top of page

Amostra revela que asteroide Bennu pode ter vindo de planeta oceânico primitivo

As rochas coletadas de Bennu representam uma cápsula do tempo dos primeiros dias do Sistema Solar, datando de mais de 4,5 bilhões de anos

Uma análise inicial de uma amostra coletada do asteroide Bennu sugere que a rocha espacial teve um passado inesperadamente rico em água — e pode até ter se desprendido de um antigo mundo oceânico.


A missão OSIRIS-REx da Nasa (agência espacial dos Estados Unidos) recolheu a amostra pristina de 121,6 gramas do asteroide próximo à Terra em 2020 e a devolveu à Terra em setembro passado.

Desde então, os cientistas têm analisado as rochas e poeiras do asteroide para ver quais segredos podem conter sobre a composição do asteroide e se ele poderia ter fornecido os elementos para a vida na Terra. Os asteroides também intrigam os cientistas porque são os remanescentes da formação do Sistema Solar.


Uma revisão inicial de parte da amostra, compartilhada em outubro, sugeriu que o asteroide continha uma grande quantidade de carbono.

Durante uma nova análise da amostra, a equipe descobriu que a poeira de Bennu é rica em carbono, nitrogênio e compostos orgânicos, todos os quais ajudaram a formar o Sistema Solar. Esses ingredientes também são essenciais para a vida como a entendemos e podem ajudar os cientistas a entender melhor como planetas semelhantes à Terra evoluem.


Um estudo detalhando as descobertas foi publicado na quarta-feira (26) na revista Meteoritics & Planetary Science.

“A OSIRIS-REx nos deu exatamente o que esperávamos: uma grande amostra primitiva de asteroide rica em nitrogênio e carbono de um mundo anteriormente úmido”, disse Jason Dworkin, coautor do estudo e cientista do projeto OSIRIS-REx no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland, em um comunicado.

Rochas e poeira foram coletadas do asteroide Bennu e retornadas à Terra pela missão OSIRIS-REx (Erika Blumenfeld/Joseph Aebersold/Nasa)


Elementos para a vida

A maior surpresa foi encontrar fosfato de magnésio-sódio dentro da amostra, que a detecção remota inicialmente não detectou quando a OSIRIS-REx, ou a missão Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, and Security — Regolith Explorer, estava orbitando Bennu.

O fosfato de magnésio-sódio é um composto que pode ser dissolvido em água e serve como um componente da bioquímica para a vida.


É possível que o asteroide possa ter se desprendido de um pequeno mundo oceânico primitivo que não existe mais em nosso Sistema Solar, disseram os pesquisadores.

A amostra do asteroide consiste principalmente em minerais argilosos, incluindo serpentina, o que torna a amostra notavelmente semelhante às rochas encontradas em dorsais meso-oceânicas na Terra. Essas dorsais são onde o material do manto, a camada abaixo da crosta superficial da Terra, encontra a água.


Um fosfato semelhante foi encontrado em uma amostra do asteroide Ryugu coletada pela missão Hayabusa2 da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão e devolvida à Terra em dezembro de 2020. Mas o composto da amostra de Bennu é mais puro e tem grãos maiores.

“A presença e o estado dos fosfatos, juntamente com outros elementos e compostos em Bennu, sugerem um passado aquoso para o asteroide”, disse Dante Lauretta, coautor do estudo, investigador principal da OSIRIS-REx e professor regente na Universidade do Arizona, em Tucson (EUA), em um comunicado. “Bennu potencialmente poderia ter sido parte de um mundo mais úmido. No entanto, essa hipótese requer investigação adicional.”


Cápsulas do tempo cósmicas

As rochas coletadas de Bennu representam uma cápsula do tempo dos primeiros dias do Sistema Solar, datando de mais de 4,5 bilhões de anos.

“A amostra que trouxemos de volta é o maior reservatório de material de asteroide inalterado na Terra neste momento”, disse Lauretta.


Os astrônomos acreditam que rochas espaciais, como asteroides e cometas, podem ter servido como mensageiros antigos em nosso Sistema Solar.

“Isso significa que asteroides como este podem ter desempenhado um papel fundamental na entrega de água e dos blocos de construção da vida para a Terra”, disse Nick Timms, coautor do estudo, membro da equipe de Análise de Amostras da OSIRIS-REx e professor associado na Escola de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade Curtin (EUA), em um comunicado.


Se esses pequenos corpos rochosos estavam carregando água, minerais e outros elementos e colidiram com a Terra enquanto ela estava se formando bilhões de anos atrás, eles poderiam ter ajudado a preparar o terreno para o início da vida em nosso planeta.

“Essas descobertas ressaltam a importância de coletar e estudar material de asteroides como Bennu — especialmente material de baixa densidade que normalmente queimaria ao entrar na atmosfera da Terra”, disse Lauretta. “Este material detém a chave para desvendar os processos intrincados da formação do Sistema Solar e da química prebiótica que poderia ter contribuído para o surgimento da vida na Terra.”


A abundância de material coletado do asteroide significa que mais laboratórios ao redor do mundo receberão suas próprias partes da amostra para estudo.

“As amostras de Bennu são rochas extraterrestres maravilhosamente intrigantes”, disse Harold Connolly Jr., coautor do estudo, cientista de amostras da missão OSIRIS-REx e chefe do departamento de geologia na Escola de Terra e Meio Ambiente da Universidade Rowan, em Glassboro, Nova Jersey, em um comunicado. “A cada semana, a análise pela equipe de Análise de Amostras da OSIRIS-REx fornece descobertas novas e às vezes surpreendentes que estão ajudando a estabelecer importantes limitações sobre a origem e evolução de planetas semelhantes à Terra.”


Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br


0 visualização0 comentário

Kommentare


bottom of page