top of page

Amostra de asteroide revelada pela Nasa contém elementos essenciais à vida

Primeiras análises se referem a material "bônus" que estava aderido ao recipiente em que a amostra foi coletada

Uma amostra intocada de asteroide que poderia servir como uma cápsula do tempo desde os primeiros dias do nosso sistema solar foi finalmente revelada.

As rochas e a poeira contêm água e uma grande quantidade de carbono, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson, o que sugere que asteroides como Bennu podem ter fornecido os blocos de construção da vida à Terra. A amostra contém quase 5% de carbono em peso.


“Superando em muito a nossa meta de 60 gramas, esta é a maior amostra de asteroide rica em carbono já devolvida à Terra”, disse Nelson.


“As moléculas de carbono e água são exatamente os tipos de material que queríamos encontrar. São elementos cruciais na formação do nosso próprio planeta. E vão ajudar-nos a determinar a origem dos elementos que poderiam ter dado origem à vida.”


A amostra, coletada do asteroide próximo à Terra Bennu, de 4,5 bilhões de anos, em outubro de 2020, pela missão OSIRIS-REx da Nasa, chegou à Terra em uma cápsula em 24 de setembro, caindo da espaçonave e pousando no deserto de Utah.


Desde então, os cientistas têm trabalhado arduamente no estudo da riqueza de material — mais do que esperavam — situado no topo do recipiente para realizar uma análise inicial.

Os resultados dessa análise e a primeira olhada na amostra foram compartilhados durante uma transmissão ao vivo da Nasa no Centro Espacial Johnson da agência, em Houston, na quarta-feira. É a maior amostra de asteroide devolvida à Terra.

Havia tanto material “bônus” quando os cientistas abriram o recipiente que a equipe ainda não abriu a amostra a granel.

“Baú do tesouro de material extraterrestre”

Nas últimas duas semanas, a equipe científica analisou algumas rochas e poeira usando um microscópio eletrônico de varredura, fazendo medições infravermelhas e conduzindo uma análise de elementos químicos.

Eles também usaram raios X para criar um modelo 3D de uma das partículas para revelar sua composição, revelando um “tesouro científico” de conteúdo de carbono e água, disse o investigador principal da OSIRIS-REx, Dante Lauretta.

“A primeira análise mostra amostras que contêm água abundante na forma de argilominerais hidratados e contêm carbono tanto na forma de minerais quanto de moléculas orgânicas”, disse Nelson.

A equipe compartilhou imagens detalhadas das partículas revelando os minerais argilosos contendo água.


“É assim que pensamos que a água chegou à Terra”, disse Lauretta. “A razão pela qual a Terra é um mundo habitável, porque temos oceanos, lagos, rios e chuva, é porque estes minerais argilosos chegaram à Terra entre 4 bilhões e 4,5 bilhões de anos, tornando o nosso mundo habitável. Então, estamos vendo a forma como a água foi incorporada ao material sólido.”

A análise também revelou minerais de sulfureto, “um elemento crítico para a evolução e biologia planetária”, minerais de óxido de ferro chamados magnetite que reagem a campos magnéticos, e outros minerais que podem ser importantes para a evolução orgânica, disse Lauretta.

A equipe científica ficou entusiasmada por detectar matéria orgânica e uma riqueza de carbono, que é um elemento essencial para toda a vida, disse o Daniel Glavin, analista de amostras da OSIRIS-REx e cientista sênior do Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland.

“Estamos apenas começando, mas escolhemos o asteroide certo e, não só isso, trouxemos a amostra certa”, disse Glavin. “Essa coisa é o sonho de um astrobiólogo.”

No futuro, a equipe analisará o quanto a química evoluiu em Bennu para determinar se os blocos de construção da vida criaram peptídeos ou cadeias de aminoácidos que formam proteínas, disse Glavin.

Enquanto isso, ainda esperando dentro da vasilha há “um baú cheio de material extraterrestre”, disse Lauretta.

O que a amostra pode revelar

Quando a sonda OSIRIS-REx se aproximou de Bennu, há três anos, estendeu uma cabeça do Mecanismo de Aquisição de Amostras Touch-and-Go, ou TAGSAM, em direção ao asteroide e disparou uma rajada de gás nitrogênio.

A explosão de gás levantou rochas e poeira até 50 centímetros abaixo da superfície da rocha espacial. Esses detritos fluíram para a cabeça do TAGSAM.

O TAGSAM também tinha 24 almofadas de contato de superfície que tocavam o asteroide e prendiam material de granulação fina.

Juntas, a poeira e as rochas recolhidas da superfície e do interior de Bennu poderão revelar a história de como o asteroide se formou e evoluiu ao longo do tempo.

Estas informações também irão lançar luz sobre a composição geral da rocha espacial, o que poderá ajudar a Nasa a determinar como poderá desviar o asteroide, que tem uma hipótese de impactar a Terra no futuro.

A tão esperada revelação levou sete anos para ser feita, desde o lançamento da missão OSIRIS-REx em 2016 até o pouso da cápsula no mês passado. Alguns aguardam ansiosamente esse momento há ainda mais tempo.

Lauretta, que ajudou a desenvolver a missão durante as suas fases iniciais, esperou quase 20 anos para ver a amostra e colher os conhecimentos que ela poderia revelar sobre o nosso sistema solar.

“Nossos laboratórios estavam prontos para tudo o que Bennu tinha reservado para nós”, disse Vanessa Wyche, diretora do Centro Espacial Johnson da Nasa.

“Tivemos cientistas e engenheiros trabalhando lado a lado durante anos para desenvolver caixas de luvas e ferramentas especializadas para manter o material do asteroide intocado e para curar as amostras para que os pesquisadores agora e daqui a décadas possam estudar este precioso presente do cosmos.”

Os cientistas analisarão as rochas e o solo durante os próximos dois anos em uma sala limpa dedicada dentro do Centro Espacial Johnson. A amostra também será dividida e enviada para laboratórios em todo o mundo, incluindo parceiros da missão OSIRIS-REx na Agência Espacial Canadense e na Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial.

Cerca de 70% da amostra permanecerá intacta no armazenamento para que as gerações futuras com melhor tecnologia possam aprender ainda mais do que é possível agora.

“As pedras contam uma história”, disse Lauretta. “O maior mistério que enfrentamos agora é: como passar de uma bola de lama para algo vivo? Quando você faz essa transição? O desejo mais profundo é que façamos algum progresso na tentativa de descobrir por que estamos aqui neste universo.”

Link de referência da matéria: https://www.cnnbrasil.com.br




3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page