top of page

Nova missão pode lançar luz sobre os segredos do ‘lado oculto’ da Lua

O lado oculto, com a sua crosta mais espessa, é muito diferente do lado próximo que foi explorado durante as missões Apollo; entenda

Ao longo dos últimos anos, países concorrentes transformaram a Lua num hotspot para atividades que não eram vistas desde que os astronautas da Apollo 17 partiram da superfície lunar em 1972.


Numa região lunar, a missão “Moon Sniper” do Japão superou as adversidades e sobreviveu a três longas e frias noites lunares desde seu pouso lateral em 19 de janeiro. Os engenheiros da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão não projetaram a espaçonave para durar uma noite lunar, um período de duas semanas de escuridão congelante, mas o Moon Sniper continua a prosperar em meio a extremos lunares e enviar novas imagens de seu local de pouso.

Em outro lugar, uma equipe internacional de astrônomos acredita que ele se localizou em uma cratera criada há alguns milhões de anos, quando algo enorme se chocou contra a superfície lunar – e enviou um pedaço do outro lado da Lua, ou o lado voltado para longe da Terra, arremessando-o para longe da Terra.

O pedaço de Lua tornou-se um raro quase-satélite, ou asteróide que orbita perto da Terra. A missão Tianwen-2 visitará a rocha espacial ainda esta década. Mas primeiro, a China decidiu regressar ao “lado oculto” da Lua.


Atualização lunar

A missão Chang’e-6, lançada sexta-feira, tem como objetivo trazer de volta as primeiras amostras da bacia do Pólo Sul-Aitken, ou a maior e mais antiga cratera da lua. Desde a missão Chang’e 4 em 2019, a China continua a ser o único país que aterrou no lado oculto da Lua, por vezes chamado de “lado escuro” da Lua. O “lado escuro” da Lua é na verdade um nome impróprio, dizem os especialistas, e o remoto hemisfério lunar recebe, sim, iluminação – mas os cientistas simplesmente não sabem tanto sobre a região quanto gostariam.

O lado oculto, com a sua crosta mais espessa, é muito diferente do lado próximo que foi explorado durante as missões Apollo.

Os cientistas esperam que o retorno de amostras do outro lado possa resolver alguns dos maiores mistérios lunares restantes, incluindo a verdadeira origem da Lua.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização0 comentário

Comentários


bottom of page