top of page

Pílula anticoncepcional tem maior interesse de busca em 5 anos; conheça principais métodos

Segundo dados da PNS de 2019, entre as mulheres de 15 a 49 anos que ainda menstruavam e que eram sexualmente ativas nos últimos 12 meses, 40,6% utilizavam pílula

Na média dos últimos cinco anos, a pílula anticoncepcional teve o maior interesse de busca no Brasil, quando comparada com outros quatro métodos contraceptivos populares e reversíveis: dispositivo intrauterino (DIU), preservativo, injeção e implante, segundo dados do Google Trends.


Os artifícios utilizados para diminuir as chances de uma gravidez indesejada se dividem entre métodos de barreira, hormonais, intrauterinos, cirúrgicos e comportamentais.

Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019, entre as mulheres de 15 a 49 anos que ainda menstruavam e que eram sexualmente ativas nos últimos 12 meses, 40,6% utilizavam a pílula anticoncepcional.


Outros 22,9% usavam algum método de esterilização (17,3% a laqueadura e 5,6% a vasectomia), 20,4% a camisinha masculina, 9,8% a injeção, 4,4% o DIU, 0,6% algum outro método moderno (camisinha feminina, anel, adesivo, etc.) e 1,2% algum método tradicional (tabelinha, coito interrompido, etc).


Para escolher um método contraceptivo, o ideal é consultar um médico para conversar sobre o histórico clínico, checar as condições de saúde da paciente e discutir as diferentes estratégias.

Os especialistas consultados pela CNN explicaram as principais vantagens e desvantagens dos métodos. Confira:

  • Pílula anticoncepcional

As pílulas anticoncepcionais são métodos contraceptivos hormonais que podem associar estrogênio e progesterona, no caso das pílulas combinadas, ou apenas progesterona, nas chamadas minipílulas.

Vantagens: Custo relativamente baixo, alta e rápida eficácia, controle sobre o ciclo menstrual, pode ser descontinuada imediatamente, redução de cólicas menstruais e acne.

Desvantagens: Requer tomar diariamente, necessidade de prescrição médica, efeitos colaterais potenciais (como náuseas), não protege contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

  • Dispositivo intrauterino (DIU)

O dispositivo intrauterino, mais conhecido como DIU, é um pequeno objeto em formato de T, inserido no útero. Os dispositivos podem ser com ou sem hormônio, com diferentes indicações e benefícios.

Vantagens: Contracepção de longa duração (varia de 3 a 12 anos, dependendo do tipo), altamente eficaz, não requer lembrança diária.

Desvantagens: Custo inicial mais alto, necessidade de inserção e remoção por um profissional médico, possível mudança no fluxo menstrual.

  • Preservativo

Os preservativos são métodos de barreira e podem ser de dois tipos: masculinos (que recobrem o pênis) e femininos (inseridos na vagina). Vale lembrar que nunca deve-se utilizar dois preservativos juntos.

Vantagens: Protege contra ISTs, disponível sem prescrição médica, fácil de usar e acessível.

Desvantagens: Menor eficácia em comparação com outros métodos, necessidade de usar a cada relação sexual.

  • Injeção

A injeção de hormônios é aplicada a cada um ou três meses, a depender do tipo de contraceptivo.

Vantagens: Eficácia de longa duração (1 e 3 meses), não requer lembrança diária, fácil aplicação, custo relativamente baixo.

Desvantagens: Necessidade de uma equipe médica para administração, possíveis efeitos colaterais (como ganho de peso) no caso da injeção trimestral, não protege contra ISTs.

  • Implante

O implante anticoncepcional é um método hormonal que consiste na inserção de um pequeno bastão com 4 cm de comprimento e 2 mm de diâmetro sob a pele do braço. Ele armazena hormônio que é liberado na corrente sanguínea a age para impedir a concepção.

Vantagens: Altamente eficaz, contracepção de longa duração (3 anos ou mais), não requer esforço diário.

Desvantagens: Custo mais alto inicialmente, necessidade de procedimento médico para inserção e remoção, efeitos colaterais potenciais (como escapes).

  • Outros métodos

Além dos métodos citados, existem outras maneiras de impedir uma gravidez indesejada. O método mais popular depois do preservativo, de acordo com a PNS, é a esterilização, por meio de laqueadura ou vasectomia. Também existem outras opções reversíveis, como diafragma, anel vaginal e adesivos.

Vale destacar que métodos comportamentais, como coito interrompido e “tabelinha”, também são opção para algumas pessoas, embora a taxa de falha costume ser maior.

Fontes: Karen Rocha De Pauw, ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana; Larissa Cassiano, ginecologista e obstetra e Marise Samama, ginecologista, presidente da Associação Mulher Ciência e Reprodução Humana do Brasil e pesquisadora do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br




1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page