top of page

Desemprego entre recém-formados: os desafios de conseguir uma vaga na área de formação

Ao ingressar no Ensino Superior, provavelmente o momento que passa a ser o mais esperado é o de vestir a beca, receber o diploma em mãos e finalmente exercer a profissão escolhida no mercado de trabalho. Só que, infelizmente, nem sempre é o que acontece. Ou, pelo menos, não de forma tão rápida.

Segundo dados levantados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no primeiro semestre de 2020 cerca de 27% dos jovens com idade entre 18 e 24 anos estavam desempregados. Esse número aumentou em comparação com o trimestre anterior, quando a porcentagem de pessoas dessa faixa etária desempregadas chegou a 23,8%. Essa faixa etária é justamente a que concentra o maior número de universitários em cursos presenciais, conforme apontou o Mapa do Ensino Superior de 2020 do Semesp. Um outro estudo feito pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) revelou que, especificamente entre os recém-formados, a taxa de desemprego foi de aproximadamente 45% entre os anos de 2014 a 2018. Para Kerullen Pimenta de Sá, gerente de serviço e qualidade da empresa de consultoria de RH Adecco, isso ocorre pois “as empresas ainda priorizam profissionais com experiência em sua área de atuação, e isso dificulta a entrada dos recém-formados em suas empresas e no mercado de trabalho. Algumas companhias já possuem programas voltados para este público, mas a quantidade de vagas disponível ainda é pequena quando comparada à quantidade de recém-formados, e acaba não gerando oportunidades para todos”, explica. Trata-se de um momento muito delicado na vida do jovem profissional, de acordo com a psicóloga, consultora de carreira e membra da diretoria da Associação Brasileira de Orientação Profissional (ABOP), Daniela Boucinha. Nesse contexto, conversar com profissionais que já atuam na área de interesse é uma alternativa. "Isso auxilia bastante tanto na preparação para a inserção, mas também como uma forma de diminuir alguns anseios. Também conversar com professores, família e, nas universidades que ofertam, buscar serviços de aconselhamento de carreira que auxilia na transição da universidade para o mercado de trabalho, não apenas no sentido de estratégias de inserção, mas também de suporte", recomenda a psicóloga. O avanço do Ensino Superior De fato, o número de alunos e egressos de cursos de graduação é significativo. Em 2018, foram mais de oito milhões de matrículas e mais de um milhão de concluintes. As informações são do último Censo da Educação Superior, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Aplicadas Anísio Teixeira (Inep). Como a oferta de profissionais é grande em determinados setores, adquirir experiência durante a formação pode ser um diferencial. “Se não for possível estagiar ou adquirir uma experiência mais prática em sua área, foque em atividades extracurriculares, pesquise sobre habilidades que sua área tem demandado e invista em seus aperfeiçoamentos. O importante é não desanimar”, aconselha Laís Vasconcelos, especialista em recrutamento da Robert Half. Para os recém-formados, a especialista deixa a seguinte sugestão. “Independente da idade, é importante que os profissionais se atentem às habilidades técnicas e comportamentais que o mercado em que desejam ingressar exige. Um próximo passo seria buscar formas de aperfeiçoar a qualificação”, conta.

Persistir na área de formação x Arriscar em algo diferente A demora em conseguir um emprego na área de formação pode fazer com que o recém-formado tenha dúvidas até que ponto vale a pena permanecer com as tentativas de ingresso em sua área. Vasconcelos acredita que o ideal é buscar oportunidades dentro da própria área, pois a tendência é que seja mais fácil conseguir um emprego no setor em que se tem experiência. “Antes de ingressar em outras áreas, o ideal é tentar entender o que falta em termos de qualificação, para que o profissional seja desejado pelas empresas, sem deixar de lado o aprimoramento constante”, argumenta.

Já a gerente Kerullen de Sá argumenta que ao optar por trabalhar em outra área outras oportunidades podem surgir dentro da empresa, como uma movimentação profissional para a área de formação.“Outro ponto é que o profissional já ganhará alguma experiência e que, mesmo que não seja na sua área, estará desenvolvendo conhecimentos e habilidades para o mercado de trabalho”. Porém, ela deixa claro que é extremamente importante não se acomodar em uma área que não seja sua, para não perder o foco profissional. A psicóloga e consultora de carreira não deixa de lado a importância de apostar em autoconhecimento para ter mais clareza sobre interesses, valores e projetos profissionais. Em sua pesquisa de mestrado sobre empregabilidade, os resultados apontaram que "a clareza sobre os próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos, aumenta as chances de inserção e permanência no mercado de trabalho. Quanto mais as pessoas se conhecem e têm clareza quanto ao que desejam construir em sua trajetória profissional, mais fácil se torna a sua inserção profissional", esclarece Boucinha. Qual é o impacto da pandemia nesse cenário? Com o aumento do desemprego em todas as regiões do País no primeiro trimestre de 2020, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é difícil imaginar um contexto em que os recém-formados não sejam afetados. Ao ser questionada sobre as mudanças no mercado de trabalho no período pós pandemia, Vasconcelos cita as entrevistas de emprego. “A pergunta mais frequente em entrevistas de emprego será sobre o que os profissionais fizeram no período. Aqueles que tiverem conseguido aproveitar o momento para desfrutar dos cursos que foram disponibilizados gratuitamente e demonstrarem que conseguiram realizar algum aperfeiçoamento terão vantagem”, informa a especialista em recrutamento, Laís Vasconcelos. A gerente da Adecco, Kerullen de Sá, deixou algumas dicas para se destacar no mercado de trabalho. Confira:

  • Investir em networking é fundamental, ou seja, ter uma lista de contatos;

  • Participar de fóruns;

  • Conhecer grupos e profissionais da área e manter um relacionamento próximo com eles;

  • Ter um currículo com informações claras e destaque para os principais projetos e cursos realizados durante toda a formação;

  • Se planejar para saber o que procura e identificar empresas que se adequam ao seu perfil.

Além das dicas citadas cima, é preciso ficar atento à outra exigência do mercado, observada por Boucinha. "Hoje o mercado exige profissionais mais protagonistas da própria trajetória, ou seja, que não esperem mais pelas empresas ditarem a regra do jogo. Os profissionais devem constantemente olhar para a sua carreira, planejar e reajustar a rota sempre que necessário. É momento de investir em autoconhecimento, planejamento e adaptabilidade", orienta.

0 visualização
bottom of page