top of page

OMS torna a solidão prioridade de saúde global com nova comissão de trabalho

Nos próximos três anos, o comitê buscará formas de enfrentar ameaça urgente à saúde de uma epidemia global de solidão, responsável por causar doenças físicas e mentais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tornou a solidão uma prioridade de saúde global. A informação foi divulgada pelo órgão na quarta-feira (15), ao lançar uma nova Comissão de Conexão Social.


Durante os próximos três anos, o grupo se concentrará em formas de enfrentar a “ameaça urgente à saúde” de uma epidemia global de solidão. Para isso, irão analisar os dados científicos mais recentes e conceber estratégias para ajudar as pessoas a aprofundar as suas conexões sociais.

A comissão é co-presidida pelo enviado da Juventude da União Africana, Chido Mpemba, e pelo Cirurgião Geral dos Estados Unidos, Dr. Vivek Murthy, que escreveu e falou extensivamente sobre os riscos do isolamento social. Ele fez dessa questão uma das suas principais preocupações.


Murthy disse que isso é uma ameaça “subestimada” à saúde que agora se generalizou. “Por muito tempo, a solidão existiu por trás das sombras, invisível e subestimada, causando doenças físicas e mentais”, explicou. “Agora, temos a oportunidade de mudar isso”.


Karen DeSalvo, membro do comitê e diretora de saúde do Google, disse que, quando era médica e comissária de saúde de Nova Orleans, aprendeu em primeira mão que “um bom cuidado é importante, mas tem que acontecer em um contexto” – e isso inclui conexão social. Batendo nas portas em Nova Orleans depois que um furacão cortou a energia e deixou as casas extremamente quentes, ela e seus colegas tentaram levar as pessoas para abrigos, mas foi difícil conseguir que algumas saíssem, mesmo quando tantas estavam tão sozinhas.


“As pessoas podem facilmente ficar à margem e isoladas, e isso afeta os seus resultados de saúde”, disse DeSalvo. “Alguém pode procurar ajuda para dores no peito, por exemplo, e o sistema de saúde se concentrará no tratamento dessa dor, mas será difícil para eles realmente melhorarem se receberem alta e voltarem para seu isolamento social.”


A solidão tem chamado muita atenção recentemente no setor de saúde pública. Na semana passada, o estado de Nova York nomeou a terapeuta sexual Dra. Ruth Westheimer como sua primeira embaixadora da solidão. Em maio, Murthy apresentou uma estrutura para enfrentar a solidão e “consertar a estrutura da nossa nação”. E não é apenas um fenômeno dos EUA: em 2018, o Reino Unido nomeou o seu primeiro ministro para solidão.


A pesquisa mostra que a falta de certos tipos de ligação social está associada a problemas de saúde mental e aumenta o risco de ansiedade, depressão e suicídio.

“A desconexão social tornou-se agora um fator-chave da crise mais ampla de saúde mental que vemos neste mundo”, disse Murthy. “Aproximadamente um bilhão de pessoas – 1 em cada 8 – vivem com problemas de saúde mental, um quarto delas são adolescentes”, disse ele.


A solidão e o isolamento social também podem levar a problemas de saúde física. Pessoas que não têm conexão social correm um risco maior de morrer precocemente.


A solidão e o isolamento social têm sido associados há muito tempo à má função imunológica e a problemas cardiovasculares, como hipertensão, e aumentam o risco de acidente vascular cerebral em 30%. Contribuem também para o declínio cognitivo e estão associados a um aumento de 50% na demência. Pessoas isoladas também tendem a ter mais hábitos não saudáveis, como fumar e/ou beber em excesso, além de ser mais sedentárias.


O impacto da solidão na saúde é tão abrangente que um estudo comparou-a a fumar até 15 cigarros por dia.


Muitas pesquisas sobre isolamento social e solidão concentram-se nos idosos. Os adultos mais velhos correm maior risco porque vivem sozinhos com maior frequência, terem perdido mais familiares ou amigos, além de serem mais propensos a problemas físicos como perda auditiva. Isso pode impedi-los de serem sociais, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.


Mas não são apenas os idosos que se sentem solitários. Uma pesquisa realizada em 142 países e publicada no mês passado revelou que quase 1 em cada 4 adultos relatou sentir-se muito ou bastante solitário. As crianças também não estão imunes; alguns estudos descobriram que mais da metade das crianças e adolescentes se sentiam solitários pelo menos durante parte do tempo.


A pandemia de Covid-19 pode ter exacerbado esses sentimentos, mostram estudos, com o isolamento social e a solidão afetando negativamente os sintomas de depressão e ansiedade dos mais jovens.


Embora os humanos sejam criaturas sociais por natureza, as pessoas melhoram a socialização com a prática, diz o Dr. Ryan Patel, professor assistente clínico adjunto de psiquiatria na Universidade Estadual de Ohio, que estuda conexões sociais.

O isolamento da pandemia limitou o número de “interações sociais mais suaves e fáceis” que as pessoas normalmente têm, e o impacto ainda é sentido, especialmente entre os jovens. “Quando você tira isso, pode ser provocador de ansiedade estar em ambientes altamente sociais quando não se tem esse tipo de prática”, disse Patel, que não faz parte do comitê da OMS.


Patel disse que a hiperconectividade dos jovens também estreitou inadvertidamente a lente com a qual veem o mundo, por isso, quando interagem com outras pessoas que podem não compartilhar a sua perspectiva, pode ser um desafio.


“Você pode estar preocupado com a possibilidade de dizer a coisa errada, e isso pode aumentar a ansiedade”, disse Patel. O ambiente polarizado também desincentiva as pessoas a interagir, e isso também pode resultar em solidão e isolamento.


“A coesão social, a conectividade e a solidão são importantes para resultados saudáveis para pessoas de todas as idades, onde quer que estejam”, disse DeSalvo. Ela espera que a nova comissão da OMS forneça evidências para ajudar os sistemas de saúde em todo o mundo a compreender como abordar melhor a ligação entre a solidão e os maus resultados de saúde, como as doenças cardíacas.


“Eles têm um histórico claro e acho que o que podem trazer para isso é uma orientação para a ação”, disse ela.


Além conscientizar as pessoas a como ajudar a si próprias, os seus vizinhos e as suas comunidades a sentirem-se menos isoladas, o comitê pretende ajudar a comunidade em geral a resolver este importante problema de saúde pública.


“Então, como podemos ajudar os setores público e privado em todo o mundo a saber o que podem fazer para realizar essas intervenções e entender como podemos avançar para melhorar a saúde das pessoas em todo o mundo?”, disse DeSalvo.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br






0 visualização0 comentário

留言


bottom of page