top of page

Mulher com condição genética rara fica grávida em dois úteros

Kelsey Hatcher engravidou de gêmeos, mas em úteros diferentes; ela tem didelfo uterino

A quarta gravidez de Kelsey Hatcher começou como a maioria das outras: com falta de menstruação. A partir daí, um teste de gravidez caseiro deu positivo e ela compartilhou a notícia com o marido, Caleb, que sempre foi “o maior encorajador”.


“Quando eu disse a ele que estava grávida de novo, ele disse, ‘OK, bem, qual é? mais? Vai ser ótimo. Vai ficar tudo bem’”, disse.

Em sua primeira consulta de ultrassom, com cerca de oito semanas de gravidez, as coisas tomaram um rumo inesperado.


O técnico de ultrassom encontrou rapidamente o bebê e disse a Hatcher que tudo parecia perfeito. O bebê estava saudável. Então Hatcher lembrou de dizer ao técnico que sua anatomia era um pouco diferente. Ela nasceu com dois úteros, uma condição chamada didelfo uterino.


“Então, se você estiver escaneando e talvez vislumbrar isso ou algo assim, não pense que é apenas algo aleatório ou que há algo errado. Há um útero totalmente separado ali”, disse Hatcher, 32 anos.


Hatcher disse que o técnico de ultrassom agradeceu por avisá-la e disse que daria uma olhada rápida no segundo útero para ter certeza de que tudo estava bem.


“E assim que ela moveu a varinha de ultrassom para o outro lado da minha barriga, eu disse: ‘Oh, meu Deus! Tem outro.”


“A enfermeira com quem me encontrei naquele dia ficou simplesmente maravilhada. Ela disse: ‘Nem tenho certeza de quais são as estatísticas disso’”, lembrou Hatcher.


Cerca de 3,6 milhões de bebês nasceram nos EUA no ano passado, mas apenas cerca de 114 mil desses nascimentos foram de gêmeos, de acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA.

Por outras palavras, nascem cerca de três pares de gêmeos para cada 200 nascidos vivos, de acordo com o CDC, e dois desses conjuntos são provavelmente bivitelinos – que provêm de dois óvulos fertilizados separados.

A condição de Hatcher também é rara: cerca de 1 em cada 2.000 mulheres nasce com útero didelfo. Para que ela engravidasse em ambos os úteros ao mesmo tempo, dois óvulos tiveram que ser fertilizados, um em cada útero.

Como a maioria das mulheres, Hatcher tem dois ovários, as glândulas que armazenam e liberam óvulos. Cada um de seus ovários alimenta um único útero. Normalmente, os ovários se revezam na liberação de óvulos, enviando um para o útero a cada ciclo para ter a chance de serem fertilizados.

Ocasionalmente, porém, um ovário pode liberar mais de um óvulo durante cada ciclo, um fenômeno denominado hiperovulação.

A hiperovulação não foi extensivamente pesquisada, mas um estudo de 2006 com 500 mulheres descobriu que cerca de 1 em cada 5 delas era capaz de hiperovular. Mas mesmo para essas mulheres, isso não acontece a cada ciclo.

Quando acontece, às vezes um único ovário pode liberar dois óvulos. E ainda mais raramente, ambos os ovários liberam um único óvulo ao mesmo tempo, que foi o que aconteceu no caso de Hatcher.

Estudos de caso estimam as probabilidades de gravidez como esta – uma mulher com dois úteros carregando um bebê em cada um ao mesmo tempo – é em cerca de 1 em 2 bilhões na população em geral, embora seja impossível ter a certeza com algo tão pouco frequente.

Hatcher tinha cerca de sete vezes mais probabilidade de ganhar na loteria e cerca de 131 mil vezes mais probabilidade de ser atingida por um raio em algum momento de sua vida.

