top of page

O que sabemos sobre a disputa diplomática entre Canadá e Índia

Trudeau alega que há envolvimento da Índia no assassinato de um ativista separatista sikh no Canadá


O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, incitou a Índia a investigar seriamente a sua alegação de que possui informações plausíveis que ligam Nova Dheli ao assassinato de um ativista separatista sikh em solo canadense, reforçando uma alegação que desencadeou uma disputa diplomática e ameaça deteriorar as relações entre os dois países.


Trudeau disse na terça-feira (19) que o Canadá não estava tentando “provocar” a Índia ou intensificar a situação, mas estava “simplesmente expondo os fatos”. Ele disse que seu governo “seguirá as evidências e garantirá que o trabalho seja feito para responsabilizar as pessoas”.


A alegação do Canadá de que o governo indiano poderia estar envolvido no assassinato em junho do proeminente líder sikh Hardeep Singh Nijjar indignou Nova Dheli, que negou veementemente a afirmação, chamando-a de “absurda e motivada”.

Especialistas dizem que o desentendimento levanta a perspectiva de uma ruptura sem precedentes entre dois parceiros-chave dos Estados Unidos e potencialmente coloca outros grandes países ocidentais numa posição desconfortável.


Veja o que você precisa saber:


Por que as relações Índia-Canadá estão em crise?

Trudeau afirmou no Parlamento na segunda-feira (18) que as autoridades canadenses estavam investigando “alegações plausíveis” de uma potencial ligação entre “agentes do governo da Índia” e o assassinato de Nijjar, um cidadão do Canadá sikh morto a tiros por homens mascarados em junho.

A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Melanie Joly, disse posteriormente que Ottawa havia expulsado um diplomata da Índia, a quem ela descreveu como chefe da agência de inteligência indiana no país, como uma “consequência”.

A Índia respondeu horas depois e rejeitou as alegações de Trudeau, acusando o Canadá de abrigar terroristas e alegando que a sua inação contra os extremistas era uma preocupação “de longa data”. Também expulsou um importante diplomata canadense do país.

A morte de Nijjar em junho chocou a comunidade sikh no Canadá, uma das maiores fora da Índia, com mais de 770 mil membros.

Na sequência dos comentários de Trudeau, dois grupos comunitários sikh no Canadá — o Conselho Gurdwaras da Colúmbia Britânica e o Comitê Gurdwaras de Ontário — incitaram o governo canadense a “suspender imediatamente toda a cooperação de inteligência, investigação e acusação com a Índia”.

“A resposta abrangente do Canadá deve refletir a gravidade do papel da Índia no assassinato premeditado de um dissidente Sikh que vivia no Canadá”, acrescentaram os grupos numa declaração conjunta.


Quem foi Hardeep Singh Nijjar?

Nijjar apoiou abertamente a criação de uma pátria sikh separada, conhecida como Khalistan, que incluiria partes do estado indiano de Punjab.

O movimento Khalistan é proibido na Índia e considerado uma ameaça à segurança nacional pelo governo. Vários grupos associados ao movimento estão listados como “organizações terroristas” sob a Lei de Atividades Ilícitas (Prevenção) da Índia (UAPA).

O nome de Nijjar aparece na lista de terroristas da UAPA do Ministério do Interior. Em 2020, a Agência Nacional de Investigação Indiana acusou-o de “tentar radicalizar a comunidade sikh em todo o mundo em favor da criação de ‘Khalistan’”, acrescentando que ele tinha “tentado incitar os sikhs a votar pela secessão, agitar contra o governo da Índia e realizar atividades violentas”.

O amigo e ex-advogado de Nijjar, que também aparece na lista de procurados da UAPA da Índia, disse que Nijjar foi avisado pelo menos três vezes por autoridades canadenses, incluindo a Polícia Montada Real Canadense, sobre ameaças à sua vida.

Gurpatwant Singh Pannun disse à CNN que Nijjar foi aconselhado a ter cuidado e evitar fazer “grandes palestras” para não virar um alvo. A CNN entrou em contato com a Polícia Montada Real Canadense.

