top of page

Como distúrbio raro de sono levou à detecção de sinal precoce de Parkinson

O diagnóstico de transtorno comportamental do sono REM (ou TCSR) ajudou cientistas a detectarem os sinais precocres de dois tipos de demência

Donald Dorff conseguia ouvir a multidão rugindo enquanto ele agarrava o passe do quarterback no ar e corria em direção à linha de gol.


“Havia um tackle de 280 libras esperando por mim, então decidi dar-lhe meu ombro”, disse o homem de 67 anos à revista National Geographic em 1987.

“Quando recuperei a consciência, estava no chão do meu quarto”, disse Dorff. “Eu tinha me chocado contra a cômoda e derrubado tudo dela, quebrado o espelho e feito uma baita bagunça. Eram 1:30 da manhã.”

 

Como um sonho de um aposentado fabricante de mantimentos de Golden Valley, Minnesota, tornou-se digno de um perfil em uma conhecida revista nacional?


Cinco anos antes, Dorff havia se tornado o primeiro paciente diagnosticado com uma doença incomum chamada transtorno comportamental do sono REM, ou TCSR.

Há mais. O caso de Dorff também lançou os pesquisadores em uma jornada que descobriu um dos primeiros sinais de duas doenças devastadoras: Parkinson e uma forma única de demência chamada “demência com corpos de Lewy”.


Sintomas incluem gritos, chutes e socos

A descoberta do TCSR foi feita em 1982, quando Dorff, após anos de “pesadelos violentos em movimento”, tornou-se paciente do psiquiatra e especialista em sono Carlos Schenck, então trabalhando no Centro Regional de Distúrbios do Sono de Minnesota, em Minneapolis, nos Estados Unidos.


“Durante o sono de movimentos rápidos dos olhos, ou sono REM, o cérebro basicamente paralisa o corpo para que não possamos agir nossos sonhos”, disse Schenck, agora professor e psiquiatra sênior do Hennepin County Medical Center da Universidade de Minnesota, à CNN recentemente.

“Mas Dorff conseguia se levantar e se machucar enquanto sonhava, um comportamento muito estranho. Ficamos nos coçando a cabeça sobre isso”, ele disse. “Então o colocamos em um laboratório do sono, e eis que todos os seus comportamentos físicos surgiam durante o sono REM, o que nunca havia sido relatado antes.”

Mais pacientes com o distúrbio incomum foram identificados, muitos exibindo um conjunto perturbador de sintomas violentos, diz Schenck.


Um paciente de 70 anos, descrito por sua esposa como tendo uma natureza gentil durante o dia, costumava socá-la e chutá-la até cinco vezes por noite, segundo Schenck. Em uma ocasião, ele tentou estrangular sua esposa enquanto sonhava que estava lutando contra um urso feroz.

Outro paciente, também de 70 anos, sonhou que tinha acabado de derrubar um cervo e que ia quebrar seu pescoço. Na realidade, era o pescoço de sua esposa, o que ele descobriu ao acordar. (Ela parou de dormir na mesma cama.)

Em 1986, Schenck e sua equipe publicaram seu primeiro artigo sobre o recém-descoberto distúrbio do sono.


À medida que acompanhava os pacientes ao longo dos anos, no entanto, Schenck descobriu algo mais perturbador — o comportamento poderia ser um “canário na mina” para a neurodegeneração futura.

“Perder a paralisia do sono REM, que é a base do TCSR, é o preditor mais precoce e forte de um diagnóstico futuro de doença de Parkinson e demência com corpos de Lewy”, diz Schenck.


O TCSR pode afetar mulheres também

A demência com corpos de Lewy pode se referir a dois tipos diferentes de demência: demência da doença de Parkinson e demência com corpos de Lewy, que ambos afetam a cognição.

A doença de Parkinson, no entanto, é um distúrbio de progressão lenta que inibe o controle muscular, o equilíbrio e o movimento — embora cerca de 4 em cada 5 pessoas com Parkinson acabem desenvolvendo demência, segundo a Johns Hopkins Medicine.


Em ambos os casos de Parkinson e nas duas demências, células dentro e ao redor do tronco em forma de haste na base do cérebro começam a morrer. Além de controlar a respiração, deglutição, frequência cardíaca e movimentos dos olhos e do rosto, o tronco cerebral também controla o ciclo sono-vigília.

