top of page

Austrália marca referendo histórico sobre inclusão dos povos originários na Constituição

Alteração na Carta Magna do país visa dar mais voz aos povos originários, por anos negligenciados, por meio do instrumento “Voz ao Parlamento”


Os australianos votam no dia 14 de outubro um referendo sobre reconhecer os povos originários – os aborígines australianos e os aborígenes das ilhas do Estreito de Torres – na Constituição do país.

A alteração na Constituição visa dar mais voz aos primeiros povos da Austrália, por anos negligenciados, por meio do instrumento “Voz ao Parlamento”. A proposta prevê a criação de um comitê indígena para aconselhar o parlamento federal em assuntos de interesse dos aborígenes.

O referendo, viabilizado pelo atual governo, é politicamente controverso e o ministro do país busca apoio entre a população que, conforme as pesquisas, não se mostra inclinada a reconhecer os povos originários em sua Carta Magna.

“Nesse dia, cada australiano terá a oportunidade única de unir o nosso país e mudá-lo para melhor”, disse o primeiro-ministro Anthony Albanese nesta quarta-feira (30).

Na votação, será feita apenas uma pergunta: “Proposta de Lei: você apoia alterar a Constituição para reconhecer os Primeiros Povos da Austrália, estabelecendo uma Voz Aborígene e das Ilhas do Estreito de Torres no país?”. A resposta deverá ser apenas “sim” ou “não”.

A proposta chamou atenção e invadiu as redes sociais, à medida que o governo e opositores da inclusão dos aborígenes lançaram uma campanha vigorosa para captar eleitores.

É necessária uma votação por dupla maioria para que a proposta seja aprovada – mais de 50% dos eleitores em todo o país e pelo menos 50% na maioria dos estados. Os votos nos territórios – Território do Norte e Território da Capital Australiana – só serão incluídos no total nacional.

A votação é vista como um momento crucial, não só porque a mudança constitucional é rara e irreversível, mas porque iluminou questões que se agravam há séculos.

O instrumento “Voz ao Parlamento”, se aprovado, consagraria na constituição um órgão composto por povos indígenas para assessorar o governo sobre as leis que lhes dizem respeito.

Os apoiadores da proposta dizem que a votação é uma oportunidade para tratar as feridas abertas da injustiça, para finalmente ouvir os povos originários após gerações de perseguição, racismo e negligência.

No caso dos opositores, em sua maioria conservadores, eles dizem que é um gesto simbólico que, na melhor das hipóteses, não resultará em nada e corre o risco de dividir a nação ao dar a alguns australianos um lugar “especial” acima de outros na constituição.


O poder de uma marcação

Agora que a data foi marcada, espera-se que os ativistas intensifiquem os esforços para capturar eleitores indecisos, que podem não votar automaticamente de acordo com as linhas tradicionais dos partidos políticos.

O acirramento se dá entre o governo trabalhista – que viabilizou e busca a aprovação da proposta – e os grandes partidos da Austrália, o Partido Liberal e o Partido Nacional, que são contrários a essa alteração.

O resultado desse clima de polarização política criou focos de desinformação que a Comissão Eleitoral Australiana (AEC) buscou formas de conter. Por exemplo, na semana passada, o líder do Partido Liberal, Peter Dutton, sugeriu que o processo da AEC era falho porque o comitê provavelmente teria dito “que aceitariam uma marcação em formato de cruz para ‘sim’, mas não para uma marcação em ‘não’”.

“A cada passo, parece que eles estão aproveitando a oportunidade para distorcer a realidade, enquanto os australianos querem apenas uma eleição justa, não duvidosa”, disse Dutton à Sky News.

A AEC divulgou um comunicado dizendo que “rejeita totalmente as sugestões de alguns de que, ao seguir de forma transparente os requisitos legislativos estabelecidos, públicos e conhecidos, estamos minando a imparcialidade e a justiça do referendo”.

A AEC disse que por lei é obrigada a contar votos com uma clara intenção de voto que tenham sido incorretamente expressos e que “assessoria jurídica de longa data prevê que uma cruz pode ser aberta à interpretação sobre se denota aprovação ou desaprovação”.