Pannun, que enfrenta múltiplas acusações do governo indiano, dirige um grupo com sede em Nova Iorque chamado “Sikhs pela Justiça”, que realizou referendos para um estado separado do Khalistan. A organização é considerada ilegal na Índia, onde o seu site não está acessível.

A polícia canadense não prendeu ninguém relacionado ao assassinato de Nijjar. Numa atualização de agosto, a polícia disse que estava investigando três suspeitos e divulgou uma descrição de um possível veículo de fuga.


As relações podem voltar ao ponto em que estavam?

As relações entre os dois países têm sido mornas há vários anos e as alegações do Canadá contra o governo indiano são podem azedar ainda mais as coisas.

Harsh Pant, vice-presidente de política externa do grupo de reflexão Observer Research Foundation, com sede em Nova Dheli, classificou a situação como “bastante extraordinária”.

“Nações amigas não fazem isso umas com as outras”, disse ele. “Os desafios (que daí decorrem) são algo a ver porque não vejo nenhuma luz, pelo menos a curto prazo, no fim do túnel.”

As negociações para um acordo comercial entre os países foram interrompidas devido a questões “de séria preocupação”, disse o ministro do comércio e comércio da Índia, de acordo com relatórios locais.

Quando Modi recebeu os líderes do G20 em Nova Dheli este mês, ele não se encontrou com Trudeau individualmente, mas “transmitiu as nossas fortes preocupações sobre a continuação das atividades anti-Índia de elementos extremistas no Canadá”, segundo o governo indiano.

As tensões estão “fervendo na superfície há algum tempo”, disse Pant.

Quando Trudeau visitou a Índia em 2018, o seu calendário, que tinha poucas reuniões diplomáticas, foi visto por muitos como “desprezo” por parte de Nova Dheli.

Um ano antes, o líder canadense tinha sido visto em um evento sikh em Toronto, onde foram exibidas bandeiras separatistas e cartazes representando um líder extremista sikh morto numa operação do Exército Indiano em 1984.

Na sua declaração de terça-feira, o governo indiano afirmou: “O fato de figuras políticas canadenses terem expressado abertamente simpatia por tais elementos continua a ser motivo de profunda preocupação”.

Apesar disso, Michael Kugelman, diretor do South Asia Institute do Wilson Center, disse acreditar que “o relacionamento é recuperável”.

“O Canadá é um grande investidor na Índia e também (tem) uma grande diáspora indiana no Canadá. As relações entre pessoas são muito fortes no geral.”


Como os outros responderam?

As alegações do Canadá surgem dias após Modi receber líderes mundiais, incluindo o presidente dos EUA, Joe Biden, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, e o australiano Anthony Albanese, para o G20 em Nova Dheli.

Cada um destes países tem uma população sikh considerável e está interessado em manter relações calorosas com Nova Dheli, em parte como um reforço contra a crescente assertividade da China.

No entanto, esses três principais aliados do Canadá emitiram declarações que indicavam algum apoio à decisão de Trudeau de tornar públicas as suas preocupações.

A Casa Branca está “profundamente preocupada” com as alegações, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Adrienne Watson, acrescentando que era “crítico que as investigações do Canadá prossigam e os perpetradores sejam levados à justiça”.

Um porta-voz da ministra das Relações Exteriores da Austrália, Penny Wong, disse que o país também está “profundamente preocupado”.

“Entendemos que esses relatórios serão particularmente preocupantes para algumas comunidades australianas”, disse um comunicado. “A diáspora indiana é um contribuidor valioso e importante para a nossa sociedade multicultural vibrante e resiliente, onde todos os australianos podem expressar as suas opiniões de forma pacífica e segura.”

Kugelman disse que o Canadá teria “passado por um processo muito extenso” para investigar as alegações. “O Canadá conta com relações de inteligência muito estreitas com os EUA, o Reino Unido e a Austrália, entre outros”, disse ele.

Kugelman acrescentou que é “notável” que o Canadá seja membro dos chamados Cinco Olhos, um pacto de inteligência que também inclui os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a Austrália e a Nova Zelândia.

“Na verdade, alguém poderia pensar que o Canadá teria que realizar uma investigação significativa e cuidadosa antes de estar disposto e confortável para tornar públicas estas alegações”, acrescentou.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page