top of page

Opinião: algas marinhas são nutritivas e podem ajudar a salvar o mundo

Sistemas alimentares baseados em terra contribuem para o aquecimento global e para a perda de biodiversidade, com mais de 800 milhões de pessoas passando fome

As algas marinhas podem ser o maior recurso inexplorado que temos neste planeta.


Pode ser um alimento nutritivo, uma alternativa ao plástico, restaurar os nossos oceanos e até ajudar a combater as alterações climáticas. Mas embora existam 12 mil tipos diferentes de algas marinhas, sabemos cultivar menos de 30.

Se quisermos aproveitar ao máximo esta alga milagrosa semelhante a uma planta, devemos aprender a amá-la e a cultivá-la de forma sustentável.


Fonte de alimento sustentável

Atualmente, os nossos sistemas alimentares baseados em terra contribuem para o aquecimento global e para a perda de biodiversidade, com mais de 800 milhões de pessoas passando fome.


Entretanto, os oceanos cobrem mais de dois terços do nosso planeta, mas contribuem com menos de 3% do total de calorias dos nossos alimentos, de acordo com algumas estimativas.


Podemos mudar esse paradigma incentivando o cultivo de algas marinhas. As algas marinhas têm um crescimento super rápido, não precisam de terra, nem de pesticidas e não precisam ser regadas. Além disso, são repletas de proteínas, nutrientes, fibras, vitaminas e minerais.

Algas secas retêm seus nutrientes. Um produto nutritivo com um longo prazo de validade e sem necessidade de armazenamento refrigerado no seu percurso até ao consumidor é uma boa notícia, tanto para as economias emergentes, onde a refrigeração durante o transporte nem sempre está disponível, como para o nosso clima, porque permite poupar nas emissões de carbono que vêm de manter produtos perecíveis frescos.

Mas, apesar do seu enorme potencial, o cultivo de algas marinhas está atualmente limitado à Ásia, responsável por 98% dos 35 milhões de toneladas métricas de algas marinhas vendidas em todo o mundo.

Se quisermos estabelecer um mercado resiliente de algas marinhas noutro local, o mundo precisa de adotá-las como alimento.

Existe um enorme potencial para o seu cultivo. Globalmente, as algas marinhas poderiam ser cultivadas numa área oceânica quase do tamanho da Austrália e fornecer alimentos suficientes para 10% da dieta humana até 2050, de acordo com um estudo liderado pela Universidade de Queensland, na Austrália.

Mas mesmo quando os humanos não as comem, as algas marinhas têm outros benefícios para a produção de alimentos: podem ser usadas como bioestimulante natural para plantas que podem substituir fertilizantes, e como alimento para animais, com algumas pesquisas sugerindo que podem reduzir a quantidade de metano que aquece o planeta emitido pelo gado.


Uma solução verde

Além da produção de alimentos, as algas marinhas oferecem uma série de outros benefícios ambientais.

Elas têm sido usado para criar alternativas às embalagens plásticas que são biodegradáveis ​​e compostáveis, e até comestíveis.

Algumas empresas as utilizam como têxtil alternativo ao algodão, uma planta que utiliza enormes quantidades de terra, água e pesticidas.

As algas também têm potencial como solução escalável e baseada na natureza para combater as alterações climáticas.

À medida que crescem, as algas marinhas absorvem dióxido de carbono – e podem crescer a um ritmo surpreendente. As algas gigantes podem crescer até 50 centímetros por dia, atingindo cerca de 60 metros.

Estudos indicam o potencial das algas marinhas como armazenamento de carbono e, embora seja necessário mais, um levantamento aponta que os habitats de algas marinhas são considerados os mais produtivos de todos os ecossistemas com vegetação costeira, além de sugerir que as algas marinhas do mundo sequestram tanto carbono como todas as pradarias de ervas marinhas, pântanos salgados e manguezais do planeta combinados.

Além disso, as algas marinhas podem ajudar a restaurar e regenerar os nossos oceanos.

Elas absorvem poluentes como metais pesados ​​e nitratos e estimulam a biodiversidade nos nossos oceanos, fornecendo um habitat crítico para a vida marinha e um local para criaturas mais pequenas escaparem aos predadores.


Sob ameaça

Mas no momento em que reconhecemos o seu potencial inexplorado, as algas marinhas estão se tornando cada vez mais vulneráveis.

A Califórnia, a Noruega e a Tasmânia perderam mais de 80% das suas algas nos últimos anos, como resultado das alterações climáticas, da poluição e da pesca excessiva.

Precisamos urgentemente proteger, replantar e cultivar estes ecossistemas ou eles desaparecerão.

Tenho três filhos e eles precisam ouvir soluções para os problemas ambientais que o nosso planeta enfrenta. As algas marinhas podem ser uma delas.

Se aprendermos a cultivar o nosso oceano de forma sustentável, poderemos contribuir para alimentar toda a população mundial, ao mesmo tempo que mitigamos as alterações climáticas e restauramos a biodiversidade.

Mas isso só pode ser feito juntos. Então, se você acha que as algas marinhas são viscosas, fedorentas e pouco atraentes, é hora de pensar novamente. Faz parte do nosso futuro.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização

Comments


bottom of page