top of page

Entenda por que a raiva é um sentimento importante para os humanos

Reprimir esse sentimento pode ser prejudicial à saúde e causar problemas no futuro; é preciso diferenciar raiva da violência e ódio


Violento, cruel e colérico. Essas são algumas das palavras que associamos à raiva e que não são agradáveis nas relações humanas.


“A raiva é um tipo particular de estado emocional que pode receber muitos julgamentos de nós mesmos e de outras pessoas”, analisa a Dra. Brett Ford, professora associada de psicologia na Universidade de Toronto, no Canadá.


Pode ser uma emoção desagradável de experimentar e pode ser culturalmente desencorajada, mas precisamos da raiva, acrescentou ela.


“Acho que o entendimento da raiva ser considerada ruim é, na verdade, um dos maiores impedimentos ao nosso processamento emocional”, apontou Jaime Mahler, terapeuta e especialista em traumas baseado em Nova York.


“Você está pegando uma emoção muito útil, esmagando-a e reprimindo-a, e dizendo que isso não importa.” As evidências sugerem que os grupos minoritários e as mulheres enfrentam uma pressão cultural particular para conter a sua raiva, disse Ford.


As emoções tendem a ter expectativas sociais, ou roteiros, comentou ela. “E a raiva tende a ter roteiros e normas bastante poderosos e proibitivos”, acrescentou Ford.

Embora muitas pessoas possam sentir necessidade de resistir ou esconder a sua raiva, estes especialistas em saúde mental defendem o contrário.


A raiva, dizem eles, é uma ferramenta importante que deveríamos aprender a manejar de maneira gentil, saudável e produtiva.


E por mais desagradável que seja, as consequências de negar isso podem ser piores, alerta Deborah Ashway, conselheira clínica de saúde mental licenciada com sede em New Bern, Carolina do Norte.


“Se você cresceu aprendendo que não tem permissão para expressar raiva, depois de um tempo, ela te afeta de forma inquestionável”, comentou Ashway. “E isso se transforma em culpa.”


A raiva pode informar e proteger você

A raiva não é só desgraça e tristeza. “Nossas emoções são a orientação mais elevada que temos disponível para nós”, explica Ashway. “A raiva surge como um aviso. Tipo, ‘algo está acontecendo aqui’”.


Essa onda de raiva pode alertar-nos para uma violação dos nossos valores, uma sensação de perigo ou uma sensação de negligência, acrescentou ela.


E acrescente a isso que “a raiva é uma emoção protetora”, aponta Mahler, autor de “Recuperação de relacionamento tóxico: seu guia para identificar parceiros tóxicos, deixar dinâmicas prejudiciais à saúde e curar feridas emocionais após um rompimento”.


Quando expressa de forma construtiva, a raiva pode levar as pessoas a defender as suas necessidades e opiniões para garantir que serão atendidas, segundo Ashway.


“Isso nos ajuda a estabelecer limites. Ajuda na autopreservação. Isso nos ajuda a ser assertivos e defender a nós mesmos. Ajuda na resolução de conflitos, se for gerido de forma adequada”, acrescentou.


Esse impulso também pode nos levar a agir em relação às coisas que nos deixam zangados, seja ter uma conversa difícil com um amigo ou tomar medidas políticas, defende Ford.


“Se algo está atrapalhando e precisamos superar algum tipo de obstáculo, a raiva pode ajudar a nos motivar para fazer isso”, disse ela.


Quando não é mais apenas raiva

Mas e a malícia e a violência? Isso geralmente está ligado à raiva – e não é a raiva, necessariamente, elucida Ashway. E sim, são conceitos diferentes.


“A violência é ruim. Perfurar paredes é ruim. Jogar latas de lixo é ruim”, acrescentou Mahler. Mas, nesses casos, “estamos falando sobre o resultado da raiva não processada, e não sobre a raiva em si”.


A violência, segundo Ashway, é uma atitude ligada à raiva, “mas uma raiva antiga e não processada. É uma atitude que não serve mais a um propósito saudável. É mais destrutivo”.


Se estiver com raiva, você pode dar um passo atrás, obter informações e fazer uma escolha com base em suas emoções. Mas as pessoas enfurecidas e violentas já não controlam as suas emoções, alertou Ashway.


“Você não pode realmente chegar a esse nível de expressão emocional, a menos que sua raiva não tenha sido processada por muito tempo”, explica Mahler. “A raiva processada pode levar à cura, mas a raiva não processada pode levar à violência.”


Como processar sua raiva?

Há evidências de que a raiva intensa e crônica pode levar a problemas de saúde física e mental, adverte Ford. Isso significa que ruminar ou deixar a raiva crescer pode ser contraproducente.


“(As emoções) na verdade, não foram feitas para durar muito. O objetivo delas é nos ajudar a gerenciar um momento específico em nosso ambiente”, relembra.

É por isso que é ainda mais importante manter o sentimento e processá-lo completamente, disse Ford.


Mas isso nem sempre é possível em momentos de raiva, defende Mahler. Ela comparou isso a alguém tendo um ataque de pânico em vez de ansiedade.


“Você realmente não pode racionalizar alguém por causa do pânico, você apenas precisa acalmar seu corpo. O mesmo acontece com a raiva. Você só precisa acalmar o corpo deles e levá-los a um melhor estado de consciência.”


A partir daí, você pode começar a processar a emoção.


Comece deixando ela entrar e refletindo sobre ela, elencou Ashway. Em vez de deixá-la pressurizar até explodir, reconheça seu sentimento sem julgamento e observe, acrescentou Mahler. Mesmo que isso signifique definir um cronômetro de 5 minutos para o período em que você se permitirá sentir raiva.


“Então a próxima etapa é tentar entender por que a raiva apareceu naquela situação específica”, disse.


“O que pode estar impedindo sua energia ou pensamentos? Do que você está se protegendo? O que você precisa que não está sendo atendido?”, são perguntas que Ashway deseja que as pessoas façam ao observar sua raiva.


“E então, uma vez que você esteja ciente disso, você estará no controle. Isso não vai mais controlar você”, apontou ela, acrescentando que esse é o lugar a partir do qual você pode decidir como seguir em frente.


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page