top of page

Pode olhar para o céu a olho nu durante o eclipse? Veja dicas de como observá-lo

Observação insegura pode levar a danos permanentes na retina


No próximo dia 14 quem estiver no Brasil terá a oportunidade de observar o eclipse do Sol. Na maior parte do país, o fenômeno será visível como parcial, mas, em algumas regiões do Norte e Nordeste, uma espécie de “anel de fogo” aparecerá no céu — ao que os astrônomos nomeiam eclipse solar anular.


Embora especialistas afirmem que eclipses solares não são raros, o evento chama a atenção, especialmente nos casos de totalidade, em que toda a luz do Sol é bloqueada, ou anularidade, em que a maior parte da luz é bloqueada, sobrando um anel brilhante ao redor da estrela central.

Mas, antes de desfrutar do fenômeno astronômico, é preciso estar atento às medidas de segurança para evitar qualquer dano à retina.


Segundo informações da astrônoma Josina Nascimento, do Observatório Nacional, “em hipótese alguma se deve olhar diretamente para o Sol, nem mesmo com o uso de películas de Raio-x, óculos escuros ou outro material caseiro”.


É possível observar o fenômeno com segurança de maneira direta ou indireta, mas, na primeira opção, é indispensável o uso de um instrumento apropriado.


O ideal é utilizar filtros que cumpram o padrão internacional de ISO 12312-2. Vale lembrar que óculos de Sol comuns não são seguros para olhar diretamente para o Sol, por mais escuras que sejam as lentes.


A Nasa ainda orienta que, em caso de utilização de visualizadores portáteis seguros, é importante inspecionar os objetos antes de utilizá-los. “Se estiver rasgado, arranhado ou danificado de outra forma, descarte o dispositivo. Sempre supervisione as crianças usando visualizadores solares” diz um comunicado divulgado pela agência espacial.


Os acessórios podem ser comprados até mesmo pela internet, mas é importante se certificar de que eles cumprem as normas de segurança.


No caso da utilização de binóculos ou telescópios, também é necessário que os equipamentos sejam preparados por especialistas com filtros especiais.


Observação indireta

Caso no dia do eclipse você não disponha de um equipamento seguro para observar o fenômeno, outra possibilidade é recorrer da observação indireta, feita através de uma projeção.


“É bem fácil construir um aparato. Pode-se simplesmente usar um pedaço de papelão, como, por exemplo, uma tampa de caixa de pizza, e fazer um furo no meio. Coloca-se um papel branco no chão e direciona-se o furo para a direção do Sol. O eclipse é visto tranquilamente no papel no chão”, recomenda Josina.


Para quem não conseguir visualizar o fenômeno das ruas, o Observatório Nacional, em parceria com a organização internacional Time and Date, transmitirá ao vivo todo o eclipse. A live poderá ser vista neste link, a partir das 11h30, no horário de Brasília.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


0 visualização

Comentarios


bottom of page