top of page

Nasa avança em estudos para a volta de voos supersônicos

Rota entre Nova York e Londres poderá ser feita em apenas 90 minutos no futuro


Ah, pelos dias de glória das viagens, quando os assentos eram maiores, a comida era melhor e era possível cruzar o Atlântico de avião em menos de três horas.

Desde o fim do Concorde, em 2003, é claro, atravessar rapidamente o Atlântico tem sido coisa do passado. Os voos entre Londres e Nova York demoram cerca de oito horas, ou cerca de sete na outra direção. O recorde atualmente é de pouco menos de cinco horas de Nova York a Londres, impulsionado por uma corrente de jato favorável.

Mas, agora, a ideia de viagens supersônicas foi novamente discutida – por ninguém menos que a Nasa, que calcula que o voo Nova York-Londres poderá demorar apenas 90 minutos no futuro.

A agência espacial fez a confirmação sobre a sua “estratégia de alta velocidade” que estudou recentemente se voos comerciais até Mach 4 – mais de 4.830 km/h – poderiam decolar no futuro.

O estudo do Centro de Pesquisa Glenn da Nasa sugeriu que já existem “mercados potenciais de passageiros em cerca de 50 rotas estabelecidas”.

Estas rotas foram confinadas às transoceânicas, incluindo sobre o Atlântico Norte e o Pacífico, porque nações como os EUA proíbem voos supersônicos terrestres.

Contudo, a Nasa está desenvolvendo aeronaves supersônicas “silenciosas”, chamadas X-59, como parte de sua missão Quest.

A agência espera que a nova aeronave possa eventualmente provocar modificações nessas regras, abrindo caminho para voos entre Mach 2 e Mach 4 (2.470 – 4.900 km/h). A velocidade máxima do Concorde era Mach 2,04, ou 2.180 km/h. Um jato viajando a Mach 4 poderia fazer uma travessia transatlântica em apenas 90 minutos.

Seguindo os estudos, o Programa de Veículos Aéreos Avançados (AAV, em inglês) da Nasa passará agora para sua próxima fase de pesquisa para viagens de alta velocidade, contratando empresas para desenvolver projetos e “explorar possibilidades de viagens aéreas, delinear riscos e desafios e identificar tecnologias necessárias para tornar Mach 2 uma realidade”, disse a agência.

Serão duas equipes trabalhando na pesquisa: uma liderada pela Boeing e outra pela Northrop Grumman Aeronautics Systems. Cada uma apresentará projetos para aeronaves capazes de sustentar altas velocidades supersônicas.

Estudos semelhantes aos feitos agora, realizados há uma década, moldaram o desenvolvimento da aeronave X-59, segundo Lori Ozoroski, gerente do Projeto de Tecnologia Supersônica Comercial da Nasa.


Da mesma forma, acrescentou Ozoroski, os novos estudos irão “atualizar a visão dos roteiros tecnológicos e identificar necessidades de investigação adicionais para uma gama mais ampla de alta velocidade”.

A próxima fase também trará “considerações de segurança, eficiência, econômicas e sociais”, disse Mary Jo Long-Davis, gerente do Projeto de Tecnologia Hipersônica da Nasa, acrescentando que “é importante inovar com responsabilidade”.

Em julho, a Lockheed Martin concluiu a construção da aeronave de teste X-59, projetada para transformar estrondos sônicos em meros baques, na esperança de tornar o voo supersônico terrestre uma possibilidade.

Testes de solo e um primeiro voo de teste estão planejados para o final do ano. A Nasa pretende ter dados suficientes para entregar aos reguladores dos Estados Unidos em 2027.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page