top of page

Desenhos próximos a pegadas fossilizadas no Brasil indicam consciência dos indígenas sobre dinossauros

Formas geométricas misteriosas foram encontradas no sítio Serrote do Letreiro, na Paraíba; as pegadas pertencem a répteis do Período Cretáceo, encerrado há 66 milhões de anos

Humanos pré-históricos no Brasil esculpiram desenhos na rocha ao lado de pegadas de dinossauros, sugerindo que eles podem tê-los considerado significativos ou interessantes, descobriu um novo estudo.

Playvolume00:00/01:00TruvidfullScreen

As gravuras rupestres, que os arqueólogos chamam de petróglifos, estão em um sítio chamado Serrote do Letreiro, na Paraíba, um estado agrícola no extremo leste do Brasil.

Os investigadores observaram as marcas pela primeira vez em 1975. Mas agora são interpretadas como relacionadas com as pegadas, na sequência de recentes pesquisas de campo auxiliadas por drones, que descobriram esculturas nunca vistas.

As pegadas pertencem a dinossauros do Período Cretáceo, encerrado há 66 milhões de anos.

“As pessoas geralmente pensam que os povos indígenas não conheciam o que os cercava ou não tinham qualquer tipo de espírito científico, ou curiosidade”, disse o coautor do estudo Leonardo Troiano, arqueólogo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Brasília.

PUBLICIDADE

“Mas isso não é verdade. É muito claro que eles estavam interessados ​​nas pegadas. Nunca saberemos se eles sabiam sobre os dinossauros, mas está claro que eles estavam curiosos sobre as pegadas e pensaram que eram significativas de alguma forma.”

Os petróglifos do Serrote do Letreiro não são os primeiros exemplos de arte rupestre encontrados perto de pegadas de dinossauros, mas os autores do estudo disseram acreditar que a clareza sem precedentes da associação entre os dois neste local em particular pode ter implicações significativas em toda a paleontologia, estudos de arqueologia e patrimônio cultural.

Formas geométricas

Não está claro há quanto tempo os petróglifos foram feitos. Mas o estudo – publicado em março na revista Scientific Reports – observa que a datação por radiocarbono descobriu que os cemitérios na área têm entre 9.400 e 2.620 anos, sugerindo que as tribos que os deixaram devem ter vivido naquela época.

“Essas pessoas provavelmente viviam em pequenas comunidades, utilizando abrigos rochosos naturais que são muito abundantes na área”, disse Troiano.

“Essa região do Brasil é como o Outback [regiões predominantemente áridas] da Austrália: faz muito calor e não tem sombra, então não é fácil ficar ali e esculpir a rocha. Requer muito esforço, por isso, quando escolheram este local, foram muito intencionais”, acrescentou. “Eles poderiam ter usado tantos outros afloramentos rochosos nas redondezas, mas escolheram este.”

Os desenhos têm estilos variados, sugerindo que vários artistas podem ter participado deles. Alguns têm formas que lembram plantas, enquanto outros lembram formas geométricas, incluindo quadrados, retângulos e círculos. Os círculos têm cruzes ou linhas dentro deles, que podem parecer estrelas, disse Troiano.

No entanto, o que essas marcações significam permanece um mistério.

“Todos eles parecem abstratos e se representaram algo para as pessoas que os criaram, não sabemos o que é”, disse ele.

As pegadas do Serrote do Letreiro pertencem a três tipos de dinossauros: terópodes, saurópodes e ornitópodes.

Os pesquisadores suspeitam que as pessoas que esculpiram a rocha podem ter confundido algumas delas com pegadas de emas – grandes pássaros nativos semelhantes aos avestruzes, que têm pegadas que parecem quase idênticas às dos dinossauros terópodes.

É mais difícil imaginar o que os povos pré-históricos poderiam ter pensado das pegadas dos saurópodes, deixadas por alguns dos maiores dinossauros herbívoros que já existiram e, portanto, diferentes de qualquer animal que lhes fosse familiar.

Provavelmente por esta razão, uma associação intencional entre os desenhos e estas impressões específicas é menos clara, observou o estudo.

Rituais de dinossauros

Troiano disse acreditar que as marcas podem ter sido deixadas durante reuniões comunitárias.

“Acho que a criação de arte rupestre estava inserida em algum tipo de contexto ritual: pessoas se reunindo e criando algo, talvez utilizando alguns psicotrópicos. Temos uma planta chamada jurema, que é alucinógena e é usada até hoje”, disse.

“Podemos especular que as pessoas também o usavam no passado porque é muito abundante e comum na região. Acho que eles estavam interessados ​​no que as pegadas representam e suponho que as identificaram como pegadas. Eles perceberam que não era aleatório.”

Existem outros locais, disse Troiano, com pinturas rupestres nas proximidades de pegadas de dinossauros – nos Estados Unidos e na Polônia – mas não apresentam “nem de longe o mesmo nível de intencionalidade”, disse ele.

A intencionalidade é definida não apenas pela proximidade dos desenhos com as impressões, mas também pelo fato de eles se sobreporem ou não a elas. Se eles não se sobrepõem, isso sugere “consideração” por parte dos autores, sugere o estudo.

Troiano acrescentou que está trabalhando em um acompanhamento que irá aprofundar a interpretação e a análise dos petróglifos do Serrote do Letreiro, com base nas conclusões do presente estudo.

A associação direta dos desenhos com pegadas fósseis de dinossauros é única e pode lançar mais luz sobre a importância, o significado e o significado da arte rupestre, de acordo com Radosław Palonka, professor associado de arqueologia na Universidade Jagiellonian em Cracóvia, Polônia, que trabalhou em estudos semelhantes sobre petróglifos, mas não esteve envolvido no estudo.

“O fato de os locais dos painéis de arte rupestre terem sido escolhidos especificamente é demonstrado, entre outros, pelo fato de representantes das comunidades que criaram pinturas rupestres ou petróglifos muitas vezes os colocarem muito perto de imagens mais antigas deixadas por outras culturas”, disse Palonka por e-mail.

“Este foi o caso em várias partes do mundo onde a arte rupestre foi praticada, e é muito claramente visível, entre outros, no Sudoeste Norte-Americano/Sudoeste dos EUA, onde se concentram os meus interesses científicos.”

Jan Simek, um ilustre professor de antropologia da Universidade do Tennessee, em Knoxville, nos EUA, concorda.

“O artigo fornece um novo exemplo interessante de como os povos antigos observaram e incorporaram fósseis na paisagem nas suas experiências e interpretações religiosas”, disse Simek, que também não esteve envolvido no novo estudo dos petróglifos.

“A historiadora da ciência [da Universidade de Stanford], Adrienne Mayor, mostrou como os antigos gregos e romanos viam os fósseis como evidências de gigantes e monstros de suas próprias mitologias e como os povos indígenas norte-americanos viam suas narrativas de origem nos fósseis que observavam espalhados por suas paisagens”, disse Simek por e-mail.

“O caso do Brasil é outro exemplo arqueológico dessa tendência muito humana de vincular o mundo espiritual criado na imaginação a coisas inexplicáveis ​​no mundo que nos rodeia.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização0 comentário

Commentaires


bottom of page