top of page

Ex-advogados de Trump se entregam à polícia pelo caso da subversão eleitoral na Geórgia

Rudy Giuliani e Sidney Powell aceitaram pagar fianças de US$ 150 mil e US$ 100 mil para responder em liberdade


Dois dos principais advogados eleitorais de Donald Trump, Rudy Giuliani e Sidney Powell, se entregaram à polícia nesta quarta-feira (23) pelas acusações no caso de subversão eleitoral no estado da Geórgia, nos Estados Unidos.

Powell e Giuliani estão entre os envolvidos no suposto esquema para anular os resultados das eleições de 2020 na Geórgia.

Kenneth Chesebro, quem arquitetou na campanha de Trump a trama de que havia eleitores falsos, também se rendeu.

A cena de Giuliani, ex-presidente da Câmara de Nova York e notável ex-procurador federal, a entrar na prisão do condado de Fulton é um momento marcante do caso no qual Trump é investigado por ações par anular sua derrota eleitoral para Joe Biden em 2020.

Um dos advogados mais sinceros de Trump em 2020, Giuliani foi acusado de 13 crimes, incluindo violar a lei de extorsão do estado, envolver-se em várias conspirações criminosas e solicitar a um funcionário público do estado que violasse o seu juramento.

Giuliani concordou em pagar uma fiança de US$ 150 mil depois de voar para Atlanta, na Geórgia, nesta quarta-feira. Powell concordou em pagar US$ 100 mil.

O ex-presidente Donald Trump deve se entregar na quinta-feira (24) após concordar com uma fiança de US$ 200 mil. Ele deixará seu clube de golfe de Bedminster à tarde e retornará a Nova Jersey após sua rendição.

Não há eventos esperados em seu clube após seu retorno. A equipe de Trump também tem feito preparativos para que ele fale com os repórteres que viajarem com ele para a Geórgia, disseram fontes, embora o ex-presidente possa, em último caso, optar por não fazê-lo.

A promotora distrital do condado de Fulton, Fani Willis, acusou Trump e outras 18 pessoas de participarem de esquemas para interferir nos resultados eleitorais da Geórgia.

Espera-se que todos os 19 réus se rendam antes do prazo de sexta-feira (25) estabelecido por Willis no momento em que ela revelou a acusação abrangente, na semana passada, sobre as tentativas de reverter a derrota de Trump nas eleições de 2020 para Joe Biden.

Willis continua se reunindo com os réus e negociando os termos de um contrato de fiança.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page