séculos ligada ao aumento do consumo de açúcar” e apoia pesquisas anteriores que encontraram taxas mais altas de cáries após o açúcar refinado se tornar amplamente disponível no século XIX, disse Louise Humphrey, líder de pesquisa no Centro de Pesquisa da Evolução Humana do Museu de História Natural de Londres, que não estava envolvida no estudo.

“O microbioma oral tem implicações para muitas áreas da saúde humana e doença. Dentes antigos podem nos ajudar a entender como o microbioma oral humano (gama de microorganismos) evoluiu ao longo do tempo e o impacto dessas mudanças na saúde humana no passado e hoje”, disse Humphrey em um e-mail.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page