top of page

Cérebros de mais de 12 mil anos podem ajudar a explicar doenças mentais

Conjunto "extraordinário" de cérebros de mais de 12.000 anos pode explicar doenças mentais

Alexandra Morton-Hayward, empresária que se tornou acadêmica, se interessou por cérebros e como eles se decompõem durante seu antigo emprego.

PUBLICIDADE

“Trabalhei durante anos com os mortos. Minha própria experiência é que o cérebro se liquefaz muito rapidamente [ápós a morte]”, disse ela. “Portanto, foi um verdadeiro choque quando me deparei com um artigo (científico) que fazia referência a um cérebro de 2.500 anos.”

Agora, atuando como antropóloga forense que estuda para um doutorado na Universidade de Oxford, Morton-Hayward descobriu que os cérebros, embora não sejam encontrados intactos tão comumente como os ossos, preservam-se surpreendentemente bem nos registros arqueológicos.


Para entender por quê, a antropóloga compilou um arquivo único de informações sobre 4.405 cérebros desenterrados por arqueólogos. Cérebros emergiram de turfeiras do norte da Europa, de montanhas andinas, de naufrágios, de tumbas no deserto e de asilos vitorianos. Os mais velhos descobertos tinham 12.000 anos.


Morton-Hayward está trabalhando principalmente para compreender como esses cérebros sobrevivem à devastação do tempo, com pelo menos quatro mecanismos de preservação em ação.

No entanto, a base de dados também abrirá novas áreas de estudo, disse Martin Wirenfeldt Nielsen, médico e patologista do Hospital Universitário da Dinamarca do Sul, que não esteve envolvido na investigação. Ele também é responsável pela coleção de cérebros médicos da Universidade da Dinamarca do Sul.


“Este banco de dados permitirá aos cientistas estudar o tecido cerebral desde os tempos antigos e determinar se as doenças conhecidas hoje também estavam presentes há muitos anos em civilizações completamente diferentes daquelas em que vivemos atualmente”, disse Wirenfeldt Nielsen por e-mail.

“Examinar tecidos de cérebros que não foram expostos ao ambiente e aos estímulos da sociedade moderna pode nos ajudar a compreender se algumas das doenças cerebrais que encontramos hoje podem ser, pelo menos em parte, causadas pela forma como vivemos agora.”


Uma coleção de cérebros antigos

Morton-Hayward vasculhou três séculos da literatura científica e entrevistou historiadores e arqueólogos para catalogar os cérebros. No entanto, nem todos os espécimes físicos correspondentes continuam disponíveis para estudo.

Os mais antigos eram dois cérebros de 12 mil anos encontrados em um local na Rússia na década de 1920, que os pesquisadores descreveram como tendo sido encontrados com dentes peludos de mamute, disse Morton-Hayward. Não está claro o que aconteceu com os cérebros, acrescentou ela.


Morton-Hayward trabalha em um laboratório em Oxford, na Inglaterra, onde ajudou a construir uma coleção de 570 cérebros antigos. Eles são mantidos em geladeiras em potes e recipientes de plástico para viagem porque possuem tampas seguras. O espécime mais antigo no laboratório é um cérebro de 8.000 anos da Idade da Pedra na Suécia, que foi montado em uma estaca antes de ser enterrado no leito de um lago.

Morton-Hayward e os seus colegas identificaram quatro formas pelas quais os cérebros, normalmente descoloridos e encolhidos, foram preservados, fatores frequentemente ligados ao clima ou ambiente em que foram encontrados. Os resultados foram publicados em 19 de março na revista Proceedings of the Royal Society B Biological Sciences.


Condições secas e quentes desidratavam os cérebros de uma forma que imita o embalsamamento deliberado de múmias, enquanto em turfeiras ácidas o corpo era essencialmente bronzeado como couro. Em locais frios, o cérebro ficava congelado, enquanto, em alguns casos, as gorduras encontradas no cérebro se transformavam em “cera tumular”, um processo conhecido como saponificação.

No entanto, em cerca de 1.328 casos, os cérebros sobreviveram na ausência de outros tecidos moles, levantando questões sobre a razão pela qual este órgão pode persistir enquanto outros se decompõem. Curiosamente, muitos dos cérebros mais antigos são preservados desta forma desconhecida, disse Morton-Hayward.


“Temos este quinto mecanismo, este mecanismo desconhecido que supomos que poderia ser uma forma de reticulação molecular, possivelmente promovida pela presença de metais como o ferro”, disse ela, referindo-se à possibilidade de proteínas e lipídios no cérebro se fundirem na presença de elementos como ferro ou cobre, permitindo a preservação do cérebro.


Os pesquisadores não acreditam que a concha protetora do crânio esteja por trás da preservação do cérebro na ausência de outros tecidos moles, porque cérebros preservados foram encontrados em crânios danificados por trauma ou pelo processo de fossilização, conforme mostra o estudo.

“O tecido do sistema nervoso central é extremamente frágil e vulnerável e descobrir que o tecido cerebral foi preservado durante tantos anos é extraordinário”, disse Wirenfeldt Nielsen.


Segredos esperando para serem revelados?

É possível que DNA e proteínas antigas possam ser extraídas dos cérebros, revelando segredos sobre as pessoas às quais pertenceram. Se recuperado com sucesso, o material poderá potencialmente revelar coisas que as informações moleculares extraídas de ossos e dentes não conseguem, disse Morton-Hayward.


“O cérebro é o (órgão) mais metabolicamente ativo do corpo humano. Representa 2% do nosso peso corporal, mas consome 20% da nossa energia, fazendo coisas constantemente. É um órgão incrivelmente complexo e, portanto, tem uma composição biomolecular realmente incomum. Portanto, para começar, o tipo de riqueza de informações é muito maior”, disse ela.


“O DNA antigo poderia ser muito bem preservado nestes cérebros devido à forma como, pelo menos os cérebros do tipo desconhecido, parecem estar preservados”, acrescentou ela. “Eles estão condensando e encolhendo e expulsando a água. E isso está formando esse tipo de sistema fechado que poderia, em teoria, proteger DNA de alta qualidade e alto rendimento.”


Muitas das pessoas às quais os cérebros pertenciam têm histórias emocionantes que merecem mais atenção, disse Morton-Hayward. Um dos cérebros que ela documentou pertencia a um santo polonês. Outro foi vítima de um sacrifício inca. Como ex-coveira, ela disse que nunca esquece os humanos por trás das partes do corpo.

“Estou muito grata por ter essa experiência”, disse ela. “O mais importante é que você nunca perca de vista o fato de que essas amostras são seres humanos.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

2 visualizações0 comentário

Kommentare


bottom of page