top of page

Cientistas explicam porque não é possível interromper um furacão

Muitas hipóteses já foram sugeridas com o intuito de modificar o funcionamento dos furacões, porém nenhuma prosperou


Chegamos à Lua, clonamos seres vivos e criamos uma vacina contra um vírus mortal em tempo recorde. As descobertas científicas ultrapassaram a ficção repetidas vezes, mas há um fenômeno que os humanos não conseguem vencer: os furacões.

É esperado que o furacão Idalia se intensifique à medida que se dirige à Flórida, onde as autoridades ordenaram às pessoas que evacuassem suas casas, antes da chegada do furacão ao longo da Costa do Golfo, prevista para esta quarta-feira (30).

A cada temporada, o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) recebe entre três e quatro dezenas de e-mails de pessoas preocupadas com a ferocidade desses eventos climáticos, disse Dennis Feltgen à CNN em 2019, membro da área de Assuntos Públicos da instituição.

Uma das perguntas é porque não se pode atacar furacões com uma bomba nuclear. A resposta do NHC é clara: não funcionará.

Feltgen e sua equipe listam todas as razões pelas quais as táticas típicas de “modificação de furacão” não funcionam. Todos voltam ao mesmo ponto: os furacões são muito maiores e mais poderosos do que a maioria das pessoas pode imaginar, e a energia que transportam é “imensa em termos de experiência humana”.

“Por mais cuidadosamente fundamentadas que sejam algumas destas sugestões, todas partilham a mesma deficiência: não apreciam o tamanho e a potência dos ciclones tropicais”.

O NHC também mantém uma página inteira de perguntas frequentes sobre furacões que detalha mais sobre por que lançar bombas sobre tempestades não as diminuiria e poderia criar ainda mais problemas.

“Além do fato de que isto pode nem perturbar a tempestade, esta abordagem negligencia o problema de que a precipitação radioativa libertada se moveria suficientemente rápido com os ventos alísios para afetar áreas terrestres e causar problemas ambientais devastadores”, começa a explicação. “Nem é preciso dizer que não é uma boa ideia.”


Há mais de uma sugestão para tentar parar um furacão

A opção nuclear não é a única que as pessoas sugerem.

A divisão de investigação de furacões da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) mantém uma lista abrangente de métodos desacreditados, como semear tempestades com iodeto de prata ou partículas hidroscópicas, ou colocar coisas na superfície do oceano para evitar a evaporação, e arrefecer a superfície da água com icebergs.

Uma gama tão ampla de propostas de prevenção de tempestades é uma prova da preocupação e do engenho das pessoas, embora não necessariamente da sua perspicácia científica.


Houve um tempo

No entanto, os cientistas já estiveram unidos na ideia de bombardear, cobrir, persuadir, inocular ou encontrar outra forma de evitar eventos climáticos de grande porte.

De 1962 a 1983, o governo dos EUA executou o Projeto Stormfury, uma tentativa de enfraquecer as tempestades tropicais semeando-as com iodeto de prata.

O projeto envolveu despejar recipientes com o material da parede do olho de uma tempestade, na esperança de que a reação química congelasse as águas dentro da tempestade, interrompendo sua formação.

A princípio, o projeto pareceu funcionar. Alguns furacões pareciam enfraquecer, mas com o tempo os investigadores perceberam que não havia nenhuma ligação defensável entre os métodos e o resultado da tempestade.

A ilusão de sucesso era, em vez disso, um caso de viés de confirmação, e os furacões iriam fazer o que quisessem de qualquer maneira.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

0 visualização

Comments


bottom of page