top of page

Cientistas lutam para entender variante de coronavírus altamente mutante detectada em 4 países

O surgimento da BA.2.86, atualmente estudada em laboratório, é comparável com o da Ômicron, de acordo com pesquisadores

Uma nova variante altamente mutante do vírus que causa a Covid-19 deixou os países em alerta enquanto cientistas lutam para entender até onde ela se espalhou e quão efetiva será a resposta da imunidade do corpo humano.


A nova variante, chamada BA.2.86 e apelidada de “Pirola” por caçadores de variantes nas redes sociais, tem mais de 30 alterações de aminoácidos em sua proteína spike em comparação com seu próximo ancestral mais próximo, a subvariante BA.2 da Ômicron, de acordo com Jesse Bloom, que estuda a evolução viral no Fred Hutchinson Cancer Center em Seattle, nos EUA.


“Isso o torna um salto evolutivo comparável em tamanho ao que originalmente deu origem à Ômicron”, postou Bloom no site de seu laboratório.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) enquadrou BA.2.86 como uma “variante sob monitoramento” na quinta-feira (17), uma designação que incentiva os países a rastrear e relatar as sequências que encontrarem.


Uma variante sob monitoramento que causa doença mais grave ou é resistente a vacinas ou tratamentos existentes pode ser atualizada para a lista de variantes de interesse ou variantes de preocupação da OMS.

XBB.1.5, XBB.1.16 e EG.5 são listados como variantes de interesse. A OMS não designou nenhuma variante preocupante.


Apenas seis sequências de BA.2.86 foram relatadas em quatro países, mas os epidemiologistas estão preocupados com a possibilidade de que elas possam representar muito mais porque o monitoramento mundial de variantes caiu.


A variante foi detectada por cientistas em Israel no domingo (13). Desde então, a Dinamarca relatou três sequências. Mais duas sequências foram relatadas nos Estados Unidos e no Reino Unido, respectivamente.


“É incomum que a corona mude tão significativamente e desenvolva 30 novas mutações. A última vez que vimos uma mudança tão grande foi quando a Ômicron apareceu”, disse Morten Rasmussen, pesquisador sênior do Statens Serum Institut (SSI), em um comunicado à imprensa sobre a variante.


Os três casos na Dinamarca são de pessoas em diferentes partes do país que parecem não ter tido contato entre si, segundo o instituto.


Os cientistas do SSI enfatizaram que ainda é muito cedo para dizer qualquer coisa sobre a gravidade ou o contágio da nova variante. Eles estão desenvolvendo a variante do vírus para testá-la contra anticorpos humanos.


Mandy Cohen, diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, disse na sexta-feira (18) que a nova variante não deveria ser motivo de alarme.


“Acho que o que estamos vendo é que nossos mecanismos de detecção que implementamos estão funcionando, certo?” ela disse à CNN. “Estamos mais preparados do que nunca para detectar e responder às mudanças no vírus Covid-19.”


“Estamos rastreando essa nova linhagem. Tem mutações que a distinguem das outras linhagens em circulação. E então a pergunta se torna esta: o que isso significa?” Cohen disse. “Vai aumentar? Vamos ver mais casos? Ou vai fracassar e não ser uma variante de preocupação?”


Em uma nova avaliação de ameaça na sexta-feira, a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido (UKHSA) disse que o fato de essas sequências estarem em quatro países diferentes em pessoas sem histórico de viagens recentes “sugere que há transmissão internacional estabelecida”.


As sequências encontradas são muito semelhantes entre si, o que pode indicar que surgiram recentemente e estão se espalhando rapidamente, diz o relatório, embora a UKHSA observe que tem baixa confiança nessa avaliação até que mais sequências estejam disponíveis.


Pesquisadores da Universidade de Michigan, o laboratório que encontrou a sequência dos EUA, não deram informações sobre o paciente de onde a nova variante veio, dizendo que o caso estava sendo investigado pelo departamento de saúde do estado.


Em março, a Casa Branca entrevistou de forma sigilosa cerca de uma dúzia de especialistas em Covid-19 que acompanham a evolução do coronavírus para perguntar sobre a probabilidade de uma variante altamente mutante surgir nos próximos dois anos. A maioria dos especialistas calculou as chances de isso acontecer entre 10% e 20%.


O descendente XBB EG.5 é atualmente a variante dominante nos EUA, causando cerca de 20% de todos os novos casos de Covid-19 neste país. A próxima variante mais comum, FL.1.5.1, cresceu rapidamente e agora está causando cerca de 13% de todos os novos casos, de acordo com o rastreador de variantes do CDC .


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br




1 visualização0 comentário

Kommentare


bottom of page