top of page

“Mão fantasmagórica” na Via Láctea aparece em nova imagem de telescópio

Câmera de Energia Escura capturou imagem da "Mão de Deus", um glóbulo cometa a 1.300 anos-luz da Terra na constelação de Puppis

O que parece ser uma mão fantasmagórica se estendendo pelo universo em direção a uma galáxia espiral indefesa em uma nova imagem de telescópio é um fenômeno cósmico raramente visto, de acordo com astrônomos.


A Câmera de Energia Escura capturou uma imagem impressionante da “Mão de Deus”, um glóbulo cometa a 1.300 anos-luz da Terra na constelação de Puppis. A câmera está montada no telescópio de 4 metros Víctor M. Blanco no Observatório Inter-Americano Cerro Tololo, no Chile.

Os glóbulos cometas são um tipo de glóbulo de Bok, ou nebulosa escura. Essas nuvens cósmicas isoladas são preenchidas com gás e poeira densos, cercados por material quente e energético. Os glóbulos cometas são únicas porque têm caudas estendidas, como as vistas em cometas — mas isso é a única coisa semelhante a cometas nelas.


Ainda não se sabe como os glóbulos cometas surgem em estruturas tão distintas. Historicamente, também tem sido difícil para os cientistas detectarem as nuvens fracas.

A nova imagem do recurso luminoso em forma de mão mostra CG 4, um dos muitos glóbulos cometas encontradas na Via Láctea. A nuvem torcida parece estar se estendendo em direção a uma galáxia espiral conhecida como ESO 257-19 (PGC 21338). Mas a galáxia está a mais de 100 milhões de anos-luz do glóbulo cometa.

CG 4 tem uma cabeça principal empoeirada, que se assemelha a uma mão, com 1,5 anos-luz de diâmetro, e possui uma cauda longa que se estende por 8 anos-luz. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano, o que equivale a 9,46 trilhões de quilômetros.

Uma descoberta celeste surpreendente

Astrônomos descobriram os glóbulos cometas por acaso em 1976 enquanto observavam imagens capturadas pelo Telescópio Schmidt do Reino Unido na Austrália. Esses fenômenos cósmicos são difíceis de detectar porque são incrivelmente fracos, e as caudas dos glóbulos geralmente estão bloqueadas da vista pela poeira estelar.

Mas a Câmera de Energia Escura possui um filtro especial que pode detectar o brilho vermelho incrivelmente fraco emitido pelo hidrogênio ionizado, presente na borda externa e na cabeça de CG 4. O hidrogênio só produz esse brilho vermelho característico após ser atingido por radiação de estrelas quentes e massivas próximas.

Enquanto a radiação estelar permite que o glóbulo cometa seja visível, ela também está destruindo a cabeça do glóbulo ao longo do tempo. No entanto, há gás e poeira suficientes dentro do glóbulo para auxiliar no nascimento de várias estrelas do tamanho do nosso Sol.

Os glóbulos cometas podem ser encontrados em toda a nossa galáxia, mas a maioria está na Nebulosa de Gum, uma nuvem brilhante de gás que se acredita ser os restos em expansão lenta de uma explosão estelar ocorrida há cerca de 1 milhão de anos. A Nebulosa de Gum é considerada conter 31 glóbulos cometas além de CG 4.

Os astrônomos acreditam que há algumas maneiras pelas quais os glóbulos podem adquirir suas distintas formas parecidas com cometas.

Os glóbulos podem ter sido, em algum momento, nebulosas de forma redonda, como a icônica Nebulosa do Anel, que foram perturbadas ao longo do tempo por uma supernova — talvez até mesmo aquela que formou a Nebulosa de Gum.

Mas os fenômenos cósmicos também podem ser resultado dos ventos e da radiação liberados por estrelas quentes e massivas próximas.

Os astrônomos acreditam que as estrelas podem ser a causa subjacente, pois todos os glóbulos cometas encontrados na Nebulosa de Gum têm caudas apontando para longe do centro da nebulosa. E no centro da nebulosa está o remanescente de supernova, bem como um pulsar, ou uma estrela de nêutrons girando rapidamente que se formou quando uma estrela muito maior entrou em colapso e explodiu.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page