top of page

Maus hábitos de notívagos podem levar ao diabetes tipo 2, diz estudo

Pesquisadores também encontraram ligações entre estilo de sono de pessoas que costumam dormir e acordar tarde e alguns comportamentos pouco saudáveis ​​

Se você fica grogue pela manhã, mas animado à noite, você pode ser uma “coruja noturna” — um padrão de sono ou cronotipo que o torna mais propenso a querer ficar acordado até tarde.


Nesse caso, você pode correr um risco maior de desenvolver diabetes tipo 2, bem como uma série de hábitos de vida pouco saudáveis, descobriu um novo estudo.

“Quando analisamos a relação entre o cronotipo e o diabetes, descobrimos que os notívagos tinham um risco 72% maior de desenvolver diabetes ao longo dos oito anos do nosso estudo”, disse a autora principal Sina Kianersi, pesquisadora de pós-doutorado no Brigham and Women’s Hospital e na Escola de Medicina Harvard, em Boston.


Os pesquisadores também encontraram fortes ligações entre um estilo de sono “tarde para deitar e acordar” e alguns comportamentos pouco saudáveis ​​— todos conhecidos contribuintes para doenças crônicas, como o diabetes tipo 2.


“Os notívagos em geral eram mais propensos a ter uma dieta pobre, a ser menos ativos fisicamente, a usar álcool em maiores quantidades, a ter um IMC (índice de massa corporal) pouco saudável, a fumar e a dormir menos ou mais do que as sete a nove horas recomendadas todas as noites”, disse Kianersi.


Quando Kianersi e a sua equipe excluíram os hábitos pouco saudáveis ​​dos dados, o risco de uma pessoa noturna desenvolver diabetes tipo 2 caiu para 19% em comparação com os madrugadores, ou pessoas que gostam de se levantar e ir para a cama cedo.


“Mesmo depois de contabilizados todos os fatores de estilo de vida, existe um ligeiro aumento do risco de diabetes, sugerindo que pode haver alguma predisposição genética responsável tanto pela diabetes como pela preferência noturna ou potencialmente outros fatores que não foram contabilizados”, disse Bhanu Prakash Kolla, especialista em medicina do sono do Centro de Medicina do Sono da Clínica Mayo em Rochester, Minnesota. Ele não estava envolvido no estudo.


“A principal conclusão é que as pessoas que têm uma clara preferência noturna devem estar cientes desses riscos, moderar o uso de álcool, eliminar o fumo, aumentar a atividade física e dormir mais e administrar alguns desses riscos da melhor maneira possível”, disse Kolla por e-mail.


Qual é o seu cronotipo de sono

Todo mundo tem um relógio biológico interno de 24 horas, ou ritmo circadiano, que regula a liberação do hormônio melatonina para promover o sono. Acredita-se que os cronotipos pessoais do sono sejam herdados; entretanto, com algum trabalho, eles podem ser alterados.


Se você é um madrugador inato, seu ritmo circadiano libera melatonina muito mais cedo do que o normal, energizando você para se tornar mais ativo pela manhã. Nos notívagos, no entanto, o relógio biológico interno secreta melatonina muito mais tarde, tornando o início da manhã lento e empurrando o pico de atividade e estado de alerta para o final da tarde e da noite.


Mas isso não é tudo. Cada célula do corpo tem o seu próprio ritmo circadiano — incluindo quando sente fome, quando evacua, quando se sente com energia suficiente para fazer exercício e como funciona o seu sistema imune. Quando o sono perturba esses ritmos, o corpo fica fora de sincronia.


“A secreção de hormônios pode mudar porque ficamos acordados até tarde, a regulação da temperatura do nosso corpo pode mudar e o metabolismo pode mudar de forma negativa”, disse Kianersi. “Obtemos uma espécie de efeito dominó, que pode aumentar o risco de ter diabetes, doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas.”


Os madrugadores tendem a ter melhor desempenho na escola e são mais ativos ao longo do dia, o que pode explicar em parte porque é que estudos revelaram que eles têm menos risco de doenças cardiovasculares, dizem os especialistas.


Combinando sua programação com seu sono

O estudo, publicado segunda-feira na revista Annals of Internal Medicine, acompanhou quase 64 mil enfermeiras que participaram do Nurses’ Health Study II, uma das maiores investigações sobre os fatores de risco para as principais doenças crônicas em mulheres.


O estudo coletou dados de 2009 a 2017, incluindo cronotipo autorreferido, qualidade da dieta, peso e IMC, horário de sono, comportamento de fumar, uso de álcool, atividade física e histórico familiar de diabetes. Esses dados foram então correlacionados com registros médicos para determinar quem desenvolveu diabetes.


Embora os pesquisadores tenham encontrado associações significativas entre o desenvolvimento de diabetes em notívagos que trabalhavam durante o dia, eles não encontraram uma associação para notívagos que iam trabalhar mais tarde ou trabalhavam em turnos noturnos.


“Quando o cronotipo não correspondia ao horário de trabalho, vimos um aumento no risco de diabetes tipo 2”, disse o coautor Tianyi Huang, professor assistente de medicina na Escola de Medicina Harvard e epidemiologista associado de medicina no Brigham and Women’s Hospital, em comunicado.


“Essa foi outra descoberta muito interessante, sugerindo que um agendamento de trabalho mais personalizado poderia ser benéfico.”


O estudo não é o primeiro a encontrar uma ligação entre um cronotipo de sono tardio e comportamentos pouco saudáveis ​​que podem levar a doenças. Um artigo publicado em junho descobriu que os notívagos tinham maior probabilidade de morrer cedo, principalmente devido aos maus hábitos que desenvolveram quando ficavam acordados até tarde, como beber e fumar.


Um estudo de 2022 determinou que os notívagos eram mais sedentários, tinham níveis de aptidão aeróbica mais baixos e queimavam menos gordura em repouso e enquanto estavam ativos do que os madrugadores.


Os notívagos também eram mais propensos a serem resistentes à insulina, um precursor do diabetes. Os notívagos têm níveis mais elevados de gordura corporal visceral na região abdominal, um fator de risco importante para diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.


“Uma parte significativa do risco de desenvolver diabetes se deve ao estilo de vida”, disse Kianersi. “No entanto, como o cronotipo é moldado tanto pela nossa genética como pelo ambiente, sabemos que os notívagos podem reduzir o risco mantendo um estilo de vida saudável.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page