Bebês duplos

Útero didelfo ocorre nas primeiras semanas de desenvolvimento do bebê. As mulheres nascem com dois cornos uterinos, ou metades, que normalmente se fundem para formar uma cavidade maior. No didelfo, as paredes uterinas não se fundem como deveriam e as mulheres nascem com duas.

Hatcher diz que teve sorte, de certa forma, porque algumas mulheres com a condição têm apenas um útero em funcionamento; a outra não consegue suportar uma gravidez. Mas seus registros médicos mostram que ela carregou bebês nos dois, mas nunca antes ao mesmo tempo.

“Mesmo na faculdade de medicina, não aprendemos realmente sobre isso porque é uma coisa muito rara”, disse a Dra. Shweta Patel, obstetra de Hatcher na Universidade do Alabama.

“Por ser uma circunstância tão incomum, não tivemos tanta orientação para o cuidado pré-natal dela”, disse Patel.

“Sabemos muito sobre como cuidar de gestações gemelares em geral quando há um útero envolvido e, portanto, extrapolar o cuidado do paciente para isso é o que temos feito por Kelsey.”

Ambos os bebês são meninas e estão crescendo bem. Com 34 semanas de gestação, eles estão no caminho certo, diz Hatcher.

Uma coisa que é diferente nesta gravidez, segundo Hatcher, é que em certas posições, ela não tem apenas uma barriga, mas duas.

Quando ela se deita em sua poltrona à noite, “as meninas quase se separam, e você pode ver vividamente os dois úteros separados, porque há uma grande lacuna em meu estômago, onde eles caem para um lado ou para outro”.

Os bebês são tecnicamente gêmeos, mas como não compartilham o útero e não podem se tocar, Hatcher se pergunta se eles terão um vínculo como alguns outros gêmeos.

“Estou muito curiosa para ver como elas ficarão, se terão algum tipo de ligação assim ou se serão apenas irmãs”, disse.

A data do parto é o Natal, mas Hatcher sabe que não é provável que ela chegue tão longe, já que estar grávida de múltiplos torna o parto prematuro mais provável.

“Eu só queria chegar até dezembro”, disse.

O parto é a maior incógnita

Hatcher deseja ter um parto vaginal, mas com dois úteros, não está claro como será o trabalho de parto e o nascimento.

“Acho que o nascimento é provavelmente a maior incógnita”, disse Patel.

A equipe médica não tem certeza se os dois úteros começarão a se contrair ao mesmo tempo ou se os bebês nascerão separados.

Talvez um lado entre em trabalho de parto, mas o outro não, então eles podem ter que induzir o parto desse lado com hormônios. Talvez Hatcher precise de uma cesariana.

“Não saberemos até vermos”, disse Patel.

Enquanto isso, Hatcher e seu marido estão com as malas prontas e ela está tentando trabalhar o máximo possível – ela é massoterapeuta – porque eles precisam de renda.

Amigos criaram uma página GoFundMe para ajudar com despesas inesperadas, incluindo reformas de casas, cuidados infantis e perda de renda após o nascimento dos gêmeos.

“As coisas poderiam acontecer muito rapidamente e eu poderia entrar em trabalho de parto esta noite”, disse Hatcher.

Uma coisa que eles ainda não descobriram são os nomes das meninas.

Seus outros três filhos, duas meninas e um menino, de 6, 4 e 2 anos, têm nomes que começam com a letra R, e Hatcher diz que planejam manter isso para os gêmeos. Fora isso, nada está resolvido.

O filho dela ficou um pouco chateado no início quando descobriu que os dois bebês eram meninas, mas agora ele está animado em ser um irmão mais velho. Ela diz que a raridade desta gravidez torna tudo ainda mais significativo para eles.

“Não há como negar o milagre desses bebês e saber que eles estão aqui para algo grande, porque para tudo isso se alinhar perfeitamente e acontecer do jeito que aconteceu, você não pode questionar isso, sabe?”.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br



0 visualização
bottom of page