Os danos precoces ao tronco cerebral causados pela doença de Parkinson podem interferir na capacidade inata do corpo de paralisar os músculos enquanto sonha, permitindo assim que o corpo se sente, grite, agite-se ou, de outra forma, atue durante um sonho.


Alucinações, que são comuns na doença de Parkinson, também podem ocorrer, de acordo com estudos de caso. Um homem de 67 anos via figuras encapuzadas ou com mantos sem rosto ou animais enquanto estava acordado durante a noite. As imagens desapareciam quando o homem acendia a luz ou se levantava para investigar.

Esses comportamentos noturnos podem frequentemente ser controlados com medicação, incluindo altas doses de melatonina ou o medicamento clonazepam, que interrompe convulsões e relaxa músculos tensos, diz Schenck.


“Qualquer um dos dois sozinho ou ambos em combinação funciona de 80% a 90% das vezes, e há uma longa lista de tratamentos alternativos,” afirma o especialista, que publicou pela primeira vez a conexão entre TCSR e Parkinson em fevereiro de 1996.

“Nós conhecemos muito bem o mecanismo do TCSR e sabemos como tratá-lo,” diz ele. “O próximo passo é retardar ou interromper a progressão para a doença de Parkinson e a demência com corpos de Lewy.”

A princípio, os pesquisadores acreditavam que o TCSR afetava apenas homens, mas depois perceberam que as mulheres são igualmente impactadas.


“Tantas mulheres têm esse problema, mas como é muito mais leve e não causa ferimentos com tanta frequência, elas frequentemente não procuram ajuda”, afirma. “No entanto, elas perderam a paralisia muscular no sono REM e estão tão em risco de desenvolver a doença de Parkinson no futuro quanto os homens.”

Um ensaio clínico está em andamento em nove centros médicos nos Estados Unidos, afirma Schenck. Chamado de North American Prodromal Synucleinopathy Consortium, a pesquisa espera identificar tratamentos potenciais para o transtorno comportamental do sono REM e retardar sua progressão para Parkinson e demência.


Procure tratamento médico se sonhos violentos começarem

Quando criança, Donald Dorff dividia um quarto com três irmãos e nunca apresentou sinais de distúrbio do sono. Na noite de seu casamento, no entanto, ele assustou sua nova esposa com conversas altas, gemidos, ranger de dentes e pequenos movimentos, segundo o estudo de caso de Schenck.


Cerca de 41 anos depois, ele começou a ter sonhos vívidos e violentos que ele representava. Em um sonho, ele estava andando de motocicleta quando outro motociclista tentou colidir com ele.

“Decidi que ia chutar a moto dele e, nesse momento, minha esposa me acordou e disse: ‘O que, em nome do céu, você está fazendo comigo?’ porque eu estava chutando ela com força,” Dorff contou a Schenck durante o tratamento.

Em outro sonho, Dorff estava sob ataque de um homem com um rifle e se preparava para revidar quando de repente acordou. “Eu estava ajoelhado ao lado da cama com os braços estendidos como se estivesse segurando o rifle e pronto para atirar.”


Uma noite, Dorff se jogou contra uma cômoda e se cortou, disse Schenck. Foi então que ele encontrou a clínica de Schenck e foi lá para tratamento.

Enquanto algumas pessoas com TCSR desenvolvem Parkinson completo rapidamente, Dorff não foi uma delas. Ele morreu de câncer de próstata, diz Schenck, e conseguiu controlar seu comportamento noturno violento até sua morte, desde que continuasse tomando a medicação.

O caso de Dorff ajudou os médicos a descobrir uma chave precoce para dois distúrbios devastadores, permitindo um diagnóstico e tratamento mais cedo.


“Se você nunca foi sonâmbulo ou falador durante o sono ao longo da vida e, de repente, após os 50 anos, começa a falar mais alto e com mais frequência, você realmente deve ser avaliado pelo seu médico de cuidados primários,” disse Schenck.

“Seu médico deve considerar uma avaliação neurológica porque isso pode ser o primeiro sinal de um distúrbio neurodegenerativo.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização0 comentário

コメント


bottom of page