Questão de percepção

Para além dos argumentos sobre o procedimento, o debate atingiu o cerne da forma como a nação vê o seu povo indígena, 235 anos após a chegada dos colonos britânicos ter transformado irreparavelmente o destino daqueles cujos antepassados ​​habitaram o subcontinente australiano durante dezenas de milhares de anos.

As estatísticas governamentais atualizadas todos os anos mostram o custo duradouro da colonização, lançando um amplo espectro sobre uma população indígena cujas centenas de grupos distintos representam menos de 4% da população – cerca de 800.000 pessoas numa nação de 26 milhões de habitantes.

Durante muito tempo, a história australiana foi contada através das lentes dos colonizadores, que ignoraram ou minimizaram as raízes violentas do país, diz Anna Clark, historiadora do Centro Australiano de História Pública, da Universidade de Tecnologia de Sydney.

No final do século XIX, ela disse que os povos indígenas não se enquadravam na narrativa de construção da nação australiana e, décadas mais tarde, à medida que os movimentos americanos pelos direitos civis e anti-apartheid se consolidavam, “o silêncio tornou-se avassalador”.

As demandas da comunidade indígena cresceram e foram discutidas, refinadas e finalmente redigidas na “Declaração do Coração de Uluru” – um documento endossado por quase 250 líderes e anciãos aborígenes e das ilhas do Estreito de Torres. A declaração constitui a base da proposta Voice – que Clark diz que os historiadores apoiam “contundentemente”.

“É um momento muito importante porque os historiadores australianos fizeram uma espécie de curadoria e definiram o que é a história australiana e quem é um historiador e quem pode contar essa história. E neste momento estamos sendo convidados a dar um passo atrás e ouvir outras narrativas nacionais e a dar voz aos contadores de histórias e detentores de conhecimento aborígenes.”


Sem fortalecimento de votos nas pesquisas

Mas sondagens recentes sugerem que se uma votação for feita agora, provavelmente fracassará.

A campanha do “não” ganhou força, sugerindo que os eleitores não sabem o suficiente sobre como a proposta “Voz ao Parlamento” funcionará para tomar uma decisão. O governo diz que esses detalhes serão debatidos no parlamento após a mudança constitucional.

A última vez que os australianos foram convidados a votar num referendo sobre os povos indígenas do país foi em 1967 – quando 90% votaram para incluir os indígenas australianos nas contagens populacionais e para que o governo promulgasse leis relativas a eles.

Desta vez, June Oscar, Comissária de Justiça Social dos Aborígenes e das Ilhas do Estreito de Torres na Comissão Australiana de Direitos Humanos (AHRC), está preocupada com o fato de a informação não estar chegando a algumas pessoas – aquelas em áreas remotas.

“Estamos vendo ou ouvindo muito discurso racista e prejudicial em relação ao referendo”, disse Oscar, observando que a AHRC produziu um kit de recursos para o referendo que aconselha as pessoas sobre como minimizar os danos. As dicas incluem centralizar o conhecimento, as vozes e as perspectivas indígenas e evitar linguagem racialmente pejorativa.

Oscar disse que ela também está “entristecida e desapontada com algumas das inverdades” que estão sendo espalhadas.

O receio entre alguns é que, se a votação falhar, enviará uma mensagem, certa ou errada, de que os racistas venceram – e séculos de luta pelos povos originários cairá então para as gerações futuras.

“Acho que há uma crença forte e partilhada de que devemos e somos capazes de fazer isto direito durante a nossa vida, e que não devemos deixar este legado de luta aos nossos filhos e netos”, disse Oscar.

E se falhar? “Voltamos à prancheta novamente e aprendemos com isso para estarmos preparados para a próxima oportunidade”.

Mas Albanese deixou claro que não há segundas oportunidades.

“Votar pelo ‘não’, não levará a lugar nenhum. Isso significa que nada muda. Votar pelo ‘não’ fecha a porta para esta oportunidade de avançar”, disse.

Dirigindo-se diretamente aos australianos, ele disse: “Não feche a porta para uma ideia que veio dos próprios povos aborígenes e das ilhas do Estreito de Torres, e não feche a porta para a próxima geração de indígenas australianos”.

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page