top of page

Marinha dos EUA não consegue acompanhar China na construção de navios, diz secretário americano

Em Washington, Carlos del Toro disse que Pequim "tenta consistentemente violar a soberania marítima e o bem-estar econômico de outras nações"

A marinha da China tem vantagens significativas sobre sua rival americana, incluindo uma frota maior e ampla capacidade de construção naval, já que Pequim busca projetar seu poder através dos oceanos, disse o chefe da Marinha dos Estados Unidos na terça-feira (21).

Em Washington, o secretário da Marinha dos EUA, Carlos Del Toro, disse que a China “tenta consistentemente violar a soberania marítima e o bem-estar econômico de outras nações, incluindo nossos aliados no Mar da China Meridional e em outros lugares”.


“Eles têm uma frota maior agora, então estão implantando essa frota globalmente”, disse ele, acrescentando que Washington deve atualizar a frota dos EUA em resposta.

“Precisamos de uma Marinha maior, precisamos de mais navios no futuro, navios mais modernos, em particular que possam enfrentar essa ameaça”, disse ele.

A Marinha do Exército de Libertação do Povo da China pode receber até 400 navios nos próximos anos, informou o secretário da Marinha – acima dos 340 atuais.

Enquanto isso, a frota dos EUA tem menos de 300 navios.

De acordo com o Plano de Navegação da Marinha dos EUA, divulgado no verão passado, a meta do Pentágono é ter 350 navios tripulados até 2045 – ainda bem aquém da projeção para a frota chinesa.

Antes que essa meta seja atingida, no entanto, a frota dos EUA deve encolher à medida que as embarcações mais antigas são aposentadas, de acordo com um relatório de novembro do US Congressional Budget Office.

As reivindicações de Del Toro

Del Toro disse na terça-feira que os estaleiros navais dos EUA não conseguem igualar a produção dos chineses. Tal como acontece com o tamanho da frota, trata-se de números.

“Eles têm 13 estaleiros, em alguns casos o estaleiro deles tem mais capacidade – um estaleiro tem mais capacidade do que todos os nossos estaleiros juntos. Isso representa uma ameaça real”, afirmou.

Del Toro não deu detalhes desses estaleiros, mas relatórios chineses e ocidentais dizem que a China tem seis estaleiros principais e dois menores construindo navios navais.

Nos EUA, sete estaleiros produzem navios de grande calado para a Marinha e a Guarda Costeira dos EUA, de acordo com um relatório de outubro de Brent Sadler, do Centro de Defesa Nacional.

Mas não importa o número de estaleiros, eles precisam de trabalhadores, e Del Toro diz que a China tem uma vantagem numérica lá, principalmente porque está livre das restrições, regulamentações e pressões econômicas que afetam o trabalho nos EUA.

Um grande problema dos EUA é encontrar mão de obra qualificada, disse ele.

“[Quando] você tem desemprego abaixo de 4%, torna-se um verdadeiro desafio se você está tentando encontrar trabalhadores para um restaurante ou para um estaleiro”, disse o líder da Marinha.

Ele também disse que a China pode fazer coisas que os EUA não podem.

“Eles são um país comunista, não têm regras a serem cumpridas”, disse ele.

“Eles usam mão de obra escrava na construção de seus navios, não é assim que devemos fazer negócios, mas é o que enfrentamos, então isso representa uma vantagem significativa”, afirmou.

A CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores da China para obter uma reação às alegações de Del Toro.

Vantagens dos EUA

Del Toro não forneceu detalhes para apoiar a alegação de trabalho escravo, e analistas expressaram dúvidas de que Pequim recorreria a tal tática.

“A China tem uma quantidade muito grande de mão de obra disponível e realmente não faria sentido usar trabalho escravo em um setor de alta tecnologia vital para sua segurança nacional”, disse Blake Herzinger, bolsista não residente e especialista em política de defesa do Indo-Pacífico no American Enterprise Institute.

Herzinger disse que comentários como esse do chefe da Marinha são indicativos de um padrão em que a atenção dos EUA é colocada no lugar errado – em detrimento das habilidades dos EUA.

“Infelizmente, parece comum que a liderança da Marinha atire pedras em falhas reais ou imaginárias na construção naval chinesa, em vez de reconhecer as falhas dos EUA ao longo de duas décadas para conceituar, projetar e construir navios para sua própria marinha”, disse Herzinger.

De acordo com um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA de novembro, a Marinha dos EUA tomou medidas para resolver a lacuna com a China, incluindo a atribuição de mais de sua frota ao Pacífico e o uso de navios mais novos e capazes em funções no Pacífico.

E Del Toro disse na terça-feira que os EUA mantêm uma grande vantagem sobre a China – “nosso povo”.

“De muitas maneiras, nossos construtores navais são melhores construtores navais, é por isso que temos uma Marinha mais moderna, mais capaz e mais letal do que eles”, disse ele.

O pessoal militar dos EUA também é melhor em pé, afirmou Del Toro.

“Eles roteirizam seu pessoal para lutar, nós, na verdade, treinamos nosso pessoal para pensar”, disse ele.

“Há uma diferença fundamental em como treinamos nossos fuzileiros navais, nossos marinheiros, nossos soldados, nossos aviadores e nossa Força Espacial neste país que nos dá uma vantagem inerente sobre qualquer coisa que os chineses possam oferecer.”

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização
bottom of page