top of page

Ex-premiê da China Li Keqiang morre aos 68 anos, sete meses após aposentadoria

Antes visto como um dos principais candidatos à liderança do Partido Comunista, Li, conhecido por ser mais reformista, foi deixado de lado nos últimos anos por Xi Jinping, que aumentou seu controle sobre o poder e conduziu a segunda maior economia do mundo em uma direção mais estatista

O ex-primeiro-ministro chinês Li Keqiang morreu de um ataque cardíaco nesta sexta-feira (27). A morte de Keqiang ocorre sete meses depois de sua aposentadoria do cargo de primeiro-ministro, o qual ocupou durante uma década. Ele tinha 68 anos.


Antes visto como um dos principais candidatos à liderança do Partido Comunista, Li, conhecido por ser mais reformista, foi deixado de lado nos últimos anos pelo presidente da China, Xi Jinping, que aumentou seu controle sobre o poder e conduziu a segunda maior economia do mundo em uma direção mais estatista.


Ele era economista e apoiava uma economia de mercado mais aberta, defendendo reformas do lado da oferta em uma abordagem apelidada de “Likonomics”, que nunca foi totalmente implementada.


No entanto, durante sua atuação como primeiro-ministro, ele teve que se curvar à preferência de Xi por mais controle estatal, e sua antiga base de poder perdeu influência à medida que Xi instalava seus próprios aliados em cargos poderosos.


“Li Keqiang, enquanto descansava em Xangai nos últimos dias, sofreu um súbito ataque cardíaco em 26 de outubro e, depois que todos os esforços para reanimá-lo falharam, morreu em Xangai à meia-noite e dez minutos do dia 27 de outubro”, informou a emissora estatal CCTV.


As mídias sociais chinesas demonstraram respeito a Li Keqiang, com alguns sites do governo ficando em preto e branco em sinal oficial de luto. A plataforma de microblog Weibo transformou seu botão “curtir” em um ícone de “luto” no formato de um crisântemo, flor que na China representa o poder dos imperadores chineses.


Li foi o primeiro-ministro e chefe do gabinete da China sob o comando de Xi por uma década, até deixar todos os cargos políticos em março.


Ao depositar uma coroa de flores em agosto de 2022 em uma estátua de Deng Xiaoping — o líder que trouxe uma reforma transformadora para a economia da China — Li prometeu: “A reforma e a abertura não vão parar. O Yangtze e o Rio Amarelo não reverterão seu curso”.


Os vídeos do discurso, que se tornaram virais, mas foram posteriormente censurados nas mídias sociais chinesas, já que foram amplamente vistos e entendidos como uma crítica codificada às políticas de Xi.


“Li tem sido visto como o representante dos reformistas”, disse Yun Sun, diretor do Stimson Center em Washington. “Mas durante seus 10 anos como premiê, a China viu a regressão de muitas políticas.”


Fim de uma era

Li provocou um debate sobre a pobreza e a desigualdade de renda em 2020, dizendo que 600 milhões de pessoas em uma China cada vez mais rica ganhavam menos de 140 dólares por mês.


Alguns intelectuais chineses e membros da elite liberal expressaram choque e consternação em um canal semiprivado do WeChat com o falecimento de um dos pilares da reforma econômica liberal da China, com alguns dizendo que isso sinalizava o fim de uma era.


“Li provavelmente será lembrado como um defensor do mercado mais livre e dos que não têm nada”, disse Wen-Ti Sung, cientista político da Australian National University. “Mas, acima de tudo, ele será lembrado pelo que poderia ter sido.”


Alfred Wu, professor associado da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, em Cingapura, disse: “Todos esses tipos de pessoas não existem mais na política chinesa”.


Li era menos influente do que seus antecessores imediatos no posto de primeiro-ministro, Zhu Rongji e Wen Jiabao, disse Wu. “Ele foi marginalizado, mas o que mais ele poderia ter feito? Foi muito difícil para ele, com as restrições que enfrentou sob Xi.”


Adam Ni, um analista político independente da China, descreveu Li como “um premiê que ficou impotente enquanto a China se afastava bruscamente da reforma e da abertura”.


Um perfil brilhante de Li na mídia estatal em 2014, que o elogiava como “um destruidor de muros calmo e duro”, tornou-se viral logo após o anúncio de sua morte. O perfil enfatizava seu trabalho árduo e sua tenacidade na promoção de reformas econômicas.


As frequentes visitas de Li a locais de desastres e sua fácil abordagem a pessoas comuns também foram destacadas na mídia estatal chinesa.


Alguns usuários de mídia social mencionaram uma música chamada “Sorry it wasn’t you” (lamento que não tenha sido você), uma referência velada a Xi. A música se tornou viral na época da morte do ex-presidente Jiang Zemin, em novembro do ano passado, antes de ser censurada.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br



2 visualizações0 comentário

Yorumlar


bottom of page