top of page

Organismo de Faustão tende a atacar coração que ele recebeu; cardiologista explica o que acontece...

Organismo de Faustão tende a atacar coração que ele recebeu; cardiologista explica o que acontece após transplante

Segundo Silvia Ayub, sistema imunológico do receptor entende que o novo órgão é um "corpo estranho" que precisa ser combatido


“Após o transplante, o organismo interpreta o coração do doador como se fosse um corpo estranho”, explicou à CNN a cardiologista Silvia Ayub. Assim, o sistema de defesa do corpo do apresentador Faustão, 73, tende a atacar o coração que ele recebeu em transplante no domingo (27).

“O organismo do receptor tende a atacar o que ele imagina que seria um corpo estranho. O sistema imunológico fica ativado para atacar”, completou a especialista.

Para lidar com a situação e tentar evitar a rejeição do novo coração pelo organismo, o pós-operatório ocorrer com a administração de doses altas de medicamentos imunossupressores, que diminuem o poder do sistema imunológico.

No entanto, explica a médica, a medida é delicada e demanda cuidados para que o paciente não desenvolva infecções, já que fica com uma baixa defesa imunológica.

“Nos primeiros meses, utilizamos uma dose mais alta de imunossupressores. Como eles diminuem a imunidade, a gente abre a possibilidade de ter infecções. Então, tem que tomar conta tanto da imunossupressão, para não ter rejeição, e, ao mesmo tempo, ter cuidado com infecções”, diz Ayub.

Com o passar dos meses, caso o organismo de Fausto Silva não rejeite o coração, ele vai se tornando mais tolerante ao novo órgão, e as doses de medicamentos vão sendo reduzidas aos poucos, garantindo a ele mais proteção contra doenças.


Coração de acordo com o esperado

Apesar dos riscos do momento pós-operatório, as funções do coração transplantado para Faustão “estão de acordo com o esperado para as primeiras 24 horas”, informaram médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, nesta segunda-feira (28).

Segundo o boletim médico, Faustão continua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e “respirando com auxílio de ventilação mecânica”. Seu estado clínico foi classificado como “estável”.


Como foi o transplante do Faustão?

Faustão, de 73 anos, recebeu o novo coração no domingo (27). O órgão, que era de um homem de 35 anos, veio de Santos, no litoral paulista, de helicóptero.

De acordo com a Secretária de Saúde de São Paulo, a partir do momento em que houve a disponibilidade do órgão, o sistema selecionou doze pacientes que atendiam aos requisitos para o transplante.

Destes, quatro tinham prioridade. Faustão ocupava a segunda posição nesta lista e recebeu o órgão depois de a equipe do paciente que estava em primeiro lugar na lista de prioridade recusar o órgão.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

コメント


bottom of page